Resumo Diário de Política 24/01/2020: Fux suspende instituição do juiz de garantias

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

access_time 24/01/2020 - 11:00
format_align_left 3 minutos de leitura

Destaque da agenda hoje é o evento da XP Investimentos com a presença de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, que inicia sua fala às 10h. Caso queira um feedback do nosso time de economia sobre o evento, pedir por este link: http://bit.ly/2Gez5My.

E Campos Neto falou ao Valor ontem. Os destaques saíram ao longo da tarde, mas nela o presidente afirmou que o BC não achava que haveria crescimento intenso e muito rápido, mas que quem faz conta no detalhe está ajustando o crescimento um pouco para baixo e ressaltou que mira um pouco mais no longo prazo. Sobre inflação, disse que o IPCA-15 “foi mais ou menos dentro da expectativa do mercado” e que o choque de carnes “vai se dissipar mais rápido e seguimos tranquilos com as nossas projeções”. Quando questionado sobre juros, fez questão de falar que “alguns elementos inflacionários que obviamente acabam não se incorporando nos núcleos”. (Parte1: https://glo.bo/37lSuak e Parte 2: https://glo.bo/38zr0hy.)

O assunto do dia nos jornais foi a possibilidade de recriação do Ministério da Segurança Pública longe da alçada de Sergio Moro. A Folha diz que a ideia de recriar a pasta foi articulada pelo próprio presidente Jair Bolsonaro, antes da reunião em que a sugestão lhe foi feita formalmente por secretários estaduais da área (http://bit.ly/2RmF8ov). Bolsonaro mesmo admitiu que a medida desagrada Moro.

A indisposição entre Moro e Bolsonaro não é de hoje. Por mais que o presidente por vezes faça gracejos públicos com o ministro, a sequência de episódios envolvendo nomeações para a Receita e a Polícia Federal, no ano passado, e mais recentemente a questão da sanção ao juiz de garantias colocaram presidente e ministro em pontas opostas. A necessidade de Moro justificar episódios controversos do governo, como ocorreu no Roda Viva na segunda, também evidenciavam o constrangimento de Moro.

O ex-juiz já quase não escondia suas pretensões eleitorais. Uma das questões era como trilhar o caminho da saída. Bolsonaro agora oferece uma razão clara, ainda que só vá ser usada mais à frente. Segundo a Folha e o JN, o ministro diz que deixará o cargo se o ministério for recriado (http://bit.ly/36nTXva e https://glo.bo/38C9hWQ). 

Vale lembrar que, segundo nossa pesquisa de opinião pública, Moro sempre ostentou o título de personalidade mais bem avaliada do governo, à frente inclusive de Bolsonaro. No mês passado, ele recebeu nota média de 6,2 contra 5,4 do chefe (http://bit.ly/37mhxda).

O secretário de Fazenda, Waldery Rodrigues, informou ontem que o governo vai propor uma política de correção de salário mínimo, para que haja reajuste apenas pela inflação, sem crescimento real. A medida, que precisa ainda ser formalizada e, depois, votada pelo Congresso, teria validade até o fim do atual governo, em 2022 (http://bit.ly/2NSike3). Haverá pressão no Congresso para alterar a medida e conferir algum ganho real dentro da política, mas a equipe econômica conta com Rodrigo Maia para não deixar ideias do tipo prosperarem.

Curtas: jornais se divertiram com o “imposto do pecado” de Paulo Guedes (https://glo.bo/2tOVIEx), que já estava previsto na reforma tributária; arrecadação fechou 2019 no patamar do período pré-crise (https://glo.bo/2sSG0YC);  ministros do Supremo querem discutir logo em plenário a liminar de Fux que suspendeu o juiz de garantias (http://bit.ly/30RXdhf); parte do centrão se mobiliza para reduzir espaços do PSL na Câmara  (http://bit.ly/36jtteB).

Internacional

O coronavírus continua sendo o foco do palco internacional. O número de mortos na China devido à doença respiratória subiu para 25, e há mais de 1000 suspeitas (https://glo.bo/36iHrNz). Contudo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) considerou ser muito cedo para declarar uma emergência global (https://glo.bo/2uqaKRc).

Hoje é o 389º dia do governo Jair Bolsonaro.

Faltam 254 dias para as eleições municipais.

Faltam 284 dias para as eleições nos EUA.

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Receba resumos diários, semanais e mensais e fique sempre bem informado sobre nossas análises, relatórios e recomendações de investimentos.

Clique para se cadastrar