Onde Investir – Fevereiro de 2021


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O ano começou agitado, marcado principalmente por movimentos de investidores varejo comprando papeis pouco líquidos e grandes fundos de investimentos no exterior que operam vendidos esses mesmos papeis. Em grupos organizados na internet, pessoas físicas compraram quantidades de papeis suficientes para que grandes hedge funds tivessem que interromper suas operações. O VIX, mais conhecido como índice do medo, alcançou os 37 pontos na última quarta-feira (27/jan.) Este é o maior patamar desde outubro de 2020 e algo mais próximo ao visto em 27/2/2020, quando a bolsa americana registrava 27% de queda desde o pico. Foi um mês negativo para renda variável em geral: Ibovespa encerrando o mês com uma queda de 3,21% e a bolsa americana (S&P 500) apresentou retorno de -1,16%. No entanto, mantemos nossas alocações em ativos de risco dado que esses ruídos em nada afetam nosso cenário de longo prazo.

Pela primeira vez o time de economia publicou não só o cenário esperado para 2021, mas também para 2022 no relatório Brasil Macro Mensal (https://conteudos.xpi.com.br/economia/brasil-macro-mensal-cenario-de-22-depende-dos-avancos-de-21/). Atualmente em 2% ao ano, o time projeta que o ciclo de alta da Selic deve começar em agosto que a esta deve chegar a 3% no final deste ano, e atingir a marca de 4% no final de 2022. Sobre a inflação há expectativa que esta fique em 3,4%, próxima a meta e que o PIB em 2022 aumente 2,0%, após um crescimento de 3,4% em 2021.

Riscos doméstico associados as incertezas políticas dadas as eleições da câmara e senado, somadas a preocupações em relação a dinâmica da trajetória da dívida, pressionaram o câmbio neste início do ano. No entanto, o modelo estrutural do time de economia espera que a moeda termine 2021 em 4,9, dando continuidade no movimento de depreciação em 2022, encerrando o mesmo em 4,8. No modelo consideram não só o aumento de juros no país como comentado acima, mas também fora do país além de um dólar mais fraco em relação a uma cesta de moedas globais.

O cenário atual está altamente volátil, a dispersão das expectativas de preço dos é um dos fatores de influência para tal, logo a volatilidade não resulta apenas em riscos, mas sem dúvidas em mais oportunidades. As melhores recomendações nesse cenário são: Mantenha sua carteira diversificada em diferentes classes de ativos e permaneça investido. O caixa aplicado no CDI rende menos que a inflação hoje em dia. Portanto, manter uma grande parcela em caixa do seu patrimônio – além da Reserva de Emergência – irá levar a perda garantida de patrimônio.

 

 

Principais fatos que influenciaram os investimentos

Brasil Macro Mensal: Cenário de 22 depende dos avanços de 21

Brasil Macro Mensal: Cenário de 22 depende dos avanços de 21

O ano começou agitado. A alta das expectativas de inflação e o ambiente político conturbado nos EUA pressionaram as taxas de juros dos títulos do Tesouro Americano. Mesmo em níveis historicamente baixos, a dinâmica afeta as moedas emergentes. A forte alta das commodities, impulsionada pelo bom ritmo da indústria global, suavizou um pouco o movimento.

Ler relatório na íntegra
O que pode acabar com a alta nos mercados?

O que pode acabar com a alta nos mercados?

Sabe aquele momento em que você está no ápice de uma festa, em que todos a sua volta estão com o nível de felicidade máximo, e você começa a desejar que aquela festa não acabe nunca?

Ler relatório na íntegra
5 anos em 5 minutos – Janeiro 2021

5 anos em 5 minutos – Janeiro 2021

Desde o início do ano, quando soltamos nossa última edição mensal deste, os mercados ao redor do mundo passaram por uma alta moderada, com investidores animados com o andamento das campanhas de vacinação e as discussões acerca de um novo pacote de estímulos nos Estados Unidos.

Ler relatório na íntegra

Mundos e Fundos: Daniel Vairo, gestor do Pacifico Macro, fala sobre montar estratégias macro em fundos multimercado

Mundos e Fundos: Daniel Vairo, gestor do Pacifico Macro, fala sobre montar estratégias macro em fundos multimercado

No nono episódio da série Mundos e Fundos, recebemos Daniel Vairo, gestor do fundo Pacifico Macro FIC FIM, para falar sobre estratégias macro em fundos multimercado.

 

Ler relatório na íntegra
Mundos & Fundos: Mariano Andrade, da Polo Capital, conta os desafios de construir um portfólio de ativos de crédito

Mundos & Fundos: Mariano Andrade, da Polo Capital, conta os desafios de construir um portfólio de ativos de crédito

No oitavo episódio da série Mundos e Fundos recebemos Mariano Andrade, gestor do fundo Polo Crédito Corporativo Advisory FIRF CP LP, para conversar sobre os desafios de criar um portfólio de ativos de crédito.

 

Ler relatório na íntegra

Guia de Investimentos

O ano começou agitado, marcado principalmente por movimentos de investidores varejo comprando papeis pouco líquidos e grandes fundos de investimentos no exterior que operam vendidos esses mesmos papeis. Em grupos organizados na internet, pessoas físicas compraram quantidades de papeis suficientes para que grandes hedge funds tivessem que interromper suas operações. O VIX, mais conhecido como índice do medo, alcançou os 37 pontos na última quarta-feira (27/jan.) Este é o maior patamar desde outubro de 2020 e algo mais próximo ao visto em 27/2/2020, quando a bolsa americana registrava 27% de queda desde o pico. Foi um mês negativo para renda variável em geral: Ibovespa encerrando o mês com uma queda de 3,21% e a bolsa americana (S&P 500) apresentou retorno de -1,16%. No entanto, mantemos nossas alocações em ativos de risco dado que esse ruídos em nada afetam nosso cenário de longo prazo.


Última atualização: 29 de janeiro de 2021

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.