Resumo Diário de Política 12/07/2019

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

access_time 12/07/2019 - 08:43
format_align_left 3 minutos e 13 segundos de leitura

O dia ontem foi de intensas negociações para votação dos destaques da reforma da previdência. O resultado foi regras mais brandas para policiais (impacto estimado em R$ 5 bilhões), redução no tempo de contribuição e mudanças na pensão por morte (impacto conjunto de R$ 20 bilhões) (http://bit.ly/2XXrFHP; http://bit.ly/2XJ5YXV e http://bit.ly/2XMhKRs). Segundo o Ministério da Economia, a desidratação pode ficar entre R$ 50 bilhões e R$ 60 bilhões. Como o projeto que chegou ao plenário trazia R$ 987,5 bilhões aos cofres públicos, a economia continuaria acima de R$ 900 bilhões (http://bit.ly/2XJ9zoV).

No entanto, o atraso para o início da sessão fez com que os deputados ficassem até as 3 da manhã em plenário e não conseguissem concluir as votações. São 6 destaques que devem ser apreciados hoje (http://bit.ly/2Y3NiGx). Fica em xeque o calendário de Rodrigo Maia, que previa para hoje a reforma aprovada em segundo turno. Assim, volta a crescer a chance de que o plenário da Câmara só conclua a votação da reforma em agosto (ver mais detalhes no Bastidores de Brasília).

Importantes curtas: PSB e PDT estudam expulsar deputados que votaram a favor da reforma da previdência. Foram 11 de 32 no PSB e 8 de 27 no PDT (http://bit.ly/2Y2qeIf); Jair Bolsonaro decidiu indicar o filho Eduardo Bolsonaro, o ‘03’ que hoje deputado federal, para o cardo de embaixador do Brasil nos EUA (http://bit.ly/2XIctKF). Como era de se esperar, as repercussões negativas já começaram (http://bit.ly/2XJrP1B).

Bastidores de Brasília

Há uma divisão nos partidos de centro entre aqueles líderes que já consideram quase uma realidade a votação do segundo turno da reforma da Previdência em agosto e os que se empenham para que ela se encerre até a próxima semana. É preciso dizer que essa chance, que na manhã de ontem parecia distante, de fato está mais perto. A tendência é que o quórum esteja mais reduzido.

Alguns deputados discutiam no fim da sessão na madrugada de ontem para hoje qual seria a melhor alternativa. Um líder do centro defendia encerrar os destaques hoje e enviar a PEC para a comissão especial. Rodrigo Maia chamaria então para segunda-feira uma sessão para votação da proposta em segundo turno. O cronograma não agradou aos parlamentares, que se mostraram dispostos a ir ainda hoje para suas cidades.

Aliados do presidente da Câmara se preocupam em adiar a votação para agosto. Acham que a volta às bases por duas semanas poderia contaminar o ambiente e prejudicar o placar. Integrantes do Ministério da Economia também não querem esse risco. Por isso, defendem que Maia chame sessão já para segunda-feira, se for o caso. Se não conseguir, terça, quarta e assim em diante.

A agenda deste 12 de julho

A Câmara retoma sessão para analisar destaques da PEC da reforma da Previdência. Será importante observar a capacidade dos líderes de mobilizar suas bancadas em uma sexta-feira. A tendência é que a Casa encerre a apreciação dos destaques.

O presidente Jair Bolsonaro recebe o presidente da Conamp, Victor Hugo Palmeiro de Azevedo Neto, acompanhado do ministro da Secretaria Geral, Jorge Antonio de Oliveira Francisco, às 10h.

  • Hoje é o 193º dia do governo Jair Bolsonaro.
  • Faz 142 dias que Jair Bolsonaro entregou projeto da previdência à Câmara.

XP Política

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.