XP Expert

Carteira Precavida (Conservadora)- Abril 2022

O perfil precavido é para aquele investidor que possui a menor tolerância às oscilações dos preços dos ativos. Por buscar maior segurança possível, aceita ter retornos menores.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A política de investimentos Precavida é recomendada para investidores com perfil Conservador, porém com diferentes objetivos que podem ser desde aqueles investidores que (i) estão começando sua jornada no mundo dos investimentos agora, ou (ii) já investem a um tempo porém não gostam de oscilações, até aqueles que (iii) vão precisar dos recursos no curto prazo (6 meses) e por isso precisam de um portfólio com baixa exposição ao risco. Com uma dinâmica conservadora, a alocação busca segurança e liquidez, reunindo uma seleção de ativos com gestão especializada e papéis de qualidade.

A alocação a seguir é recomendada para investidores que possuem pouca tolerância a riscos ou um horizonte de investimentos curto. Por esse motivo, toda a alocação da carteira é concentrada em ativos de renda fixa, dado sua segurança em relação a maior previsibilidade sobre o tipo de remuneração oferecida. Nossas sugestões de fundos combinam sofisticação e qualidade na gestão da carteira, oferecendo aos investidores uma alocação dinâmica e que combina segura e liquidez de acordo com as necessidades do investidor.

O que vimos do mês anterior

Um olho no Fed e o outro no conflito. Foi assim que o mercado passou boa parte do mês de março, tentando interpretar de que forma o Banco Central norte americano agiria sobre os juros na reunião do FOMC que ocorreu na metade do mês, culminando no aumento de 0,25%, e como o desenrolar do conflito entre Rússia e Ucrânia seguiria impactando os preços das commodities e consequentemente, a inflação.

Entre elevações e reduções das tensões quanto à escalada da guerra para um patamar mais global, sanções e contra sanções foram sendo impostas pelos governos dos países do Ocidente e pela Rússia, respectivamente. Isso teve e tem um efeito de curto prazo, com o choque de oferta de uma série de insumos e commodities, além dos efeitos que se seguirão, sendo os principais (i) o aumento das pressões na já pressionada inflação global e; (ii) a redução das projeções de crescimento de diversos países, principalmente Europa e Estados Unidos.

Mesmo com todo esse pano de fundo, as bolsas americanas tiveram um alívio no mês de março, com S&P500 e Nasdaq subindo mais de 3%. De qualquer forma isso não foi suficiente para impedir que os principais mercados de ações dos EUA fechassem o primeiro trimestre de 2022 no campo negativo, com S&P acumulando -4,9% no ano. Vale destacar que as curvas de juros americanos (treasuries) abriram consideravelmente no mês de março, principalmente os juros de 2 anos que encostaram nos patamares dos juros de 10 anos. Historicamente, analistas dizem que isso indicaria que um período recessivo poderia estar por vir em alguns meses.

Em nosso país, os impactos do choque de oferta também são sentidos e a inflação seguiu surpreendendo para cima ao longo de março, sendo visível no número do IPCA-15 divulgado no final do mês vindo acima do esperado e trazendo esse índice para 10,79% em 12 meses. Para conter essa escalada de preços, o Banco Centra do Brasil seguiu seu comunicado e aumento a Selic para 11,75% e até já deixou claro que deverá ir até 12,75% na próxima reunião, provavelmente parando por aí, pois o BCB entende que essa dose já deveria ser suficiente para frear a economia e os preços.  

Mesmo assim, o ambiente para os ativos de risco brasileiros foi benigno no mês passado, com o fluxo de recursos estrangeiros para o bolsa chegando a quase R$26 bilhões no mês e a surpreendentes R$90 bilhões em 2022. Na busca por empresas ligadas a commodities, que se beneficiam do cenário de choque de ofertas, e do setor de bancos, que são favorecidos pelos juros altos, os estrangeiros sem dúvida tiveram papel relevante na subida de 6,06% do Ibovespa em março e 14,5% no 1º trimestre de 2022.

Com real se valorizando 7,8% frente ao dólar e com outros índices de renda variável tendo fortes altas, como o IDIV (+10,0%), Índice de Small Caps (+8,8%) e IFIX (+1,42%), não tem como negar que tivemos um mês de março bastante positivo para os investimentos de risco no Brasil. Mesmo com ventos contrários vindos do cenário externo, o Brasil parece estar fazendo do limão uma limonada.   

Onde alocar os recursos nesse cenário?

Nas imagens a seguir confira a alocação por classe de ativo para este mês e a sua evolução histórica:

Alocação Atual

Quer saber sobre essas classes e em quais ativos investir?

Assine Expert Pass, e veja as nossas recomendações de alocação para a carteira Precavida.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.