Debênture Petrobras – JAN/2029

Debênture Petrobras – JAN/2029

  • Vencimento 15/01/2029
  • Rentab. -
  • Liquidez -
  • Juros -
  • Rating AA(bra)
  • Preço Unitário R$ 1.000,00

Compartilhar:


Para melhor entendimento do relatório, sugerimos consultar o Glossário ao final da página, caso seja necessário.

Destaques positivos

  • Redução da alavancagem.
  • Venda de ativos (reforço de caixa e foco estratégico).
  • Posição competitiva.
  • Reforço de governança.
  • Novas descobertas de campos.

Pontos de atenção

  • Exposição aos preços de petróleo (commodity).
  • Judicialização das iniciativas de vendas de ativos.
  • Atraso em investimentos e início de novas plataformas.
  • Controle estatal.

Quem é a Petrobras?

História

Fundação e consolidação

A Petróleo Brasileiro S.A. (Petrobras) foi fundada em 1953, no último mandato do presidente Getúlio Vargas, por meio da Lei n° 2.004/53. À Petrobras competia a responsabilidade de estudo, extração, refino e distribuição do petróleo do país, estabelecendo o monopólio estatal da commodity.

Em 1961, é inaugurada a primeira refinaria brasileira, a Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), localizada na Rodovia Washington Luís, no estado do Rio de Janeiro. Até hoje, a Reduc é considerada a mais completa e complexa refinaria do sistema Petrobras.

Visando expandir sua produção, em 1963 é criado o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento (Cenpes). Com o passar dos anos, a instituição se tornou o maior centro de pesquisa da América Latina.

Em 1968, as ações ordinárias e preferenciais da Companhia começam a ser negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. No mesmo ano, começam as atividades da primeira plataforma móvel de perfuração da Petrobras, a P-1, com capacidade de operação em águas de até 30 metros de profundidade. Por meio de sua utilização, foi descoberto o primeiro campo de petróleo na plataforma continental brasileira, dando origem ao campo de Guaricema, no mar de Sergipe.

Em 1971, dado o aumento do consumo interno de derivados do petróleo, é criada a Petrobras Distribuidora S.A., ou BR Distribuidora.

A Braspetro, braço de exploração da Petrobras no exterior, surge em 1972, marcando o início da expansão internacional da companhia.

No ano de 1974 é descoberta a Bacia de Campos, contendo cerca de 100 quilômetros quadrados de reservas, localizada ao norte do Rio de Janeiro e ao sul do Espírito Santo. Sendo responsável por mais de 80% da produção nacional do petróleo, é considerada a mais importante reserva petrolífera do Brasil.

Quebra do monopólio e descoberta do pré-sal

Com a quebra do monopólio estatal da exploração e refino em 1997, a partir da promulgação da Lei n° 9.478/97, a Petrobras passou a competir com outras empresas estrangeiras e nacionais em todos os elos da cadeia de petróleo. A mesma lei instituiu o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) e a Agência Nacional do Petróleo (ANP). O domínio das reservas, por outro lado, permaneceria com a União.

Em 2005, a Petrobras alcançou pela primeira vez a camada do pré-sal na Bacia de Santos. Mais tarde, em 2007, a companhia anunciou a descoberta da maior jazida de óleo e gás natural do país, no campo petrolífero de Tupi, na mesma bacia. A estimativa de volume da reserva era de 5 a 8 bilhões de barris.

Buscando alavancar a exploração de petróleo na camada do pré-sal, a Petrobras realizou em 2010 a maior oferta de ações do mundo até então: foram vendidas 4,27 bilhões de novas ações, levantando cerca de R$ 120 bilhões de reais.

Crise financeira

Em 2014, a Operação Lava Jato atinge a Petrobras, devido à identificação da participação de um ex-executivo em esquema de lavagem de dinheiro. Daí em diante, diversas irregularidades foram descobertas pela força-tarefa, que foi responsável pela recuperação de R$ 3,2 bilhões aos cofres da companhia por meio de acordos de colaboração firmados entre investigados e o Ministério Público.

Além dos desvios identificados, o desempenho da petrolífera também foi prejudicado pela interferência que ocorreu na política de preço de combustíveis. Nesse sentido, o balanço do exercício de 2014 revelou um prejuízo líquido de R$ 21,6 bilhões no ano, sendo o primeiro exercício de resultado negativo desde 1991.

