XP Expert

Empresas Excel – Março 2023

Veja aqui nossas recomendações para empresas de um portfólio diversificado e conservador em investimentos neste mês.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Para além do capital de giro, existem estruturas jurídicas que alocam seu capital para objetivos e prazos específicos. Por isso, a diversificação de portfólio deve ser levada em consideração na alocação dos recursos. Pensando em oferecer com essas características, a carteira Excel é indicada para empresas que desejam retornos no portfólio sem abrir mão da segurança.

Conteúdo exclusivo para clientes XP
A conta XP é gratuita. Abra a sua agora!

Cadastrar

Já é cliente XP? Faça seu login

Invista melhor com as recomendações
e análises exclusivas dos nossos especialistas.

Portfolio pensado para investir os recursos da estrutura jurídica buscando maiores retornos, mas sem abrir mão da segurança. Esse portfólio combina diversificação com baixa volatilidade. Sua maior exposição deve ser ativos pós fixados já que oferecem maior segurança, porém outras classes de ativos não são dispensáveis, pelo contrário, são necessárias para otimizar os retornos. Logo, nossas sugestões de alocações combinam qualidade de gestão e diversificação de portfólio, sem abrir mão da segurança e baixa volatilidade.

O que vimos do mês anterior

Um mês duro para os ativos de risco no Brasil e no mundo. Fevereiro apresentou forte volatilidade em grande parte dos mercados globais e mais ainda aqui no Brasil.

Nos países desenvolvidos, muitas são as incertezas quanto ao rumo da inflação e, consequentemente, dos juros. O recente repique na inflação dos Estados Unidos, somado à atividade econômica e mercado de trabalho resilientes, levaram ao aumento de preocupações entre investidores – que passaram a precificar mais altas de juros do que o anteriormente previsto, e um período mais longo de taxas contracionistas. 

O título do tesouro americano para dez anos, por exemplo, fechou o mês a uma taxa de 3,90%, tendo o começado próximo a 3,40%. Além disso, a aversão ao risco foi sentida nas bolsas, com o Dow Jones encerrando o mês em queda de 4,20%, enquanto o S&P 500 e a Nasdaq recuaram 2,51% e 1,11%, respectivamente. Vale ressaltar que a maior parte das bolsas na Europa andou em sentido contrário, com altas acima de 1 e 2% em países como Reino Unido, França e Alemanha.

Já na China, crescem os sinais de uma retomada da economia após a retirada de restrições ligadas à Covid-19, que deve tomar tração ao longo de 2023. Por ora, a reabertura chinesa parece estar contribuindo para a melhora de dados em alguns setores das economias de EUA e Europa. Entretanto, não vemos esses sinais tão claros quanto aqueles relativos à contribuição desse vetor para o Brasil, principalmente no setor de commodities, onde havia maiores expectativas de um novo impulso trazido aos preços pela retomada no país asiático.  

Falando em Brasil, por aqui o cenário foi praticamente dominado por pautas políticas, com temas como revisão de meta de inflação, independência do Banco Central e política de preços da Petrobrás ganhando os holofotes e aumentando as incertezas sobre os rumos da política econômica no país.

Ainda não há clareza a respeito que que postura o governo irá adotar em relação a esses e outros temas relevantes. As pressões políticas por uma taxa de juros mais baixa (a fim de fomentar o crescimento econômico) e uma meta de inflação mais elevada continuam, o que seguiu pressionando as expectativas de inflação de médio prazo e a curva de juros, que subiu principalmente na sua parte mais longa.

Nesse cenário, o dólar fechou fevereiro com alta de 2,9% frente ao real, enquanto o Ibovespa teve queda expressiva de 7,5%. A queda do índice de fundos imobiliários, o IFIX, foi mais tímida e ficou em 0,45%.

Para 2023, a expectativa segue de que o crescimento (PIB) seja de 1% e que a inflação acumule alta de 5,5% no ano, ou seja, consideravelmente acima da meta, seja ela qual for. 

Onde alocar os recursos nesse cenário?

XP Expert

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.