XP Expert

A política na semana – 19 de julho

Paulo Guedes promete enviar proposta de reforma tributária ao Congresso, mirando na simplificação de tributos federais, na taxação de renda e em tributo sobre pagamentos

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O destaque dos últimos dias foi a ressureição da reforma tributária. O assunto já vinha mostrando tração nos bastidores e voltou de vez à agenda depois que o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou, durante a participação na Expert XP 2020, que vai levar na próxima semana ao presidente do Senado, Davi Alcolumbre, a proposta do governo para as mudanças na regra de tramitação.

A semana começou com rescaldos da celeuma entre o ministro Gilmar Mendes, do STF, e as Forças Armadas, que teve como resultado um aumento da pressão sobre a saída do general Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, e o presidente Jair Bolsonaro já avalia nomes para o cargo. Mas a retomada dos trabalhos da Comissão de Reforma Tributária na Câmara e a fala de Guedes colocaram a agenda de reformas econômicas em foco.

Paulo Guedes, falou da urgência da reforma tributária em painel da Expert (Foto: divulgação Expert XP)

A intenção de Guedes de entregar pessoalmente as sugestões do governo ao presidente do Senado tem como objetivo destravar o debate no Congresso. Na última semana, também houve um encontro entre Guedes e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, em que se buscou aparar arestas na relação.

O ministro da Economia disse que o texto está pronto já na Casa Civil, confirmou que não mandará a PEC neste momento e que começará a discussão “pelo que nos une”, ou seja, a simplificação de tributos federais. A proposta do governo é de um IVA (Imposto sobre Valor Agregado) dual, que permita a agregação de estados e municípios. 

Taxação de renda

O governo quer tratar ainda da taxação de renda e de um tributo sobre pagamentos, atrelados à discussão do Renda Brasil. A criação de um novo imposto, que tem sido refutada por Rodrigo Maia, fica fora dessa primeira leva apresentada pelo Ministério da Economia. O próprio presidente Bolsonaro, mesmo no momento de maior recolhimento, tem dito que a proposta de Guedes não trata de uma nova CPMF, mas de uma forma de tentar manter empregos.

“É uma tributação digital. É uma compensação, é eliminar um montão de encargos em troca de outro. Agora, se a sociedade não quiser, não tem problema nenhum”, disse Bolsonaro.

Guedes mencionou ainda, sem dar detalhes, que pode encaminhar uma reforma administrativa para a Câmara dos Deputados, e em troca o Congresso levaria adiante os marcos regulatórios setoriais. 

Como fica claro nas conversas com lideranças partidárias, ainda há ajustes a serem feitos para os planos da equipe econômica funcionarem. Esta não é a primeira data marcada pelo governo para apresentar o texto da reforma tributária. E ainda há necessidade de ajuste político para que ela tramite em conjunto com a PEC conduzida por Rodrigo Maia na Câmara.

Teto de gastos

Outro recado da política importante para o mercado foi dado pelo novo secretário do Tesouro Nacional, em sua fala na Expert XP 2020. Bruno Funchal rechaçou a possibilidade de aumento de carga tributária. Na avaliação dele, a economia vem se recuperando, “o pior já está ficando para trás” e a necessidade de políticas, como o auxílio emergencial, será menor.

“Não dá pra aumentar despesa sem discutir realocação de recursos. Nosso objetivo é não aumentar carga tributária e manter o teto de gastos. Juros baixos e carga tributária controlada ajudam no combate ao desemprego que é a melhor política social que tem”.

O secretário defendeu a manutenção do teto de gastos e a necessidade de ajustar as despesas ao orçamento. A melhor ferramenta para isso, segundo Funchal, ainda é o leque de reformas estruturais do governo.

“O choque é casual, temporário. Não é sistemático. A agenda de médio, longo prazo continua sendo consolidação fiscal e aumento de produtividade. Assim que conseguirmos passar pela pandemia, mesmo com um gasto maior temporário, a gente volta para a nossa consolidação fiscal”. 

Sobre os temas que apresentam riscos de aumento de despesas, como Renda Brasil e o Fundeb, Funchal afirma que o desafio é fazer política social mais eficiente e realocar os recursos para os programas que funcionam melhor.

Vetos Bolsonaro

Foi adiada a sessão do Congresso Nacional que pretende tratar do veto de Bolsonaro à desoneração da folha de salários de 17 setores. O governo agora busca apoio entre lideranças do Senado para manter o veto. Há dificuldade de articulação nesse sentido na Câmara, por causa do descontentamento de deputados sobre outro veto do presidente, o que trata do marco do saneamento, que entrou em vigor na última semana. 

Tiveram destaque também esta semana as medidas trabalhistas anunciadas pelo governo: além da prorrogação do programa de manutenção de emprego, foi publicada a portaria que autoriza a recontratação de demitidos durante a pandemia com salários mais baixos que os da saída.

Privatizações

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, determinou à mesa da Casa que desista de reclamar no Supremo contra o “atalho” tomado pelo governo nas privatizações. A decisão enfraquece a provocação feita inicialmente pelas duas casas legislativas, Câmara e Senado, ao STF. O pedido era para a Corte esclarecer se é legal a prática do governo de criar novas subsidiárias de estatais para facilitar o processo de privatização, evitando a consulta ao Congresso. 

A discussão ainda está viva, porque permanece o pedido feito pelo Senado. Mas perde tração a narrativa de que o governo estaria burlando a regra estabelecida pelo Supremo, segundo a qual as empresas-mãe (matrizes) precisam de autorização prévia dos parlamentares para serem vendidas. Há expectativa de que o presidente Dias Toffoli decida sobre o caso ainda durante o recesso do STF, que termina em 1º de agosto

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.