Recuperação

Em maio de 2016, Pedro Parente é apontado como novo CEO para recuperar a credibilidade da empresa, que era a petroleira mais endividada do mundo. Parente acelerou o plano de desinvestimentos da Petrobras e focou sua gestão no corte de custos e ganho de eficiência.

Além disso, também pôs em prática a nova política de preços da empresa, determinando que os preços de derivados de petróleo comercializados poderiam acompanhar as oscilações internacionais da cotação do óleo. Como resultado, a Petrobras voltou a reportar lucro líquido em 2018. Parente deixou a empresa em 2018 durante a greve dos caminhoneiros.

Em dezembro de 2018, a Petrobras nomeou Roberto Castello Branco, economista brasileiro e ex-membro do conselho administrativo, como CEO da companhia.

No dia 17 de junho de 2019, a empresa divulgou nota de esclarecimento em relação à descoberta de gás natural na Bacia de Sergipe. A instalação de um sistema de produção já está contemplada no Plano de Negócios e Gestão 2019-2023.

A Rodada de Licitações dos Excedentes da Cessão Onerosa, que representa o excedente do volume de petróleo e gás cedido à companhia pela União, ocorre ao fim de 2019. A Petrobras arrematou sozinha o bloco de Itaipu e formou um consórcio com as estatais chinesas CNODC e CNOOC para levar o bloco de Búzios, o maior do leilão.

Em fevereiro de 2020, foi realizada uma oferta de ações no mercado secundário, de 734 milhões de ações ordinárias sob titularidade do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), movimentando R$ 22 bilhões.

Atuação

A Petrobras é líder mundial na exploração e produção de petróleo em águas profundas e ultraprofundas.

Além disso, a companhia atua nos segmentos de refino, comercialização, transporte, petroquímica, distribuição de derivados, gás natural, energia elétrica, gás-química e biocombustíveis.

Governança

Dentre as medidas adotadas para a recuperação da credibilidade, destacam-se:

  • Entrada no nível 2 da B3.
  • Fortalecimento da cultura de compliance.
  • Revisão de sua estrutura organizacional.
  • Continuidade do plano de desinvestimentos.
  • Política mais conservadora de dividendos nos últimos anos.

Além disso, em 30 de janeiro de 2019, a empresa concluiu a venda da refinaria de Pasadena.

Em setembro de 2018, a Petrobras fechou acordos com o DOJ (departamento de justiça americano) e SEC (órgão regulador do mercado de capitais americano), nos Estados Unidos, relacionados aos controles internos, registros contábeis e demonstrações financeiras da Companhia.

Os acordos encerraram completamente as investigações das autoridades norte-americanas, resultando em pagamento de US$ 85,3 milhões ao DOJ e US$ 85,3 milhões à SEC. Houve ainda destinação de US$ 682,6 milhões (pagos em janeiro de 2019) às autoridades brasileiras, depositados em um fundo especial.

Quem são seus acionistas?

BNDES: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Entidade atualmente vinculada ao Ministério da Economia, cujo principal objetivo é o financiamento de longo prazo e investimento em segmentos estratégicos da economia brasileira.

BNDESPar: gestora de participações sociais e subsidiária do BNDES. Foi criada para administrar as participações em empresas detidas pelo banco.

BlackRock, Inc: maior gestora de ativos do mundo com US$ 7,2 trilhões sob gestão. É listada na bolsa de Nova York.

União Federal: acionista controladora da companhia, detendo 50,3% das suas ações ordinárias.

Para melhor entendimento, esclarecemos que a nomenclatura “2T20” significa “segundo trimestre de 2020”. Suas variações também se aplicam (ex: 1T20 seria o primeiro trimestre de 2020).

Principais fatores do crédito

Fonte: XP Investimentos, Petrobras e Bloomberg.

Cenário atual

Desfazendo-se de atividades fora da exploração de petróleo, a Petrobras iniciou uma trajetória de recuperação financeira a partir de 2017, atingindo resultado líquido de R$ 40 bilhões em 2019, o maior resultado da estatal até então.

Porém, no primeiro semestre de 2020, a Petrobras foi afetada pelo repentino choque dos preços do petróleo, causado pelas falhas nas negociações envolvendo a Opep+, e a pandemia de covid-19. Nesse contexto, a cotação do barril de petróleo Brent, utilizado como referência para a política de preços da Petrobras, despencou de US$ 65 em fevereiro para US$ 19 em abril.

