Resumo Diário de Política 09/09/2019: Quinta cirurgia de Jair Bolsonaro é bem-sucedida

Leitura crítica das principais notícias do dia sobre política, com resultados de apurações em Brasília e pesquisas do time de Análise Política, antes da abertura do mercado.

access_time 09/09/2019 - 09:00
format_align_left 3 minutos de leitura

Jair Bolsonaro realizou cirurgia programada neste domingo, a quinta em decorrência da facada durante a campanha eleitoral. Segundo boletim médico, o procedimento foi um sucesso e o presidente deve reassumir a presidência na quinta-feira, quando começará a despachar ainda do hospital (http://bit.ly/2N3cXdu e http://bit.ly/2N56tLc).

Em entrevista, Paulo Guedes voltou a defender o teto de gastos e disse que a prioridade após previdência será a PEC do pacto federativo, que incluirá a proposta do governo para reforma tributária. O ministro ainda tratou de privatizações, BNDES e saneamento. Vale ler a íntegra: parte 1: http://bit.ly/2N5DPcG e parte 2: http://bit.ly/2N5D0Az.

O governo ainda busca maneiras de liberar o orçamento 2020 de despesas obrigatórias. Nova medida em estudo é repassar a estados e municípios R$ 9,3 bi provenientes do salário-educação que hoje ficam com a União. Simultaneamente, estados e municípios assumiriam responsabilidades do governo federal no setor (http://bit.ly/2N5CouQ). Até agora havia sido aventado apenas o fim da multa de 10% adicional sobre o FGTS, que retiraria R$ 5,6 bi do orçamento.

Já que entramos na seara da economia, a PEC 423/18, do deputado Pedro Paulo ganhou relatório favorável na CCJ da Câmara e trata da regra de ouro e despesas obrigatórias. O texto pode criar uma saída honrosa para o engessamento do orçamento. Seriam adotadas medidas para conter gastos obrigatórios e antecipados os gatilhos do teto. Pelos cálculos iniciais a economia em 2020 pode superar R$ 40 bi: R$ 8 bi com corte de horas trabalhadas (e salário) de servidores + R$ 16,6 bi com a suspensão do pagamento do abono salarial + R$ 16,5 bi da proibição de reajuste para servidores, suspensão de concursos, além da proibição de novos gastos obrigatórios. Do lado da arrecadação, o corte de 10% de todos benefícios fiscais significaria R$ 15 bi a mais para o Tesouro. E o Sistema S pode perder 20% dos recursos, acrescentando mais R$ 4 bi nessa conta (https://glo.bo/2N5DEy4 e http://bit.ly/2N7l0pA)

Segundo reportagem do Globo que trata da retaliação do governo a deputados infiéis, o Secretaria-Geral de Governo, Luiz Eduardo Ramos, teria externado a parlamentares intenção de “desmontar o centrão” (https://glo.bo/2Nd1SGX). Se existir a intenção, não é algo se se deva falar, muito menos a parlamentares. E não custa lembrar que Dilma foi a última a tentar essa ideia brilhante.

Curtas: A escolha de Aras para PGR conseguiu unir esquerda e direita na internet contra Bolsonaro. Sob pressão digital, o presidente pediu que seguidores apaguem críticas a ele e afirmou: “A gente não pode focar apenas em corrupção, essa função é muita coisa. É questão ambiental, direitos humanos, minoria, direitos humanos de cidadão de bem… tem a ver indiretamente também com economia muita coisa” (https://glo.bo/2N4KzYo e https://glo.bo/2Nd3IYn). Ele precisa ler um pouco das pesquisas que tanto desgosta para entender que o combate à corrupção é ponto muito importante para seu eleitorado; O PSL quer o irmão de Davi Alcolumbre para a disputa da prefeitura de Macapá (http://bit.ly/2kq1Hey) e, no mesmo link, deputados do RJ estão em polvorosa por não conseguir indicar cargos no estado. A reclamação é que só Flávio Bolsonaro conseguiu apontar aliados em hospitais federais. É nova política.

Em tempo, Lula conversou por 1h58m com Mino Carta e Sergio Lirio, da Carta capital. Segue o link para o vídeo completo: http://bit.ly/2UMdb9Y. Quem chegar até o final, favor enviar um resumo.

  • Hoje é o 252º dia do governo Jair Bolsonaro.
  • A reforma da Previdência está há 32 dias no Senado.
  • Faltam 391 dias para as eleições municipais.
  • Faltam 421 dias para as eleições nos EUA.

XP Política

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “Companhia”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins da Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018. As opiniões, projeções e estimativas aqui contidas são meramente indicativas da opinião do autor na data da divulgação do documento sendo obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis e estando sujeitas a mudanças a qualquer momento sem necessidade de aviso ou comunicado prévio. A Companhia não apoia ou se opõe contra qualquer partido político, campanha política, candidatos ou funcionários públicos. Sendo assim, XP Investimentos não está autorizada a doar fundos, propriedades ou quaisquer recursos para partidos ou candidatos políticos e tampouco fará reembolsos para acionistas, diretores, executivos e empregados com relação a contribuições ou gastos neste sentido. XP Investimentos e suas afiliadas, controladoras, acionistas, diretores, executivos e empregados não serão responsáveis (individualmente e/ou conjuntamente) por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos.

Para os casos em que se usa o IPESPE:

Por fim mas não menos importante, a XP Investimentos não tem nenhuma conexão ou preferência com nenhum dos candidatos ou partidos políticos apresentados no presente documento e se limita a apresentar a análise independente coletada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, políticas e econômicas (IPESPE) que se encontra devidamente registrado conforme a legislação brasileira.