Família Selection: confira o resumo de fevereiro de 2021

Confira um resumo do que aconteceu com os fundos da família Selection ao longo do conturbado mês de fevereiro


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

1. Fundos de Crédito Privado

Fevereiro foi mais um mês positivo para os ativos de crédito privado. O bom carrego das carteiras e a continuidade do fechamento do spread de crédito (ou seja, a diminuição das taxas de negociação no mercado secundário, com impacto positivo nos preços dos títulos) levaram os fundos da classe a fecharem mais um mês com retornos bem acima do CDI. O índice IDA-CDI (retorno médio das debêntures) teve alta de 0,51% no período. Os fatores que continuam impulsionando essa classe de fundos são: estabilização do fluxo de saída nos fundos de crédito, maior demanda de títulos privados no mercado secundário e menor volume de emissões no mercado primário (forçando a maior procura por ativos que já estão negociando no mercado).

O Selection Renda Fixa teve alta de 0,33% no mês, contra 0,13% do CDI. No mês, os principais destaques foram os fundos ARX Vinson e ARX Everest, com retornos de +0,60% e +0,57%, respectivamente. As alocações seguem pulverizadas em fundos de estratégias de crédito “High Grade” (fundos mais conservadores), com investimentos em 8 gestoras diferentes e maiores exposições aos fundos da XP Asset (XP Investor), Augme (Augme 45), JGP (JGP Corporate), ARX (ARX Vinson e ARX Everest), SPX (SPX Seahawk) e Polo (Polo Crédito Corporativo).

O Selection Debêntures Incentivadas teve alta de 0,14% no mês, contra 0,13% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 2,49%, contra 2,36% do CDI no mesmo período. Mesmo num período em que as debêntures incentivadas em geral sofreram (impactadas pelo stress nas curvas de juros futuros), o Selection tem conseguido se manter no terreno positivo.

No mês, os principais destaques foram os fundos com “hedge” (proteção contra as oscilações da curva prefixada de juros), como o XP Debêntures Incentivadas (+0,33%) e ARX Deb. Inc. Hedge (+0,25%). Já os fundos que não possuem hedge contra a curva de juros foram detratores, devido à abertura da curva de juros reais (aumento nas taxas negociadas no mercado secundário). As maiores exposições continuam nos fundos de debêntures incentivadas com “hedge” das gestoras ARX, XP e JGP.

O Selection RF Plus teve alta de 0,25% no mês, contra 0,13% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 4,45%, contra 2,36 do CDI no mesmo período.

Os principais destaques da carteira foram os fundos XPCE 360 Profissional (+1,99%) e Augme 90 (+0,41%). O fundo segue sua estratégia de investimento em fundos de crédito arrojado (estratégia “high yield”), com as alocações concentradas em: Augme 90, XP Crédito Estruturado 360,  Solis Capital Antares, Iridium Titan, XP Crédito Estruturado 360 Profissional, Empírica Lótus e Canvas High Yield.

2. Fundos Multimercados

Fevereiro foi um mês também com bastante dispersão nos retornos dos fundos multimercados, marcado pelas surpresas positivas vindas do exterior em relação ao cronograma de vacinação e pelo contínuo suporte fiscal e monetário das economias desenvolvidas. Localmente, no entanto, fomos marcados pelas surpresas negativas: piora nos números de contaminações pela covid-19, a desvalorização do preço das empresas estatais na bolsa (após troca do presidente da Petrobras) e maior preocupação com a trajetória fiscal do país. Esses fatores, combinados, além de impactarem fortemente a bolsa, levaram a uma valorização adicional do dólar e ao aumento das taxas de juros no mercado futuro (combinação normal em períodos de maior aversão a risco).

O Selection Multimercado teve alta de 0,21% no mês, contra 0,13% do CDI. Nos últimos 12 meses, a acumulada é de 1,97%, contra 2,36% do CDI no mesmo período.

Os destaques positivos do mês foram os fundos RPS Total Return (+5,47%) e Occam Retorno Absoluto (+1,31%). A carteira está alocada principalmente em fundos de estratégia macro (~ 35% do PL), além de fundos das classes multiestratégia e arbitragem (~ 17% do PL), quantitativos (~ 20% PL), long short (5% PL) e investimento no exterior (~ 10% PL). As principais alocações da carteira são os fundos Occam Retorno Absoluto, Kadima FIC FIM, Absolute Alpha Global e Kapitalo Kappa.

