ROE, ROI, ROIC, ROA e WACC: Conheça alguns dos principais fundamentos para analisar uma empresa

Eles são utilizados para medir o desempenho e quão saudável está a situação financeira de uma empresa


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

ROE, ROI, ROIC, ROA e WACC: Conheça alguns dos principais fundamentos para analisar uma empresa

Para que uma empresa cresça de maneira saudável e sustentável é fundamental que os resultados obtidos sejam analisados seguindo alguns critérios importantes. Esses critérios são os indicadores financeiros que nada mais são do que índices fundamentais que são retirados de balanços ou controles do setor financeiro da empresa analisada.

Esse processo, muito semelhante com a análise fundamentalista, é bastante importante para que investidores consigam escolher em quais empresas investir ou também para que gestores também administrem melhor os recursos disponíveis no seu negócio. Compreendendo a situação dessa empresa é possível escolher investir nela ou não (seja via ações ou outros ativos disponíveis para que essas empresas busquem recursos no mercado) ou criar novos planos de ação e estratégias para melhorar os resultados financeiros de um negócio a longo prazo.

Listamos aqui alguns desses principais indicadores financeiros, qual é a sua utilidade nesse processo de análise e como calcula-los.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

O que é ROE?

ROE é a sigla em inglês para “Return on Equity”, que pode ser traduzido ao pé da letra por “Retorno sobre o capital”. Este indicador fundamentalista mede a capacidade de uma empresa agregar valor a ela mesma usando seus próprios recursos.

Este indicador mensura a rentabilidade de uma empresa ao revelar o quanto de lucro ela consegue gerar com o dinheiro dos acionistas, demonstrando estabilidade e o seu potencial. Dificilmente uma empresa com ROE alto por muitos anos vai ter um desempenho negativo.

Para que serve o ROE?

O ROE é um parâmetro interessante de análise comparativa entre empresas e demonstra uma eficiência de gestão. Quando analisamos empresas de mesmo setor, o ROE pode ser um diferencial competitivo, pois quanto mais alto, maior a capacidade daquela companhia ser rentável e repassar lucro aos seus acionistas. É uma métrica de qualidade e rentabilidade. Essa empresa distribui este capital para seus acionistas ou reinveste em seu próprio patrimônio.

Como calcular o ROE: 

ROE = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido considerando o mesmo período.

Pense o seguinte: se uma empresa tem lucro líquido de R$50.000.000,00 nos últimos 12 meses, e seu patrimônio líquido é 250.000.000,00 no mesmo período, o seu ROE é de 20%. Este ROE já é um bom número na escala de análise das companhias que apresentam bons retornos sobre seus capitais.

Ou seja, em teoria, a cada R$100,00 de patrimônio líquido da empresa, ela consegue gerar R$20,00 de lucro líquido. Neste ritmo, em meia década ela consegue recomprar seu próprio patrimônio líquido, e podemos analisar este movimento de forma positiva.

Quanto maior o ROE…

Não existe um número ideal para o ROE, mas é consenso entre os investidores que a partir de 20% se tem uma rentabilidade saudável frente ao patrimônio líquido.

Vale lembrar que o ROE é uma métrica estática pois entrega um dado histórico, oriundo de informações contábeis que são divulgadas pela própria companhia. Esta análise é fundamental para uma tomada de decisão no que investir, mas não é o suficiente.

Este indicador pode mascarar informações importantes de uma companhia pois ele não mostra de forma transparente o nível de endividamento de uma companhia. Por isso, caso você esteja buscando uma empresa para investir e esteja em dúvida entre duas companhias de um mesmo setor, não exerça o desempate apenas para quem tiver um ROE maior.

ROE Negativo

Uma empresa que apresenta um ROE negativo pode significar que ela não é lucrativa, ou seja, traz prejuízos aos seus acionistas.  Na maioria dos casos, um ROE negativo demonstra um lucro líquido negativo. Para esta variável ser negativa e analisando a fórmula, ou o Patrimônio Líquido ou o Lucro Líquido devem estar negativos, ambas características ruins.  

Para que uma empresa saia de um ROE negativo e passe a ter um ROE positivo, ela precisa melhorar a sua rentabilidade, caso o problema esteja no lucro líquido. Quando uma empresa tem um patrimônio líquido negativo, é muito provável que o luro líquido já esteja negativo há algum tempo, gerando um prejuízo acumulado nos últimos anos.

