Private Equity: oportunidade de diversificação e retornos atrativos através de seleção eficiente de safras e gestores

Convidamos o time de gestão da Neo para falarmos sobre investimentos em Private Equity


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Os fundos de Private Equity (PE) têm se tornado cada vez mais notórios entre os investidores brasileiros, emergindo como fonte alternativa de retornos superiores e com baixa correlação com outras classes de investimento, permitindo acesso a bons ativos e diversificação em relação ao mercado de ações listadas na B3.

A despeito da popularização, a penetração deste mercado no Brasil ainda beira o patamar de 1/10 (um décimo) de países como EUA e Inglaterra, em termos de participação do PIB, o que nos mostra que ainda estamos no início de um ciclo de crescimento. No País há mais de 20.000 empresas passíveis de serem investidas por um fundo de PE (nos mais variados setores), enquanto na B3 hoje existem cerca de 400 empresas listadas, concentradas em um espectro setorial mais restrito.

As lições aprendidas pelos maiores investidores do mundo nesta classe de ativos podem ser aplicadas igualmente pelo investidor pessoa física no Brasil, principalmente a de tratar esta classe de ativos como um bom colecionador de vinhos, que seleciona cuidadosamente os melhores produtores de regiões distintas, e diversifica seus investimentos em diferentes safras. Em PE, costumamos também usar o termo “safra”, nesse caso para determinar o ano do primeiro aporte de capital em investimentos, utilizando-se recursos comprometidos por investidores destes fundos.

Quais são as características dos fundos de Private Equity aqui no Brasil?

Um típico fundo de Private Equity tem duração inicial de 10 anos, sendo os 5 primeiros anos o “período de investimento”, e os últimos 5 representando o “período de desinvestimento”. Durante os primeiros 5 anos, o gestor chama o capital comprometido pelos seus cotistas à medida que o necessita para realizar investimentos em novas empresas. Este capital investido retorna aos investidores do fundo à medida em que o gestor desinveste dos ativos, o que costuma ocorrer durante período de desinvestimento, muito depois do início da safra do fundo.

O ano da safra pode ter influência significativa na rentabilidade final do fundo, pois tudo mais constante, o ciclo econômico no momento dos investimentos e desinvestimentos pode ter impactos relevantes nos preços de entrada e saída das empresas do fundo, afetando o retorno obtido em cada um dos ativos investidos pelo fundo. Para um investidor de longo prazo, tentar prever os ciclos econômicos pode ser um exercício infrutífero.

Ao invés disso, o investidor pode concentrar esforços em (i) fazer um bom planejamento da quantidade de recursos que planeja direcionar para esta estratégia, estabelecendo uma alocação alvo de longo-prazo em Private Equity como percentual do seu patrimônio, (ii) selecionar bons gestores e (iii) diversificar em diferentes safras.

A alocação alvo depende do perfil do investidor e da necessidade de liquidez. Segundo relatório da Preqin nos EUA, a média de alocação de diferentes tipos de investidores foi de 11% em 2020, sendo que Family Offices possuíam uma alocação média acima de 20%, enquanto fundos de pensão privados e seguradoras, alocação abaixo de 5%, dada a necessidade de liquidez em prazos mais curtos. Um bom planejamento ajuda também o investidor a ter maior convicção em suportar eventuais intempéries na carteira, o que é possível de acontecer em qualquer investimento de risco.

A próxima fase de um bom programa é a diversificação de safras, alocando o capital comprometido em um período entre 3 e 5 anos. Em um exemplo hipotético, se um investidor planejou alocação alvo de R$ 1 milhão em PE, a diversificação em 5 aplicações de R$ 200 mil em anos diferentes (em fundos diferentes de bons gestores), reduz de forma significativa o risco em comparação ao investidor que comprometeu 100% da sua alocação em um único gestor, em apenas 1 ano. Isso porque o primeiro investidor amenizou os efeitos pontuais macroeconômicos e setoriais sobre a carteira como um todo.

Os maiores investidores do mundo já descobriram há décadas a importância do Private Equity para se obter retornos superiores e descorrelacionados das carteiras de fundos líquidos, e vêm cada vez mais aperfeiçoando os seus programas de investimentos, alocando em regiões distintas, setores e estratégias diferentes, ao mesmo tempo em que evoluem as agendas de ASG (Ambiental, Social e Governança).

Cenário de Private Equity

Private Equity é uma classe de ativos que vem crescendo consistentemente no mundo ano após ano, tendo ultrapassado o patamar de 4 trilhões de dólares de ativos sob gestão em 2019, de acordo com relatório da Preqin 2020. Como benefício adicional, gestores de PE contribuem de forma significativa para a transformação de empresas, ajudando no desenvolvimento econômico e social de seus mercados, que já contam com mais 15 mil empresas investidas globalmente, que geram mais de 20 milhões de empregos diretos e indiretos, segundo relatório da EY (Understanding PE’s Impact on the economy).

O Brasil possui excelentes gestores de Private Equity, muitos dos quais com experiência de vários anos de operação local e de terem captado e investido diversos fundos. Há um imenso potencial a ser explorado de boas empresas que necessitam de capital e apoio para crescerem e consolidarem seus mercados.

Além de ajudar no desenvolvimento do país e de empresas, alocando capital, conhecimento e boas práticas de negócios e de ASG, essa indústria tem um grande potencial de se tornar uma fonte de retorno e diversificação dos investimentos de milhões de brasileiros que investem com horizonte de longo prazo. Com tudo isso, somado ao ambiente de juros reais menores, existência de mais canais para o investidor do varejo e evoluções na regulação, devemos ver um movimento consistente de crescimento da indústria de Private Equity no Brasil nos próximos anos, se aproximando cada vez mais de países com mercados de PE maduros, como América do Norte, Europa e Ásia.

NEO Investimentos

A Neo Investimentos é uma gestora Brasileira com 18 anos de existência, e cerca de R$ 6 bi de ativos sob gestão em fundos líquidos e alternativos.

Em Private Equity, somos especialistas no mercado de empresas de médio porte com alto potencial de crescimento no Brasil, tendo captado 4 fundos, investido em 10 plataformas diretas, e mais de 30 empresas (considerando aquisições).

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.