XP Expert

Carteira Defensiva (Conservador/Moderado)- Março 2022

O perfil defensivo é voltado para o investidor que quer buscar ganhos no longo prazo, porém tem como principal objetivo se defender de perdas acentuadas.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A política de investimentos Defensiva é recomendada para investidores com perfil Moderado, porém com diferentes objetivos desde aqueles investidores que (i) possuem a compreensão da necessidade do risco no portfólio para alavancar rentabilidade, mas preferem um risco controlado, ou que (ii) já investem há um tempo porém preferem uma alocação com baixa volatilidade, até os que (iii) vão precisar dos recursos no curto/médio prazo (36 meses). Com uma dinâmica conservadora para moderada, a alocação busca segurança e liquidez em seu portfólio, mas acrescenta ativos de risco para otimizar a rentabilidade.

A maior defesa de um portfólio é a diversificação. Por esse motivo, a sugestão de portfólio para a carteira defensiva busca equilíbrio na alocação por meio da escolha de classes e ativos que possuam diferentes dinâmicas de rentabilidade. Com foco em alocação de curto/médio prazo, a carteira busca oferecer rentabilidade acima do CDI sem abrir mão da segurança e baixa volatilidade.

O que vimos do mês anterior

Se até a metade do mês de fevereiro o noticiário econômico brasileiro e internacional foi dominado por notícias sobre as pressões inflacionárias que seguem altas tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos e Zona do Euro, a segunda metade foi totalmente focada na escalada das tensões geopolíticas entre Rússia e Ucrânia que, infelizmente acabou culminando na invasão militar da Ucrânia pelas tropas russas na madrugada do dia 24. Ainda nesse dia os mercados amanheceram de mau-humor, refletindo o cenário de aversão a risco, típico de um ambiente de incertezas e receios quanto a uma guerra em um nível mais abrangente.

De lá para cá diversas medidas e sanções estão sendo impostas à Rússia pelos governos de países principalmente da Europa, além dos EUA, como retaliação aos ataques. Nos últimos dois dias do mês, ações de empresas russas listadas fora da Rússia despencaram fortemente, enquanto a bolsa de Moscou permaneceu fechada, além do governo russo ter mais do que dobrado os juros, de 9,5% para 20%, na tentativa de conter a desvalorização da moeda local, o rublo.

Em um mês que já tinha bastante volatilidade nos mercados globais, a materialização de uma possível guerra em escala mais ampla tem levado a um aumento do sentimento de aversão ao risco, fazendo os mercados entrarem num movimento de risk off. O S&P 500 fechou fevereiro caindo mais de 3%, assim como as bolsas da Europa fecharam o mês também no vermelho.

Apesar de ainda parecer muito cedo para avaliarmos quanto tempo durará o conflito bélico e o alcance das sanções econômicas, alguns impactos já são sabidos, entre eles o de trazer mais pressão aos preços da maioria das commodities, principalmente petróleo, que rompeu a barreira dos US$100/barril, além do gás natural e outras commodities energéticas e metálicas. Isso tem provocado revisões nas projeções inflacionárias no mundo todo, inclusive no Brasil.

Por falar em Brasil, fevereiro deu sequência a um ano positivo para a bolsa brasileira, com o Ibovespa fechando mês e o ano de 2022 com variações de +0,89% e +7,94%, respectivamente. Enquanto o IPCA-15 bateu 10,76% em 12 meses, o maior valor desde 2016, mostrando que a inflação segue pressionada por aqui, o que tem feito diversos analistas revisarem para cima as projeções para Selic no final do ano, que no começo do mês foi elevada a 10,75%.

Ainda no mercado local, o PL dos combustíveis teve votação adiada mais uma vez, enquanto a redução linear de 25% no IPI, com exceção do setor de fumo e de 18,5% no de automóveis, foi publicada no Diário Oficial da União e representa uma perda de arrecadação de quase R$ 19 bilhões para União, Estados e Municípios.

Tudo indica que ainda teremos dias difíceis para os mercados globais, por isso seguiremos agindo com cautela para identificar onde estão os principais riscos e, principalmente, torcendo para que os conflitos armados cessem o mais breve possível.

Onde alocar os recursos nesse cenário?

Nas imagens a seguir confira a alocação por classe de ativo para este mês e a sua evolução histórica:

Alocação Atual

Quer saber em quais ativos investir?

Assine Expert Pass, e veja as nossas recomendações de alocação para a carteira Cautelosa.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.