Como aumentar o ROE de uma empresa?

Melhorar o ROE de uma empresa significa melhorar a rentabilidade frente ao lucro líquido, para que seja gerado mais retorno sobre o capital do acionista. Vamos analisar isoladamente os componentes da fórmula do ROE para que isso fique mais claro.

ROE= Lucro Líquido / Patrimônio Líquido

  • Lucro Líquido: O lucro líquido é o rendimento real de uma empresa, determinado quando subtraímos da receita bruta todos os custos, considerando despesas administrativas, depreciações, amortizações, impostos, etc.
  • Patrimônio Líquido: É o capital social que dá início à empresa, e/ou novos aportes, além do lucro acumulado, que pode ser positivo, ou negativo quando apresentar prejuízos.

Por isso, fica claro que se uma empresa aumentar muito o seu patrimônio, mas não aumentar o seu lucro, o ROE não vai aumentar. Para se obter o contrário, portanto, é necessário que o lucro seja maior que o patrimônio, demonstrando que a companhia é capaz de se sustentar de forma positiva ao longo do tempo.

Qual a diferença entre ROE e ROI?

Enquanto o ROE é utilizado para medir a capacidade de uma empresa ser lucrativa utilizando como base seus lucros e patrimônios líquidos, o ROI é uma métrica que identifica o retorno sobre o investimento, seja de ganho ou de perda. É importante entender a diferença entre estas variáveis pois uma empresa lucrativa (ROE positivo) nem sempre é a mais rentável (ROI positivo), e vice-versa.

Traduzindo do inglês como “Return on Investment”, é uma forma de analisar setores diferentes através de uma mesma ótica: entender se é viável dar continuidade a um processo de investimento, esperando uma rentabilidade que seja superior ao valor aportado em um determinado período.

Como calcular o ROI:

Nesta conta, vamos utilizar os dados necessários para chegar no resultado final e multiplicar por 100 para atingirmos um valor percentual:

ROI = Ganho obtido – investimento aportado/ investimento aportado x 100

Vamos supor que você queira investir em um negócio e o aporte inicial seja R$50.000,00. Em um ano, o seu investimento traz de retorno para você R$100.000,00 de volta, ou seja:

ROI= 100.000 – 50.000/50.000 x 100

ROI = 1 x 100: 100%

Podemos concluir com este cálculo que o Retorno sobre o seu Investimento foi de 100% do capital em um ano, um negócio lucrativo.

Esta mesma conta pode ser feita em um cenário negativo, quando o aporte feito por um investidor pode trazer um retorno prejudicial, ou seja, o negócio investido ainda traz prejuízos. Isso mostra que esta métrica abrange resultados tanto de perda, quanto de ganho.

Utilizando a mesma amostra, pense que você investiu os mesmos R$50.000,00 em algo que te trouxe um retorno de R$10.000,00 em 12 meses:

ROI = 10.000 – 50.000/ 50.000 X 100

ROI= – 80%

Isso quer dizer que em 1 ano, o seu investimento foi de apenas 20% do valor aportado, ou seja, o seu retorno foi menor que o valor investido, demonstrando uma perda líquida.

O ROI é uma métrica interessante, mas elusiva, pois não considera custos, impostos, dívidas, e até outros investimentos que podem ter acontecido na companhia.  Assim como o ROE, o ROI também não deve ser analisado isoladamente, e para que seja possível comparar duas empresas, que seja em uma mesma unidade de valor e espaço de tempo.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

O que é ROIC?

Embora tenha um nome mais parecido com o ROI, o ROIC é mais facilmente comparado com o ROE.

Enquanto o ROE demonstra um retorno utilizando tanto o lucro quando o patrimônio líquido de uma companhia, o ROIC analisa o retorno sobre o capital total do investidor, considerando também aportes de outros investidores, e ativos financeiros. Isso significa que ele considera a capacidade que uma empresa tem de gerar capital, quando é considerado tudo o que já foi investido nela, medindo a rentabilidade que pode ser esperada tanto pelos investidores, quanto pelos credores.  

Como calcular o ROIC?

