Uma pimenta na renda fixa: a sofisticação da gestão dos fundos high yield

Conheça a estratégia sofisticada de gestores que buscam oportunidades de rendimentos em ativos de crédito de alto risco.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A renda fixa é uma classe de ativos conhecida por sua segurança. Um investidor, ao optar por investir em ativos de renda fixa, ganha previsibilidade em relação ao tipo de remuneração que esse investimento irá oferecer, e isso pode ser compreendido como uma forma de proteção. Acontece que dentro da renda fixa temos diferentes produtos, subclasses e níveis de riscos. Para se ter noção de que a renda fixa vai muito além dos títulos seguros, a alternativa de investimento que vamos abordar hoje é conhecida por seu maior potencial rentabilidade, maior risco e menor liquidez: hoje você irá compreender o universo dos fundos de crédito privado high yield.

Quando uma empresa deseja captar recursos no mercado financeiro ela pode emitir uma dívida, que será formalizada via contrato e esse contrato irá se transformar em um título de investimento. Essa é uma alternativa mais barata para essas empresas do que os empréstimos bancários, por exemplo. Os custos desse contrato estarão vinculados a fatores como: tamanho da empresa, saúde financeira, histórico de crédito, rating, entre outros. O termo em inglês high yield quer dizer “alto rendimento”. Nesse caso, são ativos de crédito privado que oferecem uma rentabilidade elevada em troca de um maior risco.

Os fundos de crédito privado high yield são responsáveis por financiar essas empresas através da compra de títulos de crédito privado com alto risco. Essa qualidade do crédito é transmitida aos investidores através do “rating” que essa empresa possui, ou seja, uma classificação em forma de notas que busca mensurar a capacidade da empresa em honrar seus compromissos. A nota mais baixa atribuída pelas agências de risco é a “D” (quando a empresa já deu default ou calote) e a mais alta é a “AAA”. Saiba mais sobre como funcionam os ratings de crédito aqui.

Quando falamos em crédito privado high yield em escala global, essa classificação irá abranger todos ativos que não são considerados “Investment Grade”, ou seja, todos os títulos que receberam rating inferior a BBB- ou Baa3 das agências de classificação de crédito. Como o próprio Brasil está classificado com o rating BB-, todos títulos brasileiros se encaixariam na definição high yield no âmbito internacional. O que chama atenção, no entanto, é que nessa classificação estariam grandes empresas locais consideradas seguras e com boa estrutura, mas que não alcançaram o rating dessa escala internacional.

Com o desenvolvimento do mercado de crédito no Brasil, novas emissões de títulos e o refinamento do processo de análise de rating, foi possível estruturar novas operações de crédito com diferentes níveis de risco. Hoje, em escala nacional, para um título ser considerado high yield a classificação deverá estar abaixo do rating AA.


A possibilidade de encontrar bons títulos com prêmios de risco elevados tem atraído muitos gestores. Em um estudo realizado com todos os fundos classificados como high yield da plataforma XP, foi possível notar que 33% deles tiveram início nos últimos 3 anos e quase 70% nos últimos 6 anos, o que demonstra um mercado recente, mas com crescentes oportunidades para o investidor.

Onde está a oportunidade dentro desse nível risco?

Uma característica dos títulos high yield é a baixa liquidez ocasionada pelos seus longos vencimentos. Por isso, quando um gestor de fundos high yield decide colocar esses papeis na carteira, o ganho de capital estará vinculado ao “carrego”, uma vez que o gestor leva esse título até o vencimento e recebe a rentabilidade contratada. Ou seja, quando falamos de ganho de capital nesse tipo de fundo, carregar até o vencimento é a principal fonte de renda. Outra possibilidade de ganho de capital é através da marcação a mercado, que é a precificação diária de um ativo de acordo com a taxa de juros esperada e as condições de mercado. Dessa forma, caso o gestor tenha liquidez para o ativo e valorização antes do vencimento, ele poderá se desfazer de parte ou de toda a posição realizando o ganho da operação. O gestor da XP Asset Fausto Silva, chama atenção para os dois pilares estratégicos desse tipo de papel:


“Essa classe de ativos, partindo da análise inicial, tem como premissa que não é um papel tão líquido. Essa premissa já é colocada no prêmio de liquidez e reflete na taxa de remuneração. A segunda premissa é inerente à renda fixa como um todo – pela falta de liquidez, precisamos fazer uma conta do que vai ser levado até o vencimento. Isso bate no prazo/duration o ativo. Isso reflete como o papel devolve o recurso ao investidor. Seja no pagamento de juros ou na amortização de capital. Por esse motivo existe uma personalização na estrutura do contrato.”


Para fins de explicação, duration é o prazo médio ponderado do fluxo de pagamento de um ativo. Se um ativo não possui pagamentos intermediários, sua duration é igual ao prazo do ativo. Essa é uma importante métrica de risco em relação ao horizonte de investimento do ativo. Quanto menor a duration, menor o risco daquele papel.


