XP Expert

Carteira Estrategista (Moderado) – Janeiro 2024

O perfil estrategista é pensado para o investidor que está sempre aberto às melhores oportunidades e não tem problema em correr riscos calculados.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A política Estrategista é recomendada para investidores com perfil Moderado, porém com diferentes objetivos: desde aqueles investidores que (i) já compreenderam que a diversificação é o pilar principal de uma alocação, e por isso aceitam um risco equilibrado, (ii) já possuem compreensão sobre as diversas classes e alternativas de investimentos, e preferem uma alocação mais pulverizada em classes e produtos, e (iii) que desejam alocar recursos para médio prazo (48 meses). Com uma dinâmica de alocação moderada, a alocação busca equilibrar segurança, liquidez e rentabilidade através da diversificação.

Saber que o mercado opera em ciclos e que suas diferentes variáveis são complexas demais para uma previsibilidade assertiva pede que a estratégia principal de uma carteira seja a diversificação. A alocação desse portfólio combina um pouco do melhor de cada classe de ativo e busca o equilíbrio dentro das diferentes dinâmicas de rentabilidade. A alocação busca retornos no médio prazo, já que possui exposição a ativos de risco.

Confira carteiras recomendadas para todos os perfis:

Conteúdo exclusivo para clientes XP
A conta XP é gratuita. Abra a sua agora!

Cadastrar

Já é cliente XP? Faça seu login

Invista melhor com as recomendações
e análises exclusivas dos nossos especialistas.

XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

O que vimos do mês anterior

O último mês de 2023 foi marcado pela continuidade do otimismo observado nos mercados globais e domésticos em novembro, na esteira dos passos do banco central americano (Fed). O bom humor da reta final do ano ganhou força especialmente após a última reunião de política monetária da instituição, que trouxe uma mensagem relativamente mais branda, apesar da manutenção dos juros entre 5,25% e 5,50%, conforme o esperado. Além do destaque para o progresso considerável atingido na redução da inflação, os membros do comitê discutiram, pela primeira vez, o momento apropriado para início dos cortes da taxa básica de juros.


Nesse contexto, a curva de juros dos títulos do tesouro americano teve forte queda em seus vértices mais longos: a taxa das Treasuries de 10 anos, uma das principais referências no mercado de renda fixa global, teve queda de mais de 50 bps em dezembro, retornando a patamares abaixo de 3,9% (pouco mais de 2 meses após atingirem 5%). Vale lembrar que, quando as taxas caem, os preços sobem e os títulos se valorizam.


Os índices de renda variável também responderam positivamente a essa dinâmica, com o Nasdaq 100 subindo 6,0% até o dia 27/12 e o S&P500, 4,7%. Na mesma linha, apesar do tom mais duro do BC europeu se comparado ao Fed, tivemos altas nas bolsas europeias, acompanhando o fechamento das curvas de juros locais: o índice Stoxx 600 subia 3,7% até o dia 27/12. Já o índice global MSCI ACWI obteve alta de 4,7% em dezembro, com destaque para o desempenho de 8,3% dos mercados emergentes latino-americanos (medido pelo índice MSCI Emerging Latin America).


Do outro lado do mundo, as ações chinesas continuaram a registar um desempenho inferior ao dos seus pares globais nas últimas semanas, apesar de uma série de dados econômicos positivos e de medidas para dar ao sistema financeiro uma proteção extra contra a desaceleração do crescimento, cortando algumas taxas sobre depósitos.
Enquanto isso, os preços de commodities seguem auxiliando o processo de desinflação global, com o índice CRB em queda de -1,5% no mês, enquanto o petróleo Brent oscilou entre quedas e altas com o aumento das tensões geopolíticas sobre as condições de segurança das embarcações comerciais que operam no Mar Vermelho.


No Brasil, dezembro foi mais um mês de surpresas positivas no campo da atividade econômica, com o PIB do terceiro trimestre registrando praticamente estabilidade frente ao período anterior, porém acima da leve queda esperada por analistas.


Ainda em dezembro, o Copom seguiu seu processo de redução da taxa Selic com um novo corte de 0,5 pontos percentuais, para 11,75% ao ano. No âmbito fiscal, o apagar das luzes de 2023 trouxe relativa melhora na percepção de curto prazo, embora a perspectiva para as contas públicas no longo prazo siga afetando negativamente o risco país. Dezembro contou finalmente com a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024, que manteve a meta de déficit zero para o ano que vem, e com a aprovação final do texto da Reforma Tributária, que simplificará o sistema tributário atual. Além disso, a agência de classificação de riscos S&P elevou o rating soberano do Brasil, deixando com isso a nota de crédito do país dois degraus abaixo do patamar de grau de investimento.


Diante da relativa melhora dos ambientes doméstico, e, especialmente, internacional, os mercados tiveram desempenhos positivos no mês. O Ibovespa tem alta acima de 5,3%, enquanto o IFIX registrou crescimento acima de 3,8%, demonstrando uma performance mais forte dos fundos imobiliários em relação à alta tímida do mês anterior. Na renda fixa, o destaque foi a variação acima de 2,5% do índice IMA-B, que acompanha os preços dos títulos públicos indexados à inflação. Já o dólar cai mais de 2% contra o real no mês, caminhando para encerrar o ano próximo ao patamar de R$4,80.


O ano de 2023 mostrou a dificuldade que até mesmo investidores profissionais têm de acertar o momento exato de entrar ou sair de algum ativo ou classe de ativo. O comportamento dos ativos no ano reforçou como é mais relevante estar investido nas classes de ativos certas e na quantidade correta ao seu apetite a risco. Que lembremos disso por todo 2024 e adiante.

Onde alocar os recursos nesse cenário?

XP Expert

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.