🌎 Mundo em 60s: Novo normal

O termo “novo normal” foi repetido incontáveis vezes durante a pandemia. Mas, afinal, o que ele significa no mundo dos investimentos? Antes, o que aconteceu na semana:


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bolsas: Discurso de Powell (Fed) nos EUA (-1,2% na semana) reforçou postura expansionista, mas mercados continuam testando novas altas nas taxas de juros. Geopolítica: Conversas oficiais entre americanos e autoridades na China (0,0%) não resultaram em melhora nas relações. Dèjá vu? Na Europa (-0,1%), Itália e França endurecem medidas restritivas.

Setores: Petrolíferas, líderes de performance no ano, derrapam -7,7% na semana com a queda da commodity, que ainda beira os US$ 60/barril. Tecnologia (-1,5%) é afetada por novas altas nas treasuries americanas enquanto setores da velha economia seguem positivos no ano: Financeiro +15%, Industrial +9% e Materiais +8%.


Novo normal

De 2020 para cá, podemos afirmar que tudo mudou. As interações no trabalho, os padrões de consumo e as reuniões familiares e entre amigos foram transformadas por conta do isolamento social. Quando olhamos para um cenário mais amplo, percebemos que este evento foi gatilho para uma mudança de paradigmas, que possui consequências econômicas de longo prazo.

Agora, com a vacinação em massa, principalmente nos países desenvolvidos, teremos uma volta ao normal? Acreditamos que apenas parcialmente, portanto, fizemos um apanhado dos temas que irão se beneficiar ou prejudicar permanentemente do cenário de novo normal:

↑Streaming↑  ↓Cinemas↓

Dados da Statista mostram que em 2018, quando perguntados se preferiam assistir um filme pela 1ª vez no cinema ou via aplicativo de streaming, 53% dos americanos optaram pelo primeiro. 2 anos e uma pandemia depois, os números se inverteram e 56% passaram a preferir as plataformas ao tradicional telão. Em 2021, 1,1 bilhão de pessoas já assinam pelo menos um serviço de streaming.

Neste contexto, a migração para o streaming, que já representava uma ameaça ao setor de cinemas, foi acelerada devido à crise. 1) Netflix, o principal nome, ultrapassou os 200 milhões de assinantes em 2020, tendo crescido sua base em 500% desde 2013. 2) Disney+, lançado em nov/2019, já beira os 100 milhões, com uma previsão de 300 a 350 milhões de inscritos em 2024. 3) HBO Max bateu sua meta de 40 milhões de assinantes 2 anos antes do esperado. 4) Outros nomes, como Amazon Prime, Hulu e Discovery+ também buscam uma fatia desta pizza e aumentam o já difícil desafio para a indústria tradicional de cinema.

Por isso, quando olhamos para os papéis destas empresas, o impacto ainda é nítido. Desde jan/2020, ações do Cinemark (-30%), Cineworld (-40%), CineMedia (-26%) e Marcus Corp. (-26%) desempenham abaixo do mercado, evidenciando que, apesar das perspectivas de reabertura econômica, este mercado pode ser permanentemente prejudicado.

↑Trabalho remoto↑ ↓Escritórios↓

Outra tendência permanente é a de trabalho remoto. Uma série de empresas, principalmente as mais inovadoras, aderentes à cultura digital e às novas tecnologias, já fomentam o trabalho remoto e se beneficiam com isso por alguns motivos, dentre eles: 1) Custo: Nos EUA, uma empresa média gasta, por ano, o equivalente a 5,5% do seu faturamento apenas em aluguel de imóveis e 2) Produtividade: Estudos de Stanford sugerem que empregados possuem um desempenho 13% superior quando trabalham de casa.

Por isso, gigantes de tecnologia já se movem nesta direção. A Microsoft assumiu um novo padrão de até 50% do tempo de trabalho em casa. No Facebook, plano é de trabalho remoto para 50% dos funcionários. Enquanto isso, CEO do Google afirmou que o “futuro do trabalho é, definitivamente, mais flexível” e que assumirão um “modelo híbrido”.

As consequências? Queda na demanda por imóveis comerciais e ganhos permanentes para plataformas de suporte ao trabalho remoto, evidenciado pelo Zoom, que registra alta de +370% desde o início de 2020, com faturamento ultrapassando US$ 2,5bi a/a, num crescimento de 326% em relação ao período de 2019.

↑Viagens turísticas↑  ↓Viagens corporativas↓

Por último, mas não menos importante, acreditamos que a contenção da pandemia pela vacinação em massa irá possibilitar a recuperação do turismo de lazer. Linhas de cruzeiros, como a Royal Caribbean e Norwegian Cruises, conseguiram levantar capital suficiente para manterem-se líquidas e sobem 270% e 230% desde o pico da crise. Estimativas indicam que 50% da capacidade estará ativa em 2021 e 90% em 2022.

Do lado negativo, as companhias aéreas serão permanentemente afetadas por conta da importância das viagens corporativas em sua linha de faturamento. O mercado de viagens corporativas representa ~12% do faturamento das linhas aéreas e é 2x mais lucrativo que o de passageiros casuais, representando até 75% dos lucros destas empresas.

A IATA divulgou em relatório que em 2020 foram obliterados 20 anos de tráfego de passageiros e relata recuperação do setor mais lenta do que o esperado, com estimativa de recuperação para níveis pré-pandêmicos não antes de 2024.

Acreditamos, portanto, que a vacinação em massa permitirá uma reabertura econômica, mas o mundo não é mais o mesmo. Estas transformações impactarão diretamente as empresas e seus negócios, tornando essencial para o investidor com visão de longo prazo estar atento para evitar os riscos das “armadilhas de valor”, ajustando suas posições de acordo com sua visão estrutural de cenário.

Atualmente, existem diversas alternativas de investimento em ativos expostos à temática do Novo Normal: BDRs (Brazilian Depositary Receipts), Fundos de Investimento (como o Trend Bolsa Americana e Trend Tecnologia) e COEs.


#ProvaRápida – De quem é o gráfico? Dica 1: Gráfico de preço por ação em US$. Dica 2: Empresa de turismo que sobe quase 30% em relação à níveis pré-pandemia.

a) Booking
b) Disney
c) Airbnb
d) Royal Caribbean

Resposta: b)

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.