XP Expert

Expert Talks: Brasil, desafios e oportunidades para a próxima década

O que esperar da economia brasileira para o próximo ano e, mais importante, para a próxima década?

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O ciclo de corte de juros e o avanço de pautas reformistas são fatores que levam a acreditar na retomada da economia brasileira, ainda que haja desafios. Durante a Expert Talk, em Florianópolis, discutiu-se exatamente qual será o rumo do Brasil no próximo ano e na década que virá.

Tivemos dois painéis econômicos para discutir esse assunto. O primeiro, “Novo Cenário, Novos caminhos”, contou com a participação da jornalista Natuza Nery, dos economistas Paulo Tafner e Pedro Jobim e a economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif.

O segundo, “O Brasil em 2020 e a Economia Global”, com a participação de Marcos Troyjo, Secretário Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais.

Confira abaixo os principais destaques econômicos do primeiro dia de evento.

Acompanhe a nossa cobertura da Expert Talks por aqui

Novo cenário, novos caminhos

De acordo com nossa convidada Natuza Nery, os principais motivos da aprovação da reforma da Previdência foram a renovação política e muita disposição na cúpula do congresso. No entanto, o grande desafio agora é conseguir dar continuidade à agenda reformista em um ambiente com a forte instabilidade política.

O economista Paulo Tafner, por sua vez, disse acreditar que o ambiente para debater a reforma foi melhor esse ano, a despeito das dificuldades históricas em se debater o tema no Brasil.

Segundo ele, o principal desafio é que a atual reforma da Previdência não desatou o nó fiscal. A rigidez orçamentária reduz drasticamente a capacidade de implementar o ajuste fiscal em sua totalidade e é possível que, mesmo num cenário otimista, o Brasil siga apresentando déficit primário até 2022.

Paulo também pontuou que A PEC paralela ajudaria muito Estados e Municípios, mas que não acredita que essa PEC será levada adiante.

A economista-chefe da XP Investimentos, Zeina Latif, pontuou que acha muito positivo o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter convencido o presidente, Jair Bolsonaro, a seguir com a agenda de ajuste fiscal. O avanço dessas pautas é uma boa notícia, mas as PECs possuem temas muito complexos e não devem ser aprovadas no curto prazo, disse Zeina.

Além disso, Zeina também ressaltou que apenas a redução dos juros não será suficiente para garantir a retomada do crescimento da atividade econômica. O ajuste fiscal incompleto e o alto custo-Brasil são limitantes do crescimento de longo prazo.

Por fim, o economista-chefe da Legacy Capital, Pedro Jobim, mostrou-se um pouco mais otimista ao pontuar que os motivos pelos quais o Brasil cresceu muito pouco imediatamente no pós-crise não são os mesmos motivos pelos quais o Brasil crescerá pouco em 2019.

Para ele, o setor privado foi bastante afetado pela crise e não conseguiu apresentar a pujança necessária para ditar um ritmo maior de crescimento. No entanto, o atual avanço das reformas faz crer que esse cenário pode mudar.

De acordo com ele, a concessão de crédito à Pessoa Física vem sustentando a dinâmica de crescimento e a evolução da renda do trabalho tenderá a melhorar em breve.

No âmbito político, A PEC emergencial abre espaço no orçamento para gastos com investimento,  gerando incentivo aos parlamentares para aprová-la. Além disso, a PEC paralela e o Pacto Federativo criarão uma verdadeira lei de responsabilidade fiscal e um arcabouço institucional que resgatará nossa capacidade de implementar políticas contra-cíclicas.

Por fim, citou que o fim do monopólio da Petrobrás no mercado de refino reduzirá a chance de implementação de políticas populistas de controle de preços.

O Brasil 2020 e a Economia Global

O Secretário Especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, traçou um panorâma histórico para mostrar que países que, no pós-guerra, sucederam na estratégia de desenvolvimento adotaram uma estratégia de adaptação competitiva com relação ao processo de globalização.

De acordo com o secretário, as características da globalização evoluem e entender a natureza desses ciclos foi peça importante para o sucesso dessas economias.

O processo de globalização vivenciado pelo mundo desde a queda do muro de Berlim foi profundo e marcado por:Prosperidade da Democracia representativa com economia de livre mercado e estado de direito;

  • Emergência dos EUA como grande potência mundial;
  • Ascenção do Japão como potência asiática;
  • Tendência de maior integração regional com a criação de blocos econômicos, tais como a União Europeia, NAFTA, Mercosul, etc.

Esse período conhecido como globalização profunda, entretanto, não existe mais. Episódios como Brexit e aumento de tensões comerciais são exemplos disso. Poderíamos chamar a época recente de desglobalização.

Possivelmente, a nova fase da globalização será marcada por características como:

  • Grande rivalidade setorial (tecnológica) entre EUA e China
  • Reconfiguração das cadeias globais, uma vez que a China não é mais um país de baixo custo
  • A renda per capita dos parceiros comerciais asiáticos da China vêm aumentando e isso deverá refletir em maior consumo de alimentos e infra-estrutura, configurando uma oportunidade para o Brasil.
  • O estabelecimento da chamada “Economia 4.0” quebra o tabu setorial, uma vez que todas as empresas passam a ser intensivas em tecnologia.

Com relação ao Brasil nesse novo mundo, o secretário disse acreditar que o conjunto de reformas (reforma da Previdência, pacto federativo, privatizações, reformas microeconômicas, Integração do Brasil) já melhora a visão da nossa economia perante o mundo.

O acordo entre Mercosul e União Europeia é um dos grandes marcos e mostra que o Brasil está na contramão da desglobalização. As condições, assim, são favoráveis para que o Brasil se torne o grande vencedor da próxima década.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.