Além da desvalorização da commodity, as medidas de distanciamento social adotadas pelos Estados como resposta à pandemia refletiram na queda da demanda, o que reduziu a rentabilidade da empresa.

Visando mitigar os efeitos da covid-19 em sua operação, a Petrobras adotou uma série de medidas de resiliência, como emissão de novas dívidas, redução de investimentos e despesas, dentre outros:

Destaques operacionais

A média da cotação do petróleo Brent no 1S20 foi de US$ 38,73, queda de aproximadamente 40% ante a média do 1S19 de US$ 66,01.

Por outro lado, os custos médios de extração também apresentaram contração, compensando, em parte, a desvalorização da commodity: o custo de extração consolidado alcançou US$ 6,59/barril no 2T20 ante US$ 10,43/barril no 2T19, redução anual de 37%. Já nos campos de pré-sal, os custos reduziram 31% no mesmo período, para US$ 4,17/barril.

Nota-se também que a taxa de acidentes registrados por milhão de homens-hora (TAR) alcançou 0,67 no 1S20, redução de 23,9% ante o registrado nos seis primeiros meses de 2019.

Em julho de 2020, a produção de óleo no Campo de Búzios atingiu a marca de 674 mil barris de óleo por dia e 844 mil barris de óleo equivalente (boe) por dia. Ressalta-se que o campo descoberto em 2010 é considerado pela Petrobras o maior campo de petróleo em águas profundas do mundo.

Destaques financeiros

Rentabilidade e EBITDA

A Petrobras é uma das maiores petroleiras do mundo, sendo a maior empresa brasileira em termos de faturamento.

Como consequência da redução do volume de vendas e desvalorização da commodity, houve queda de 33% na receita líquida no 2T20 em comparação com o 2T19, para R$ 50,9 bilhões. Os segmentos mais afetados foram: exportação de óleo e derivados, diesel, gasolina e querosene de aviação (QAV), parcialmente compensados pela depreciação cambial.

A receita líquida acumulada nos últimos 12 meses encerrados em junho foi de R$ 285 bilhões, valor cerca de 6% menor que os R$ 302 bilhões apurados durante o exercício de 2019.

Do lado do EBITDA, o acumulado nos últimos 12 meses foi de R$ 131 bilhões, montante 1,8% superior ao registrado em 2019. A margem EBITDA de 46,15% também representou avanço ante os 42,76% do último exercício, o que indica melhora operacional.

Endividamento e alavancagem

Após um período com alto índice de alavancagem em decorrência dos altos investimentos e da deterioração da reputação com a operação Lava Jato, o que dificultou o acesso ao mercado de capitais, a Petrobras conseguiu reduzir sua alavancagem devido à venda de ativos non-core (i.e. refinarias, gasodutos, poços maduros), focando no segmento de exploração e refino.

Contudo, diante do contexto atual de crise, a dívida bruta avançou 2,2% no 2T20 ante o trimestre anterior para US$ 91,2 bilhões, devido às medidas tomadas para preservação de caixa. A relação dívida líquida/EBITDA aumentou de 2,15x em março de 2020 para 2,34x em junho de 2020, ainda em bons patamares, principalmente em comparação com o passado recente da empresa.

A empresa abandonou a meta de atingir o índice de dívida líquida/EBITDA de 1,5x ao fim deste ano e traçou como objetivo encerrar 2020 com um endividamento bruto de US$ 87 bilhões, no mesmo patamar de 2019. Apesar do aumento, a empresa reitera seu compromisso com a política de dividendos adotada ao fim do ano passado, a qual permite distribuição de proventos acima do mínimo obrigatório caso a dívida bruta seja reduzida para US$ 60 bilhões.

O cronograma de amortizações da Petrobras está alongado, sem concentração de vencimentos nos próximos anos. A posição de caixa ao final de junho de 2020 seria suficiente para fazer frente aos pagamentos até 2022, não representando pressões de refinanciamento durante este período.

Plano de desinvestimentos

A Petrobras possui em curso um plano de desinvestimentos de ativos, que visa levantar recursos para reduzir seu endividamento. Com isso, vai restringir sua presença ao Brasil e focar em seus principais segmentos de negócios, de exploração e produção de petróleo e gás, principalmente no pré-sal, em águas profundas e ultraprofundas.

