XP Expert

Resumo Diário de Política 25/11/2020: Jair Bolsonaro fala sobre auxílio emergencial

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O presidente Jair Bolsonaro voltou a se manifestar no fim do dia sobre o futuro do auxílio emergencial — e o fez em linha com o discurso adotado pela equipe econômica, de que a prorrogação só vem em caso de segunda onda (https://glo.bo/3o7Er07 e https://bit.ly/3fwr2vj). “A gente se prepara para tudo, mas tem que esperar certas coisas acontecerem. Esperamos que não seja necessário porque é sinal de que a economia vai pegar e não teremos novos confinamentos no Brasil”. O discurso fortalece a tese de que, sem segunda onda, a ideia do governo não é prorrogar o auxílio emergencial. Com pouco tempo para aprovação de um programa definitivo no Congresso, os esforços caminham para o Bolsa Família dentro dos limites possíveis, com a discussão sobre o teto se estendendo para 2021.

Mesma linha adotaram o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, o da Fazenda, Waldery Rodrigues (https://glo.bo/2JaN6j6 e https://bit.ly/377Dkq7) — que disseram que, ainda que haja segunda onda, o gasto seria em “escala muito menor”.

E, com o período eleitoral chegando ao fim e entraves para a extensão do auxílio, o governo intensifica suas conversas com o Congresso para tentar destravar a PEC Emergencial, em um últimos esforço para abrir espaço no teto e acomodar o programa de transferência de renda (https://glo.bo/2V0vk4Q e https://bit.ly/2J5sgBO). O governo fala em tentar votá-la na segunda ou terceira semanas de dezembro. Entrariam no texto os gatilhos; a “semidesindexação” (para benefícios maiores que um salário mínimo); e um corte de subsídios, de 20% a 25% (https://glo.bo/3fBnbwX) (que não abre espaço no teto); além da tentativa de descarimbar receitas de fundos públicos, mecanismo presente na PEC dos Fundos, mas que também não permite novos gastos.

É concreta a disposição de congressistas de criar um programa para substituir o auxílio, mas esse último esforço do governo esbarra no calendário. Se não houver consenso — e, com essas medidas, é difícil haver — os prazos de tramitação praticamente impedem a aprovação ainda em 2020, e as disputas pelas mesas dificultam votações em janeiro de 2021.

Ganham os jornais também as conversas dos candidatos à presidência da Câmara com a esquerda (https://bit.ly/3fwYBNO) — que, nas nossas apurações, está mais próxima do grupo de Rodrigo Maia do que do de Arthur Lira. Há negociações em relação à pauta do próximo presidente e por espaço na mesa — e ressalvas às possibilidade de Maia se candidatar à reeleição. Ainda na temática da disputa, o Supremo formou maioria para manter Lira réu em ação de corrupção passiva (https://bit.ly/2J5NjE6).

O plenário do Senado deve votar hoje a projeto de lei de falências (https://glo.bo/2KIphA1) — o relatório de Rodrigo Pacheco não deve conter alterações de mérito, apenas de redação, o que evita a necessidade de uma nova votação pelos deputados.

Nas redes

O monitor XP-Conatus registrou uma continuação da alta de menções sobre a fala de Paulo Guedes de não prorrogar o auxílio emergencial, principalmente entre opositores ao governo Bolsonaro. Entre os apoiadores do presidente, posicionamentos são dispersos, com críticas aos governadores. Entre as notícias, destaque paras a reação ANGRY (54%), em reforçada pela declaração de Bolsonaro (“Pergunta para o vírus”) e pela fala de Funchal sobre a “poupança” feita com recursos do auxílio.

Internacional

Covid-19: Segundo a OMS, são 58.900.547 casos confirmados 1.393.305 óbitos (https://bit.ly/3ge3REZ).

Notícias sobre vacinas contra a doença continuam em alta: União Europeia fechou acordo para comprar 160 milhões de doses da vacina da Moderna, e a Rússia anunciou que novos testes da Sputnik V mostraram eficácia de 91,4% https://glo.bo/3ftqQwU). 

Nos EUA, após agência do governo americano autorizar o início da transição para o governo Joe Biden, o democrata informou que o processo está avançando rapidamente e que tem acesso a briefings de inteligência diários (https://bloom.bg/33dUbGP). 

Apesar de ter dado aval para o início do processo de transição, Donald Trump ainda não aceitou a vitória de Biden formalmente e continua apresentando recursos no Judiciário para reverter resultados ou postergar a certificação. No entanto, suas ações não têm produzido os resultados desejados. Os ‘swing states’ Michigan, Geórgia, Nevada, Carolina do Norte, Pensilvânia e Minnesota já certificaram os resultados (https://cnn.it/3l2qBde). Vale lembrar que estados devem resolver disputas até 8 de dezembro, e o colégio eleitoral se reúne para votar no dia 14 de dezembro

No Congresso do país, o noticiário indica que parlamentares republicanos e democratas chegaram a um acordo sobre o orçamento público, evitando a paralisação do governo americano após 11 de dezembro (https://bloom.bg/361BR5h).

Hoje é o 695° dia do governo Jair Bolsonaro.

Hoje é o 259° dia da pandemia de Covid-19.

Faltam 4 dias para o segundo turno das eleições municipais.

XP Política

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins na Resolução CVM 20/2021. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.