XP Expert

Carteira Destemida (Agressiva) – Maio 2022

O perfil destemido é indicado para clientes que estão no topo do perfil agressivo, e que sabe exatamente o que quer: ser sócio das melhores empresas do mundo ao lado dos melhores executivos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A política de investimentos Destemida é recomendada para investidores com perfil Agressivo que já compreenderam o conceito de risco e por isso possuem alto grau de tolerância, e isso serve tanto para aqueles investidores que (i) sabem que para capturar boas oportunidades a volatilidade pode ser uma boa aliada (ii) já possuem compreensão sobre as diversas classes e alternativas de investimentos mas preferem maior exposição a ativos de renda variável, ou para aqueles investidores que (iii) desejam alocar recursos para um prazo maior do que 8 anos e por isso possuem tolerância as volatilidades. Com a dinâmica mais agressiva de alocação, essa carteira busca potencializar o retorno mesmo que isso signifique maior volatilidade no portfólio.

Acreditar que a volatilidade pode trazer oportunidades exige uma análise dos fundamentos de cada investimento realizado, por esse motivo a alocação destemida não mede esforços para alavancar os riscos, já que abre a mão da liquidez para obter maiores retornos na alocação. A alocação do portfólio busca diversificação geográfica como o pilar principal de retorno, trazendo equilíbrio em diferentes setores e dinâmicas de rentabilidade. A alocação busca retornos no longo prazo, já que possui exposição a ativos de alto risco.

O que vimos do mês anterior

O mês de abril foi marcado por elevada volatilidade e aumento de aversão ao risco nos mercados globais. O mesmo tema dos últimos meses, de aumento de juros nos Estados Unidos, ganhou novas proporções conforme o mercado incorporou expectativas mais altas, além da continuação da guerra entre Rússia e Ucrânia.

As preocupações acerca da COVID-19 retornaram com as severas medidas de lockdown implementadas em território chinês, diante da política de tolerância zero ao vírus por parte do governo de Xi Jinping. Com fábricas, transporte rodoviário e portos fechados ou funcionando apenas parcialmente, navios de carga se aglomeram na costa chinesa, levando o preço do frete para patamares recordes, impactando o comércio global de bens como commodities, máquinas e produtos de tecnologia.

Como esperado, a principal consequência dessa dinâmica se deu na forma de expectativas de inflação mais alta.

Nesse cenário, a política monetária tornou-se o principal determinante dos mercados globais, com Bancos Centrais subindo o tom contra a alta de preços. Nos Estados Unidos, o mercado passou a precificar elevações dos Fed Funds (taxa básica de juros americana) em todas as reuniões do ano, elevando os juros básicos para além do neutro até o final do ano. Ou seja, para território contracionista. Este movimento aumentou a atratividade da classe de renda fixa global, que já vivia um momento de elevada qualidade de crédito.

A expectativa de maiores juros impulsionou a valorização do dólar contra as principais moedas (Euro, Yen, Yuan), enquanto Bolsas ao redor do mundo amagaram quedas substanciais, especialmente em setores mais sensíveis aos juros mais altos no longo prazo. Reflexo disso foi foram os tombos de -8,8% e -13,3% amargados pelo S&P500 e pelo Nasdaq 100, respectivamente, no mês.

Enquanto isso, no Brasil, o mês foi marcado por um cenário misto. Por um lado, a inflação segue acima dos 10% (no acumulado em doze meses),mas ainda com perspectiva de encerrar o ano em 7,4%. Em resposta, o Banco Central segue reforçando a alta de juros, e esperamos que a taxa Selic atinja 13,75% ao ano em junho (11,75% hoje).

Por outro lado, a economia tem se comportado melhor do que o esperado. A retomada do setor de serviços, a recuperação do emprego e medidas de antecipação de 13° salário e liberação do FGTS ajudaram. Assim, analistas passaram a ver um pouco mais de crescimento para esse ano – projetamos alta de 0,8% para o PIB em 2022 (frente a 0% anteriormente).

Ao mesmo tempo, o aumento da aversão ao risco global, a perspectiva de juros mais altos no mundo e a expectativa de um crescimento mais fraco da China também impactaram o desempenho dos mercados por aqui. Vimos o preço de importantes commodities que exportamos perdendo força (como minério de ferro), e o mês registrou saída de capital estrangeiro da nossa bolsa – mesmo com o ano ainda bastante forte.

Como resultado do cenário mais incerto, vimos uma performance bem menos animadora do que a observada no mês passado, acompanhando o desânimo das bolsas no mundo, com o Ibovespa encerrando o mês com baixa de -10,1%. Já no mercado de renda fixa, o cenário de preços em alta seguiu beneficiando títulos atrelados à inflação, enquanto os atrativos carregos de crédito continuaram trazendo bons frutos.

Em suma, volatilidade, aversão ao risco e cautela foram os destaques de abril. Tudo indica que o próximo mês seguirá desafiador, com cada movimento do FED (e do Banco Central por aqui) determinando o humor dos mercados.

Onde alocar os recursos nesse cenário?

Nas imagens a seguir confira a alocação por classe de ativo para este mês e a sua evolução histórica:

Alocação Atual

Quer saber mais sobre essas classes e em quais ativos investir?

Assine Expert Pass, e veja as nossas recomendações de alocação para a carteira Destemida.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.