Como resultado, poderá direcionar recursos, tanto humanos quanto financeiros, para os negócios com melhor retorno para a empresa.

Em 2019, a Petrobras celebrou um Termo de Compromisso de Cessação (TCC) com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Pelo acordo, a companhia deverá vender uma série de ativos, incluindo oito refinarias de petróleo, distribuidoras de gás e o Gasoduto Bolívia-Brasil (Gasbol).

O objetivo é abrir os mercados de refino e gás natural no Brasil por meio da entrada de novos agentes. Em troca da venda de ativos, o Cade arquivará processos que apuravam supostas condutas anticompetitivas da estatal no mercado de gás natural.

Pontos de atenção

Exposição aos preços de petróleo

Como o petróleo é uma commodity, suas cotações apresentam alta volatilidade, podendo oscilar para cima ou para baixo dependendo do cenário econômico (oferta e demanda). O choque da cotação dos barris de petróleo no primeiro trimestre de 2020 e suas consequências, por exemplo, ilustram como o resultado financeiro da companhia é regido pelas dinâmicas atuais do mercado de combustíveis fósseis.

Além disso, no longo prazo ainda há o risco da transição energética, movimento observado em diversos países desenvolvidos, o qual visa a substituição de fontes energéticas que causam aquecimento global e consequentes mudanças climáticas, como o petróleo, por fontes não emissoras de gases causadores do efeito estufa.

Judicialização das iniciativas de vendas de ativos

Dada a relevância da Petrobras na economia do país e sua característica de economia mista, o plano de desinvestimento de ativos da companhia é debatido com frequência na esfera política. Isso ocorre porque a Constituição Federal protege o patrimônio público, e a Lei n° 9.491/97, a qual instituiu o Plano Nacional de Desestatização, prevê que a privatização de estatais exija lei própria.

Nesse sentido, em junho de 2019 o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou por ampla maioria que, embora a aprovação do Congresso seja necessária para a privatização de estatal, o aval para o desinvestimento em subsidiárias é dispensado.

Em setembro de 2020, o plano de desinvestimentos da Petrobras é judicializado novamente, dado que não há um consenso para a liquidação de ativos da empresa-matriz. Portanto, a pedido das Mesas da Câmara dos Deputados, do Senado e do Congresso, o plenário do STF deverá julgar a constitucionalidade da venda direta das refinarias da estatal.

A lentidão na venda de ativos limita a capacidade de geração de caixa oriunda dessas vendas para pagamento de dívida.

Atraso em investimentos e início de novas plataformas

A postergação de investimentos pela Petrobras atrasa o início de operação das plataformas em construção e também retarda a trajetória descendente do custo de extração do petróleo. Em momentos mais desafiadores, como a pandemia do covid-19, decisões deste tipo são esperadas, dado que a prioridade passa a ser preservar o caixa e a liquidez da companhia.

Controle estatal

Conforme mencionado anteriormente, a Petrobras já foi bastante prejudicada pela ingerência governamental, sobretudo em sua política de preços de combustíveis. Apesar da política de paridade com os pares internacionais adotada em 2017, momentos de estresse, como a greve dos caminhoneiros de 2018, trazem de volta temores sobre o risco político.

Glossário

EBITDA: Lucro líquido do período acrescido dos tributos sobre o lucro, resultado financeiro líquido, depreciação e amortização.

EBITDA Ajustado: EBITDA acrescido do resultado da participação em investimentos, impairment, resultados com desinvestimentos e baixa de ativos, exclusão de despesas com arrendamento operacional e efeitos cambiais acumulados de conversão (CTA) reclassificados para resultado.

IFRS 16: Norma contábil vigente desde janeiro de 2019 que inclui no balanço as operações de arrendamento mercantil. Com isso, há efeito de aumento do passivo e do EBITDA, que deixa de considerar as despesas relacionadas ao arrendamento mercantil. O resultado da adoção dessa norma é uma melhor comparabilidade entre empresas que compram seus ativos e aquelas que os alugam.

DoJ: Departamento de Justiça dos Estados Unidos

SEC: Securities & Exchange Commission. Equivale à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) no Brasil, que é a entidade que regula os mercados de capitais.

Fonte

Petrobras

Veja também

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com os nossos Termos de Uso e Política de Privacidade.