No universo do mercado de crédito, como navegam os FIDCs?

Os gestores Daniel Pegorini (Valora Investimentos) e Ricardo Binelli (Solis Investimentos) trazem suas visões sobre esse mercado


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Entre os diversos mercados afetados pela crise, os ativos de crédito têm sofrido bastante e oscilado em níveis historicamente atípicos. Os efeitos são notáveis principalmente nas debêntures e letras financeiras, que compõem majoritariamente as carteiras dos fundos de crédito high grade. Os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios, – comumente chamados de FIDCs – por sua vez, têm tido um comportamento distinto no período da crise.

No último dia primeiro de abril, os gestores Daniel Pegorini e Ricardo Binelli tiveram a oportunidade de trazer suas avaliações e perspectivas para o mercado de FIDCs, em transmissão pelo canal da XP no Youtube. Confira a seguir a live realizada e abaixo um resumo dos principais pontos abordados pelos gestores, assim como um descritivo elaborado pelo time de Análise de Crédito da XP sobre o que são os FIDCs, suas principais características e riscos.

A visão dos gestores

Com início das atividades de gestora em 2008, a Valora Investimentos tem hoje mais de R$ 3 bilhões sob gestão, com foco em produtos estruturados, seja crédito ou imobiliário. Na plataforma da XP, o fundo Valora Guardian tem estratégia de investimento em FIDCs. O CEO e gestor Daniel Pegorini conta que já vivenciou diversas crises e, nesses períodos, é fundamental intensificar o monitoramento do portfólio, realizando-se conversas diárias com os gestores dos FIDCs e reavaliações dos créditos.

Durante a crise atual, o gestor tem priorizado a diversificação do portfólio, reduzindo a exposição a setores mais expostos aos efeitos da paralisação da economia. Segundo Pegorini, é esperado um movimento de aumento das inadimplências, em que as dívidas devem ser renegociadas ao longo do tempo, mas, nesse ambiente, os FIDCs em que investem estão preparados para suportar cenários prolongados de paralisação, sobretudo devido ao mecanismo de subordinação dos fundos – o Valora Guardian está investido em mais de 50 FIDCs, com subordinação média acima de 40%.

Fundada em 2016, a Solis Investimentos tem mais de R$ 4 bilhões sob gestão, com especialização em FIDCs. Na plataforma da XP, o Solis Capital Antares, assim como o Valora Guardian, é focado no investimento em FIDCs. O gestor Ricardo Binelli destaca a relevância dos FIDCs para a economia, que atuam como ferramenta de ajuste primário para o capital de giro de pequenas e médias empresas. Com o desenvolvimento dessa indústria, naturalmente surgem operações bem estruturadas e com remuneração atrativa entre os FIDCs.

Segundo Binelli, no período da crise, houve um aumento de pedidos de renegociação de prazos das dívidas, mas os gestores dos FIDCs tem sido cautelosos na originação de novos créditos. Com a possível extensão do período de paralisação da economia, os gestores podem taticamente aumentar o nível de caixa dos FIDCs, o que ajuda a proteger o fundo. O Solis Capital Antares está investido em mais de 55 FIDCs, com subordinação média acima de 50%.

As principais características dos FIDCs

O que são os FIDCs?

Os FIDCs são veículos de securitização, em que o fundo adquire recebíveis de uma empresa – chamada de “cedente” – e assume o risco de crédito destes ativos. Os FIDCs podem investir em uma grande variedade de ativos (recebíveis): empréstimos/financiamentos a pessoas físicas (financiamento de veículos, crédito consignado), contas de água/luz, faturas de cartão de crédito, empréstimos a empresas, duplicatas, entre outros.

O que são os FIDCs da categoria Multicedente Multissacado?

Os FIDCs Multicedente Multissacado (FIDCs MC MS) são especializados em adquirir duplicatas, que são títulos representativos de uma transação comercial, em que uma parte vende produtos/serviços e a outra parte se compromete a pagar dentro de um prazo, geralmente entre 30 e 60 dias. Os FIDCs MC MS antecipam o pagamento dessas duplicatas ao fornecedor (o “cedente”) e assumem o risco de crédito do cliente (o “sacado”). A antecipação é uma importante fonte de capital de giro para empresas de todos os portes – grandes empresas como Petrobras, Braskem e BRF têm plataformas estabelecidas para essas operações.

Geralmente, as duplicatas têm baixa representatividade em relação ao patrimônio líquido do fundo, garantindo uma elevada pulverização dos créditos (da ordem de 0,01% do PL), a ponto de ser possível tratar as perdas da carteira – resultantes de inadimplências – por um viés estatístico e não fundamentalista.

Como funciona o esquema de subordinação de um FIDC?

Apesar da pulverização das duplicatas, perdas de crédito são esperadas, especialmente quando se trata de cedentes e sacados de porte pequeno e médio, que são o público alvo da maioria dos FIDCs MC MS. Para proteger os investidores das perdas, os FIDCs dispõem de alguns mecanismos de reforço de crédito, sendo o mais comum deles a subordinação: o fundo emite diferentes classes de cotas, com níveis distintos de senioridade, em que os investidores externos adquirem cotas sêniores, com prioridade no pagamento, e o gestor/consultor de crédito fica com a cota subordinada, que é a primeira a ser impactada pelos atrasos/perdas da carteira de crédito.

Desse modo, quanto maior a subordinação, maior a segurança para os investidores. A subordinação cumpre ainda um papel de alinhamento de interesses do gestor com o resultado do fundo, uma vez que quanto menor a perda, maior será o seu ganho.

Quais são os riscos associados aos FIDCs Multicedente Multissacado?

Além de inadimplência da carteira de crédito, os FIDCs MC MS ainda apresentam outros riscos, entre os quais os principais são fraude na originação dos créditos e concentração excessiva em alguns cedentes ou sacados. A fraude pode ocorrer quando o gestor/consultor de crédito adquire créditos que não existem realmente, ou seja, não houve uma transação comercial, e que obviamente não serão pagos. Esse provavelmente é o maior risco de um FIDC MC MS, mas para os profissionais que vão adquirir esse tipo de ativo, é possível mitigar o risco a partir de uma análise diligente e monitoramento constante da carteira do FIDC.

O risco da concentração excessiva é de que a perda esperada da carteira de crédito deixe de ter a característica estatística, passando a depender mais de uma análise fundamentalista de algum cedente ou sacado, o que dificulta o trabalho dos gestores. Uma perda em volume elevado machucaria as cotas subordinadas e potencialmente as cotas seniores.

Para se proteger desses riscos, o investidor deve sempre buscar gestores reconhecidos, com longa experiência na concessão desse tipo de crédito, e, principalmente, que mantenham a disciplina na alocação da carteira, com a pulverização dos créditos e a diversificação dos setores e regiões onde opera. Para os gestores, é importante também acompanhar de perto o desempenho da carteira, observando indicadores como o índice de liquidez (pagamentos em dia), recompras (substituição de créditos), volume de créditos em atraso e renegociações.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.