XP Expert

Carteira Destemida (Agressiva) – Dezembro 2022

O perfil destemido é indicado para clientes que estão no topo do perfil agressivo, e que sabe exatamente o que quer: ser sócio das melhores empresas do mundo ao lado dos melhores executivos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A política de investimentos Destemida é recomendada para investidores com perfil Agressivo que já compreenderam o conceito de risco e por isso possuem alto grau de tolerância, e isso serve tanto para aqueles investidores que (i) sabem que para capturar boas oportunidades a volatilidade pode ser uma boa aliada (ii) já possuem compreensão sobre as diversas classes e alternativas de investimentos mas preferem maior exposição a ativos de renda variável, ou para aqueles investidores que (iii) desejam alocar recursos para um prazo maior do que 8 anos e por isso possuem tolerância as volatilidades. Com a dinâmica mais agressiva de alocação, essa carteira busca potencializar o retorno mesmo que isso signifique maior volatilidade no portfólio.

Conteúdo exclusivo para clientes XP
A conta XP é gratuita. Abra a sua agora!

Cadastrar

Já é cliente XP? Faça seu login

Invista melhor com as recomendações
e análises exclusivas dos nossos especialistas.

Acreditar que a volatilidade pode trazer oportunidades exige uma análise dos fundamentos de cada investimento realizado, por esse motivo a alocação destemida não mede esforços para alavancar os riscos, já que abre a mão da liquidez para obter maiores retornos na alocação. A alocação do portfólio busca diversificação geográfica como o pilar principal de retorno, trazendo equilíbrio em diferentes setores e dinâmicas de rentabilidade. A alocação busca retornos no longo prazo, já que possui exposição a ativos de alto risco.

Confira carteiras recomendadas para todos os perfis:

XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

O que vimos do mês anterior

Marcado por ter sido o mês de eleições gerais no Brasil, no qual tivemos o 1º e 2º turnos, outubro foi um mês mais volátil para os ativos de risco brasileiros do que no resto do ano. No 1º  turno, vimos um cenário muito mais apertado do que pesquisas previam para a corrida presidencial, sendo que o 2º  turno confirmou Lula como o próximo presidente do Brasil. Daqui para frente, a volatilidade pode se manter em alta tanto para o mercado de ações, quanto para o câmbio e para a curva de juros, diante de incertezas ainda elevadas sobre o futuro da política econômica, especialmente a gestão fiscal.

Por falar em juros, em outubro o Copom manteve a taxa Selic em 13,75% ao ano pela segunda reunião consecutiva, conforme amplamente esperado. A comunicação pós-reunião também manteve praticamente a mesma sinalização de setembro, indicando que o comitê deve manter as taxas nos níveis atuais (contracionistas) por período suficiente para garantir a convergência da inflação para a trajetória de metas no horizonte relevante (nota-se, 2024). A flexibilização monetária, no entanto, vai depender em boa parte da nova âncora fiscal que precisará ser apresentada pelo novo presidente. Sobre índices de preços, depois de três meses de deflação, a inflação medida pelo IPCA-15 voltou a registrar variação mensal positiva, em 0,16%, o que levou a variação em 12 meses para 6,85%.

Na bolsa, o Ibovespa terminou com variação mensal de +5,5%, enquanto o IDIV fechou em +4,0% e o índice de fundos imobiliários (IFIX) fechou o mês no zero a zero. Já o Dólar à vista teve um mês de desvalorização frente ao Real e terminou a R$ 5,16, uma queda de -4,2% em relação ao mês passado.

Fora do Brasil, os mercados globais também tiveram um mês positivo em meio à temporada de resultados do 3T22 melhor do que o esperado até agora nos EUA, apesar da inflação ao consumidor nos EUA ter vindo mais forte do que o esperado no mês, frustrando as expectativas de uma desaceleração no ritmo de alta de juros pelo Fed. Indicadores de alta frequência apoiam a tese de que as pressões no mercado de trabalho e na alta de preços devem começar a diminuir nos próximos meses, entretanto, esses desenvolvimentos ainda não se refletiram nos dados oficiais. Dada a ênfase na “dependência de dados” das autoridades, o Fed provavelmente será forçado a aumentar as taxas de juros em 75bps pela quarta vez consecutiva em sua reunião logo no início de novembro.

Por lá, as bolsas fecharam fortemente positivas, com Dow Jones, S&P500 e Nasdaq variando +14,0%, +8,0% e +3,9%, respectivamente

Na Europa, destaque para a renúncia da primeira-ministra britânica, Liz Truss, que teve o mandato mais curto da história do país, sendo forçada a sair depois que seu programa econômico minou a reputação de estabilidade econômico e financeira do país. Ela havia prometido cortes de impostos e subsídios à energia financiados por empréstimos, mas em poucas semanas foi forçada a demitir seu ministro das Finanças e abandonar quase todo o programa após os mesmos planos derrubarem a libra e elevarem os custos de empréstimos britânicos e taxas de hipoteca em uma velocidade sem precedentes. Ainda em outubro, a inflação ao consumidor da zona do euro atingiu um novo recorde (10,7% a.a.), refletindo os custos de energia mais altos e uma demanda doméstica ainda sólida, o que contribuiu para que o Banco Central Europeu elevasse mais uma vez sua taxa de juros em 0.75pp, para 2%, sinalizando também que a política monetária continuará apertada.

Por fim, a China concluiu o 20º Congresso do Partido Comunista Chinês, no qual  Xi Jinping garantiu um terceiro mandato inédito como líder do partido, nomeando seus aliados para cargos de liderança e removendo políticos conhecidos por apoiar reformas mais favoráveis ao mercado. Já o PIB chinês se recuperou em um ritmo mais forte do que o esperado no terceiro trimestre, crescendo 3,9% em relação ao ano anterior, superando a previsão de 3,4%, e maior do que o crescimento de 0,4% no segundo trimestre. No entanto, a demanda doméstica diminuiu no final do trimestre, à medida que a política de covid-zero ainda vigente voltou a ganhar força, enquanto o crescimento das exportações desacelerou e o setor imobiliário do país esfriou ainda mais, ainda apontando para uma difícil recuperação da economia chinesa.

Olhando adiante, se já não bastasse a Copa do Mundo, fortes emoções são esperadas nos mercados para o mês de novembro, em um cenário político e econômico ainda marcado por elevada incerteza no Brasil e no mundo. Haja coração!

Onde alocar os recursos nesse cenário?

Nas imagens a seguir confira a alocação por classe de ativo para este mês e a sua evolução histórica:

Alocação Atual

XP Expert

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.