XP Expert

Zeina Latif: Enxurrada de dinheiro do exterior?

Há muita expectativa para o pós-impeachment. Para muitos analistas haverá enxurrada de recursos externos no país, pois há uma combinação excepcional de condições externas – liquidez mundial elevada e taxas de juros em torno de zero mundo afora – e internas – menor risco cambial e taxas de juros muito atrativas. Com o impeachment, o […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Há muita expectativa para o pós-impeachment. Para muitos analistas haverá enxurrada de recursos externos no país, pois há uma combinação excepcional de condições externas – liquidez mundial elevada e taxas de juros em torno de zero mundo afora – e internas – menor risco cambial e taxas de juros muito atrativas. Com o impeachment, o risco de “explosão” da taxa de câmbio se reduziu sensivelmente, diminuindo o risco de perda de capital do investidor estrangeiro. Dessa forma, para muitos, investir no Brasil seria praticamente inevitável. Será mesmo?

São várias as modalidades de fluxo financeiro – títulos do governo e de empresas, empréstimos, bolsa, investimento direto –, com comportamentos diferentes entre si. Alguns são mais sensíveis à atividade econômica, outros também são afetados pelo diferencial de juros. Na soma total, a evidência é que o fluxo financeiro (fluxo total menos o saldo da balança comercial)* é comandado por duas variáveis principais: a confiança do empresário e os preços de commodities, e não pela taxa de juros, ainda que esta ajude a explicar o comportamento de algumas categorias de fluxo, como fundos de investimento e o investimento de residentes no exterior. É provável que o diferencial de juros afete mais a composição do fluxo do que sua magnitude.

Assim, seria exagerada a expectativa de grande influxo financeiro apenas por conta do diferencial de juros interno e externo e o menor risco de saltos na taxa de câmbio. Indicadores de atividade ainda frágeis e preços de commodities relativamente estáveis e em patamares distantes dos recordes passados de 2008 e 2011, quando houve expressivo influxo cambial, tendem a limitar o apetite dos investidores. Será a capacidade do país de retomar, de fato, a confiança e o crescimento econômico que definirá o potencial de influxo cambial. E não o contrário.

Vale também ponderar que houve importante alavancagem de empresas nos últimos anos. O endividamento do setor privado saltou de 8% do PIB em 2012 para 11% no primeiro trimestre de 2016. Incluindo empréstimos diretos intercompanhia, o salto é de 13% para 23% do PIB, totalizando US$420 bilhões de estoque. São mais de US$100 bilhões vencendo este ano e mais de US$70 bilhões em 2017. Ou seja, parte do fluxo será para compensar estes vencimentos.

Uma incógnita é a capacidade do Brasil de se destacar dentro da classe de países emergentes, que vêm se beneficiando recentemente pela menor aversão a risco global. Investidores são seletivos e procuram diferenciar os países, o que significa um ambiente competitivo para atração de capitais. Por um lado, o Brasil tem melhorado sua imagem no exterior, se distanciando de Turquia, por exemplo. Por outro, o provável cenário de lenta retomada do crescimento econômico reduz o potencial de entrada de recursos no Brasil.

Há, no entanto, espaço para atração de capitais no curto prazo em busca de prêmios, até porque pode haver demanda reprimida por investimento no Brasil. Sobre esse ponto, vale mencionar que, pelo estudo econométrico, a partir de 2012 o poder estatístico do indicador de confiança e, em menor grau, do preço de commodities para explicar o comportamento do fluxo cambial se reduziu significativamente, entrando em seu lugar a taxa de juros descontada da variação cambial. O fluxo financeiro despencou com o salto da cotação do dólar nos últimos anos, que tornou negativo o retorno de investir no Brasil. Pelas variáveis confiança do empresário e preço de commodities apenas, a queda no fluxo não teria sido tão acentuada. O valor atual do fluxo financeiro estaria negativo em US$20 bilhões na soma dos últimos 12 meses, e não nos US$53 bilhões observados. Isso significa que há potencial para recuperação de fluxo no curto prazo, principalmente com a percepção de menor risco cambial.

Daí a repetir a década passada são outros quinhentos. Naquele período, o mundo emergente ia muito bem, e o Brasil conseguiu se beneficiar daquele movimento pelo sucesso de sua agenda econômica, que o levou a conquistar o grau de investimento, já perdido. O quadro internacional é muito diferente agora, com o comércio mundial praticamente estagnado, depois de registrar crescimento robusto na década passada. A perspectiva de crescimento doméstico também deixa a desejar.

Enfim, a percepção de volta da normalidade no país poderá acelerar o fluxo financeiro no curto prazo, o que poderá levar o Banco Central a uma maior intervenção no mercado cambial. No entanto, é provável que seja uma janela de curto prazo apenas, e relativamente modesta.

Se confirmado, o fluxo não deve ser encarado como um selo de qualidade da condução da política econômica. Uma postura leniente do governo poderia comprometer o caminho de conquista de confiança ainda em construção.

*Agradeço a Tales Padilha por sua valiosa contribuição na modelagem econométrica.

12 de Agosto de 2016

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.