Resumo Diário de Política 10/07/2019

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

access_time 10/07/2019 - 09:52
format_align_left 4 minutos e 8 segundos de leitura

Surgiram ontem os primeiros placares na sessão de ontem da Câmara dos deputados que discutia a reforma da previdência. Com feriado apenas em São Paulo, os parlamentares rejeitaram requerimento da oposição por 331 a 117 no início da noite e já na madrugada aprovaram o encerramento da discussão por 353 a 118. São necessários 308 votos para aprovar a reforma da previdência. Os placares surgiram após a oposição rejeitar acordo que permitiria o alongamento das discussões por achar que Maia e o governo ainda não haviam arregimentado os votos necessários para vencer a obstrução e votar a reforma (http://bit.ly/2XDZxdC e http://bit.ly/2XBRDBA).

Rodrigo Maia convocou sessão para hoje às 9h mas os procedimentos devem começar a avançar apenas por volta de 11h. O presidente da Casa acredita que os dois turnos podem ser vencidos ainda nessa semana (http://bit.ly/2XIqTzr), mas o calendário pode ser mais elástico [ver detalhes no Bastidores de Brasília].

E como nada acontece por acaso em Brasília, ficou claro nos últimos dias que o governo abriu a carteira, como escrevemos em detalhe ontem, e promete mais (http://bit.ly/2XH6Z7W e http://bit.ly/2XzYR8U). Na contramão da melhora do ambiente, o presidente continua a defender regras mais brandas para policiais (http://bit.ly/2XH75fO). 

Reforma tributária: Senado decidiu abraçar a proposta do ex-deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) no mesmo dia em que a Câmara aprovou a criação da comissão especial para debater o projeto que tem como base a proposta de Bernard Appy. É a disputa pelo protagonismo pós reforma da previdência (http://bit.ly/2XDjpgI e http://bit.ly/2XEf0dy).

E o site Intercept soltou o primeiro áudio do material obtido ilegalmente dos celulares de procuradores da Lava Jato (http://bit.ly/2XCTOVl). Nada que tenha alterado significativamente o impacto político em relação ao material já vazado até agora.

Bastidores de Brasília

A sessão para votar a reforma da Previdência, marcada para as 9h, deve começar, na prática, por volta das 11h. Rodrigo Maia ainda deixará alguns deputados debaterem a proposta antes de dar seguimento aos requerimentos.

Um líder com quem falamos ontem no fim da noite disse que terão de ser votados requerimentos de adiamento de votação (de 1 a 5 sessões), de votação em globo da admissibilidade dos destaques individuais (devem ser rejeitados de uma só vez). Somente depois disso entram no texto-base da reforma, já durante a tarde.

Com uma base de votos já demonstrada com as votações de ontem, deputados esperam que a votação dos destaques se dê na quinta-feira. No mesmo dia, a PEC precisa retornar à comissão especial para uma sessão que chancela o texto vindo do plenário –o que deve durar cerca de 5 horas. Na sexta, a proposta estaria de volta para votação da quebra de interstício e do 2º turno da PEC.

É preciso ressaltar um ponto sobre a votação de ontem: alguns deputados que foram contrários à retirada de pauta (foram 331, no total) não são votos favoráveis à reforma. É o exemplo de Paulinho da Força (SD-SP). Julio Delgado e JHC também não são garantidos, já que o PSB tem pressionado para mudar seus votos. Ao mesmo tempo, PP teve um alto número de ausentes na noite de ontem –o que espera-se que não repita na votação da reforma.

A agenda deste 10 de julho

Como já dito, a Câmara deve votar o texto-base da reforma da Previdência, o que simboliza uma vitória para Rodrigo Maia e líderes da maioria.

O presidente Jair Bolsonaro vai à Câmara, mas não para a votação da reforma: ele participa de cerimônia de encerramento do semestre da Frente Parlamentar Evangélica, às 8h45. Rodrigo Maia o acompanha.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, recebe, às 14h30, o economista Bernard Appy, idealizador da reforma tributária em andamento na Câmara, acompanhado de líderes. O encontro se dá no momento em que senadores decidiram apresentar uma outra proposta de reforma tributária, fundamentada no texto do ex-deputado Luiz Carlos Hauly.

  • Hoje é o 191º dia do governo Jair Bolsonaro.
  • Faz 140 dias que Jair Bolsonaro entregou projeto da previdência à Câmara.
  • Placar Valor/Atlas – Favor (140)[+7]; Apoio parcial (119); Indefinidos (111)[-7]; Contra (143).
  • Placar Estadão – Favor (72); Apoio parcial (123); Indefinidos (201); Contra (117).

XP Política

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.