O Selection Multimercado Plus teve alta de 0,38% no mês, contra 0,13% do CDI. Nos últimos 12 meses, a alta foi de 6,32%, contra 2,36% do CDI no mesmo período.

Destaque para a performance do Gripen (SPX Nimitz) de +5,48% e do Truxt Long Bias (+3,50%) no mês. A carteira está alocada principalmente em fundos de estratégia macro (~55% do PL), além de fundos das classes long biased (~12% do PL), quantitativos (~12% do PL) e investimento no exterior (~10%). Dentre as principais alocações da carteira, destaque para os fundos Kapitalo Zeta, Verde AM X60, Kinea Atlas e Absolute Alpha Marb.

O Selection Multimercado Internacional teve alta de 0,58% no mês, contra 0,13% do CDI

Os fundos que se destacassem no mês foram os de ações internacionais sem proteção cambial (com exposição ao dólar), que acompanharam a alta dos principais índices acionários europeus e americanos. Os detratores de performance foram os fundos de renda fixa global, que sofreram por consequência do movimento de aumento nas taxas futuras dos juros americanos (treasuries). A carteira está alocada ~ 55% em estratégias de multimercados, além de ~17% em renda fixa e cerca de 25% em renda variável. Dentre as principais alocações da carteira, destaque para os fundos Western Asset Macro, BlackRock Global Event Driven, JPM Global Macro Opportunities Wellington Schroder Gaia e Gama BW Global Risk (Bridgewater).

A carteira do Selection Multimercado Prev teve retorno de -0,43% no mês, contra 0,16% do CDI.

Os destaques positivos do mês foram os fundos SPX Lancer, Ibiuna Prev e Kinea XTR. Pelo lado negativo, puxaram a performance para baixo os fundos de estratégia Long Biased (Oceana Long Biased e Pacifico LB), que sofreram junto com a derrocada da bolsa. A carteira está alocada principalmente em fundos de estratégia macro (50% PL), além de fundos das classes multiestratégia (5% PL), quantitativo (~ 15% PL), long short (~ 10%) e long biased (15%). Dentre as principais alocações da carteira, destaque para os fundos Verde Scena Prev, Navi Long Short Prev, Giant Prev, Legacy Prev e Oceana Long Biased.

3. Fundos de Renda Variável

Em fevereiro a bolsa brasileira se descolou completamente das internacionais e fechou o mês com fortes quedas, por conta de questões internas: piora nos números de contaminações pela covid-19, a desvalorização do preço das empresas estatais na bolsa (após troca do presidente da Petrobras) e maior preocupação com a trajetória fiscal do país. A derrocada de Petrobras foi um dos principais fatores para a forte queda do índice..

O Selection Long Biased encerrou o mês com uma queda de 2% contra queda de 4,37% do Ibovespa e alta de 0,53% do índice IPCA+Yield IMA-B. Nos últimos 12 meses, o fundo acumula alta de 6,92%, contra alta de 5,63% do Ibovespa e alta de 7,09% do IPCA+Yield IMA-B.

Os principais destaques foram os fundos Sharp Long Biased (-0,09%) e Dahlia Total Return (-0,36%). A carteira possui alocação em 10 estratégias, sendo as principais DCG Advisory (Dynamo Cougar), Pacífico LB, XP Long Biased, Oceana Long Biased, Távola Absoluto, Dahlia Total  e Return Sharp Long Biased.

O Selection Ações teve queda de 2,54% no mês, contra queda de 4,37% do Ibovespa. Nos últimos 12 meses, o fundo sobe 9,25%, contra uma alta de 5,63% do índice no mesmo período.

Os principais destaques do mês foram os fundosTork Long Only (-0,22%) e Dynamo Cougar (-1,09%), que se defenderam bastante. Occam com alta de 10,11% e Tork, que se defenderam bastante. A carteira encerrou o período com alocação em 8 estratégias locais e 1 internacional:  DCG Advisory (Dynamo Cougar), Tork Long Only Institucional, Moat Capital, Constellation Institucional, AT Advisory (Atmos), Brasil Capital 30 e Occam FIC FIA.

O Selection ESG Ações teve queda de 2,90% no mês, contra queda de 4,37% do Ibovespa.

O principal destaque do mês foi o fundo JGP ESG Institucional (-1,19%), que sofreu menos que o índice. Sua carteira é composta atualmente pelos fundos Brasil Capital Sustentabilidade, Constellation Compounders ESG, Fama, JGP ESG Institucional e XP Investor ESG.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.