Recap Semanal (30/11): Repressão financeira: como os governos punem os poupadores

Sua análise semanal de mercado e impactos pelo time da XP Advisory



O termo repressão financeira, cunhado pelo economista de Stanford Ronald McKinnon em 1973, ganhou popularidade na grande crise financeira de 2008 por pesquisas da economista Carmen Reinhart, co-autora com Ken Rogoff do best-seller This Time is Different: Eight Centuries of Financial Folly.

De forma bem resumida, analisando a história econômica os autores afirmam que há cinco maneiras que as nações adotam para lidar com excesso de dívida. Situação exatamente igual à que estamos atravessando atualmente. 

Crescimento econômico, austeridade fiscal, inadimplência/calote, alta inflação ou repressão financeira combinada com inflação moderada. 

Os autores dizem que o calote e a inflação alta são empreendidas em “condições econômicas verdadeiramente desesperadas” e que a austeridade fiscal geralmente leva “a uma recessão econômica, que tende a jogar fora parte do ganho e acaba sendo politicamente inviável”.

A saída apenas via crescimento econômico é rara, sendo necessário um choque de produtividade ocasionado por alguma variável exógena.

Consequentemente, a repressão financeira juntamente com um pouco de inflação, que permite que os governos capturem e mal paguem “os poupadores domésticos”, é o caminho mais fácil e menos árduo. 

A tática, combinada com a inflação moderada, funciona para cortar a dívida por meio de taxas nominais baixas que reduzem os custos do serviço da dívida, taxas de juros reais negativas que corroem a relação dívida/PIB do governo e que, efetivamente, atuam como um imposto sobre os poupadores.

Nesse sentido, os autores mostram que a taxa real negativa que os poupadores obtêm agem como uma transferência de riqueza para os endividados.

Enquanto as taxas baixas servem para transferir capital dos poupadores para os tomadores de empréstimos, tanto governamentais quanto privados, os autores argumentam que a repressão e a inflação são politicamente mais seguras e menos visíveis do que cortes de gastos impopulares ou aumentos de impostos conduzidos na arena política.

Fato importante, que afeta o ambiente de investimento num mundo de repressão financeira com inflação moderadamente mais elevada, é que a transferência de riqueza acontece dos detentores de dívida tanto pública quanto privada para tanto os governos como as empresas endividadas.

É nesse ponto que nasce a grande oportunidade para as empresas e, consequentemente, para os seus acionistas.

As empresas com dívidas também acabam sendo beneficiadas por esse ambiente de juros reais extremamente baixos os negativos. Também existe transferência de riqueza dos seus credores para os seus acionistas. Em função disso, o lugar para se estar é na ponta do acionista, do beneficiário pela transferência de riqueza. Ter alguma dívida nesse ambiente é positivo.

Vivemos num ambiente financeiro favorável ao acionista, onde o rentista tem sua riqueza transferida para as empresas e governos. O pior lugar para se estar é na falsa sensação de segurança da baixa volatilidade da renda fixa. O risco é não correr risco.

Private Investment Team

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.