Para que seja possível encontrar o ROIC de uma empresa, precisamos aprender uma outra sigla em inglês: o NOPAT. Ela significa “Net Operating Profit After Taxes”, e representa o lucro operacional líquido após os impostos de uma companhia. Nesta conta, também consideraremos não só o capital próprio da empresa, mas de terceiros também.

ROIC = NOPAT/Capital total investido

O resultado desta conta deve ser analisado percentualmente e demonstra se uma empresa está criando valor. Esta análise favorece o entendimento de preço e lucro para investidores que querem saber se as ações de uma empresa estão caras ou baratas, e se ela vai ser capaz de ser valiosa no futuro.

Quando o ROIC é muito baixo, significa que uma companhia está destruindo o seu valor no tempo. Quando o resultado do ROIC é uma taxa alta, quer dizer que aquela companhia pode ser negociada em um valor maior que seus pares.

É possível saber que a geração de valor daquela empresa está sendo empregada corretamente quando o ROIC é superior ao seu Custo Médio Ponderado de Capital, mais conhecido como WACC.

Como interpretar o WACC?

Weighted Average Capital Cost” ou custo médio ponderado de capital é calculado para que saibamos se um investimento vai ter um retorno mínimo que o faça vale a pena.

O WACC foi criado para calcular a relação entre as origens de financiamentos para que as empresas se desenvolvam. Os financiamentos podem ser efetuados através de fontes internas quando os próprios acionistas utilizam seu capital para fomentar a companhia, ou de fontes externas, quando se utilizam bancos e emissões de dívidas.

Esta métrica determina o quão é dispendioso arcar com um financiamento, mesmo que ele seja levantado para melhorar a companhia. Suas interpretações trazem vieses comparativos, mostrando quais tipos de créditos, e de quais fontes são melhores para o desenvolvimento do negócio. 

Como calcular o WACC?

A fórmula matemática para calcular o WACC considera os custos tanto a fonte interna quanto a externa, além do patrimônio líquido da empresa, sua dívida total, e o imposto de renda. Veja só:

WACC = Ke(E/D+E) =Kd(D/D+E) x (1-IR)

Sendo:

KE: custo de capital da fonte interna

E: Patrimônio líquido da empresa

D: Dívida total da empresa

KD: custo de capital da fonte externa

IR: Imposto de Renda

O resultado desta análise nos mostra se o capital a ser investido para a melhoria, expansão ou desenvolvimento de uma empresa, terá um retorno interessante. Através do WACC é possível perceber o quanto cada investimento pode gerar de lucro dentro de um mesmo espaço de tempo. Em termos gerais, quando o WACC é inferior ao ROIC de uma empresa, significa que ela é capaz de gerar um rendimento positivo.

Outro fator interessante a ser levado em consideração é que quando menos capital de terceiros estiverem inseridos nesta conta, maior o entendimento dos investidores sobre a possibilidade da empresa em se desenvolver com capital próprio.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

O que é ROA?

A sigla significa “Return on Asset”, que traduzido, é Retorno sobre o Ativo. Ou seja, este indicador mostra a rentabilidade e capacidade de geração de lucro total de um ativo dentro de uma companhia. Através dele, é possível para os investidores identificar como as empresas conseguem ser lucrativas a partir de seus ativos demonstrados em Balanço.

Como calcular o ROA?

ROA = Lucro Líquido / Ativo Total x 100

O resultado final desta conta deve ser transformado em valor percentual, e ele mostra o quanto uma companhia se torna eficaz ao transformar seus ativos em dinheiro líquido. Este indicador será alto quando o lucro conseguir ser superior aos ativos que a empresa possui, demonstrando assim, o retorno para o seu acionista.

Esta métrica também é interessante de ser utilizada quando comparamos empresas concorrentes. A de maior ROA demonstra ser mais lucrativa.

Como calcular a rentabilidade do ativo de uma empresa?

Sabendo que os investidores buscam companhias geradoras de caixa e lucrativas ao longo do tempo, é importante considerar o nível de endividamento de uma empresa. Para que seja possível calcular a rentabilidade do ativo da empresa, precisamos analisar os fatores que contribuem para a melhoria do lucro:

  • Demonstrativo de Resultados Positivos
  • Lucro Líquido Positivo
  • Baixo endividamento

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.



Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.