XP Expert

Empresas Excel – Outubro 2022

Veja aqui nossas recomendações para empresas de um portfólio diversificado e conservador em investimentos neste mês.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Para além do capital de giro, existem estruturas jurídicas que alocam seu capital para objetivos e prazos específicos. Por isso, a diversificação de portfólio deve ser levada em consideração na alocação dos recursos. Pensando em oferecer com essas características, a carteira Excel é indicada para empresas que desejam retornos no portfólio sem abrir mão da segurança.

Conteúdo exclusivo para clientes XP
A conta XP é gratuita. Abra a sua agora!

Cadastrar

Já é cliente XP? Faça seu login

Invista melhor com as recomendações
e análises exclusivas dos nossos especialistas.

Portfolio pensado para investir os recursos da estrutura jurídica buscando maiores retornos, mas sem abrir mão da segurança. Esse portfólio combina diversificação com baixa volatilidade. Sua maior exposição deve ser ativos pós fixados já que oferecem maior segurança, porém outras classes de ativos não são dispensáveis, pelo contrário, são necessárias para otimizar os retornos. Logo, nossas sugestões de alocações combinam qualidade de gestão e diversificação de portfólio, sem abrir mão da segurança e baixa volatilidade.

 O que vimos do mês anterior

No mês que antecede o 1º turno das eleições aqui no Brasil, uma das maiores expectativas era a que houvesse um aumento na volatilidade nos ativos de risco, principalmente na bolsa brasileira, o que não ocorreu até aqui. Historicamente, o Ibovespa tende a apresentar uma maior volatilidade à medida que as eleições se aproximam, mas a dispersão de retornos no acumulado de 2022 tem sido relativamente baixa. No mês de setembro o principal índice da bolsa brasileira subiu +0,5%, na contramão das principais bolsas globais e está com retorno de +5,0% em 2022. Por sua, o IDIV fechou com variação negativa de -1,8%, mas ainda acumula +9,2% no ano.

Ainda por aqui, também na contramão das altas dos juros dos EUA e países da Zona do Euro e Inglaterra, os juros brasileiros fecharam em queda, em um mês no qual o Banco Central do Brasil sinalizou uma interrupção, ao menos por hora, do ciclo de alta da taxa Selic, que está atualmente nos 13,75% ao ano. Pesaram a favor do fechamento da curva de juros uma menor percepção de risco fiscal, além dos dados de inflação mais fracos lidos pelo IPCA-15, que contribuíram para reduzir as taxas dos títulos de renda fixa pelo segundo mês consecutivo.

O dólar segue se valorizando frente às demais moedas globais, com o DXY subindo +3,2%. Contra o Real não foi diferente, e a moeda norte-americana valorizou +4,5% no mês, fechando em R$5,42 no mercado à vista.

Nos mercados internacionais, a postura mais dura dos principais bancos centrais mundiais, em meio a uma inflação global persistente, vem aumentando o sentimento de cautela. No mês de setembro, houve uma série de decisões de política monetária por bancos centrais globais, com destaque ao Federal Reserve dos EUA que aumentou mais uma vez as taxas de juros americanas em 0,75 p.p. e indicou que vai continuar apertando a política monetária pra trazer a inflação para a meta. O Banco Central Europeu também optou por um aumento mais agressivo de 0,75 p.p., enquanto o Banco da Inglaterra também elevou suas taxas pela 7ª vez consecutiva em 0,50 p.p. Com isso, aumentaram os temores de recessão global, que somados às notícias ruins vindas da China e da crise energética na Europa, fizeram aumentar bastante o sentimento de aversão ao risco dos mercados, fazendo os principais índices de ações globais voltarem a cair fortemente em setembro.

Destaque para as quedas do S&P500 e Nasdaq, que forma de -8,9% e 9,7%, respectivamente. As bolsas da Europa e Ásia também fecharam fortemente negativas, acumulando ainda mais perdas no ano de 2022, o que reflete o pessimismo dos mercados. Atualmente, o mercado precifica uma probabilidade de recessão nos EUA em 50% no próximo ano, dos 15% estimados no início deste ano. Para a Zona Euro, os mercados estão atribuindo uma probabilidade mais alta de 73%.

De volta ao Brasil, vamos às urnas com boas chances de que, com um caminho mais claro após as eleições, o apetite a risco pode voltar, sustentando ainda mais o desempenho superior do Ibovespa em relação às demais bolsas.

Onde alocar os recursos nesse cenário?

Quer saber em quais ativos investir?

XP Expert

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.