Sobre potencial de retorno: as debêntures são um dos principais ativos na composição da carteira desses fundos. E duas das principais métricas para medir o desempenho dessas debêntures são os índices IDA-DI e IDEX-DI. A diferença entre os dois é que enquanto o IDA-DI parte das debêntures precificadas pela Anbima, o IDEX-DI parte de uma cesta de debêntures com maior volume de negociação e leva em conta apenas as ofertas de compra. Dessa forma, o IDEX-DI acaba sendo uma forma de medir um pouco do apetite do mercado.


Vale destacar que além de debêntures esses fundos de crédito high yield também investem em FIDCs, LFs e Bonds, entre outros.

E se houver “calote”?

Caso a empresa passe por dificuldades, pode haver default nos contratos de crédito privado, que é o maior risco inerente a esses ativos. O default é a situação de inadimplência de um emissor ou o chamado “calote”. Nesse caso, para se resguardar, o gestor trabalha com garantias robustas e bem estruturadas, para evitar que haja impacto no resultado da carteira do fundo.

Quando falamos de ativos de alto risco é ideal que seja realizada uma análise caso a caso para identificar onde estão as oportunidades e qual o melhor momento de saída/venda do ativo. Quem explica isso é o sócio da JGP e responsável pelos fundos de Crédito Privado da empresa, Alexandre Muller:

“O high yield na prática tem mais exposição aos cenários macro. O ambiente macroeconômico demanda para o high yield mais cuidado, mais seleção, mais cautela.”

Diferente do mercado acionário, que possui volume e número de negociações diárias elevadas, no mercado de crédito privado, em especial de high yield, existe um número limitado de títulos e emissores, o que acaba trazendo restrições de saída no secundário. Além disso, por característica básica, esses ativos possuem vencimentos mais longos. Dessa forma, além da tolerância a riscos, é essencial que o investidor leve em consideração o horizonte de investimento.

O alto risco somado com a necessidade de monitoramento, exige uma sofisticação na seleção desses ativos. É para isso que alerta Samuel Ponsoni, Gestor dos fundos da Família Selection:

“Pulverização para o mundo do crédito high yield é uma regra. Temos alta remuneração, com alto risco, então a alocação precisa ser feita de maneira diversificada, de forma que o risco de crédito e liquidez sejam mitigados. É pulverização como premissa básica para esse tipo de investimento”.

Um default no mercado high yield vai resultar em um crédito deteriorado. Dessa forma, dificilmente é possível achar um comprador e quando ocorre de o ativo ter liquidez, a remuneração fica prejudicada. Por isso, no momento da seleção, a baixa representatividade de um papel dentro de uma carteira, visando a pulverização de risco, é um fator muito importante.

A sofisticação da gestão especializada:

Os títulos high yield exigem avaliação, monitoramento e gestão mais sofisticada do que os investimentos em renda fixa de baixo risco. Como essas são empresas com menor qualidade de crédito (rating mais baixo), temos aquelas que já estão no mercado e conhecem seu funcionamento, e também aquelas que estão iniciando seu relacionamento no mercado de capitais. Por isso o intermédio dessas operações não é algo trivial. Quando falamos em fundos que investem nessa classe de ativos, é preciso que tenham uma equipe robusta, especializada e que consiga ter o controle da estrutura e negociação das emissões.

Para ativos que apresentam essa dinâmica elevada de riscos e uma margem baixa de liquidez, a gestão especializada irá possibilitar tranquilidade ao investidor em termos de alocação. Dessa forma, a aplicação através de fundos de investimentos vai possibilitar ao investidor com um único aporte o acesso a diversos títulos de crédito com prazos e taxas distintas.

Acessando a estratégia crédito privado high yield através dos fundos de investimentos:

Para investidores que desejam acesso a um gestor profissional selecionando os melhores fundos High Yield do mercado, poderá contar com o fundo Selection RF Plus FIC FIM CP LP. Com uma liquidez atrativa para essa classe de ativos (D+90) o fundo oferece acesso a gestoras e fundos que eventualmente podem fechar para captação. Tudo isso com aportes a partir de R$ 100,00

Já para aqueles investidores que desejam conhecer os ativos de crédito privado, mas sem abrir mão dos títulos de qualidade, a JGP oferece através do fundo JGP Crédito Advisory FIM CP, com liquidez D+45 o fundo fornece o acesso a titulos de crédito privado de empresas com baixo risco de inadimplência.

Para investidores que querem essa exposição de maneira sofisticada aos ativos high yield poderá contar com a família de fundos XPCE, através dos fundos: XPCE 180 FIC FIM CP e XPCE 360 FC FIM CP. Além de poder contar com alternativas como o XPCE 15 FIC RF CP LP (aberto a todos investidores) e a alternativa de previdência: XPCE XP SEG PREV FIC FIRF.

Devido aos riscos explicados anteriormente, a maioria dos fundos High Yield ainda são exclusivos para investidores qualificados.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.