XP Expert

Retorno real do Tesouro IPCA+ bate recorde: é hora de investir? Veja os motivos para a alta nos títulos de inflação

Aumento nas taxas representa queda nos preços dos títulos de longo prazo; nossos especialistas acreditam que não é hora para movimentações precipitadas

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Retorno real do Tesouro IPCA+ bate recorde: é hora de investir?  Veja os motivos para a alta nos títulos de inflação

Com o mercado respondendo à tensão pela paralisação dos servidores federais e a aproximação do prazo final para o fechamento do orçamento para 2022, as taxas dos títulos públicos ligados à inflação, mais especificamente Tesouro IPCA+ 2040 e 2055, bateram recordes.

Os dois títulos do Tesouro Direto fecharam esta terça-feira (18) com retornos de 5,71% e 5,74%, além da correção da inflação, respectivamente. As taxas são as maiores já registradas desde o início de negociação dos dois ativos, em fevereiro do ano passado. Mas qual o motivo para essas altas e como agir a partir dessas movimentações? Veja a opinião dos nossos especialistas em Renda Fixa:

Risco Brasil e juros nos EUA

“Nos últimos dias, a curva de juros brasileira tem sido impactada por questões internas e externas que elevaram o prêmio de risco. Isso significa que as expectativas de juros para o futuro se elevaram e isso tem impacto direto sobre os títulos negociados no Tesouro Direto (principalmente os prefixados e IPCA+). Os principais motivos são o aumento das taxas dos títulos soberanos dos EUA (Treasuries) em resposta à expectativa do mercado de que os juros por lá serão elevados logo; as contínuas pressões fiscais no Brasil e sua intensificação após ameaça de paralização de servidores por aumentos salariais (o que deve piorar ainda mais o cenário fiscal)”, comenta Camilla Dolle, Head de Research de Renda Fixa da XP Investimentos.

Ou seja, o grande motivador dessas altas é o risco. Quando os títulos públicos oferecem taxas maiores, seu preço cai, devido à marcação a mercado. Neste caso, o risco fiscal e inflacionário da economia brasileira gera incertezas junto com os pontos apontados pela especialista.

Outra questão importante é o impacto maior em títulos de longo prazo, os mais afetados nesta alta. Um investimento público de longo prazo oferece um prêmio maior pelo seu risco também elevado, por conta da duration. “Ela nada mais é do que o prazo médio ponderado de recebimento dos fluxos daquele título. Quando mais longa a duration, maior a sensibilidade que o título terá a uma variação nas taxas de mercado”, acrescenta Camilla.

Como agir?

Com esse comportamento em mente, como devemos agir, uma vez que com taxas mais altas os valores dos títulos ficam mais baixos? Para Camilla Dolle, não é momento de fazer grandes movimentações, já que o Tesouro pode sempre contribuir na diversificação de sua carteira.

“O Tesouro disponibiliza diversas opções de títulos que variam de acordo com indexador e prazo. Ou seja, é muito provável que tenha alguma opção ali para complementar a sua alocação em renda fixa. E mesmo em cenários desafiadores, há espaço para isso. O importante é entender quais são os indexadores que melhor se adequam ao seu perfil e objetivo. Por fim, em momentos como esse, de grandes incertezas, não é muito indicado comprar ativos de prazos mais longos”.

“Lembrando que uma elevação de taxa resulta em desvalorização no preço dos ativos e vice-versa. Porém, vale notar que a desvalorização (ou valorização) em decorrência das variações de mercado só serão colocadas em prática em caso de resgate antes do vencimento. Caso contrário, você recebe aquilo que contratou”, finaliza a especialista.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.