Disney, Nike e Comcast: quando a economia antiga encontra a nova

Conheça três empresas com presença global, visão de longo prazo e sólido histórico de lucratividade, inovação e competitividade


Compartilhar:


O que a Disney, Nike e Comcast tem em comum? Além de estarem presentes nos segmentos de entretenimento, esportes e parques de diversões, são empresas de qualidade e que tem adotado cada vez mais a tecnologia como motor de seus negócios. Essas empresas estão na intersecção entre a economia “antiga” (setores tradicionais) e a nova (tecnologia) e, com DNA de inovação, tem feito proativamente um trabalho que hoje em dia é fundamental: adaptação aos novos tempos.

Após a forte recuperação da bolsa americana, puxada principalmente pelas empresas de tecnologia (FAAMGs: Facebook, Apple, Amazon, Microsoft e Google) alguns setores ficaram para trás. Em toda crise existem oportunidades e dessa vez não é diferente. É possível identificar empresas de qualidade, com boas perspectivas de longo prazo, e que tiveram seus preços descontados durante a crise.

Sabemos que, além de uma marca forte, a capacidade de execução, inovação e saúde do balanço também são fatores essenciais para a sustentabilidade do crescimento e dos lucros no longo prazo. Conheça, abaixo, 3 destaques.

Disney: quase 100 anos de inovação

Com mais de 96 anos de história, iniciou suas atividades no segmento de estúdio e entretenimento, desenvolvendo conteúdo de filmes e músicas para diversos públicos. A empresa atua nos segmentos de TV por assinatura (35% das receitas), parques de diversão e hotéis (37%), estúdio e entretenimento (15%) e venda de produtos com a marca Disney (13%).

Apesar de parques parados, a companhia continua bem posicionada estruturalmente e com vantagens competitivas de longo prazo intactas. O forte nome, combinado com a produção de animações num mundo onde pessoas consomem cada vez mais conteúdo digital, devem ser uma fórmula poderosa para a companhia gerar valor e lucro no longo prazo. Além disso, a recente reabertura parcial do parque de diversões em Shanghai passa um sinal otimista para o mercado em relação à retomada das operações.

Como uma empresa de quase 100 anos continua crescendo e se destacando? Resposta: inovação. O recente lançamento do Disney+ (serviço de streaming que oferece conteúdo da Disney, Marvel, Lucasfilm, Pixar e National Geographic) por US$ 7 mensais contra US$ 13 do Netflix é um exemplo disso. Além da aquisição do Hulu e assinaturas ESPN+.

Também é interessante notar a penetração de um serviço recém lançado em um público tão relevante. Quase 30% do mercado alvo existente nos EUA já assina Disney+ e 37% Hulu.

Nike: um exemplo de transição para o comércio eletrônico

Marca global especializada em design, desenvolvimento e comercialização de calçados, roupas, e outros acessórios esportivos com presença global. 96% das receitas são representadas pela venda de calçados (marcas Nike e Converse) e roupas, enquanto a presença global é perceptível com quase 60% das vendas acontecendo fora da América do Norte (AN).

Hoje, a produção de sapatos da companhia não é mais tão dependente da China (23%), pois migrou boa parte para o Vietnam (49%), o que a protege de tensões comerciais entre EUA e China e diminui riscos de trabalho irregular.

A empresa está bem posicionada frente aos competidores, onde uma marca forte combinada com uma estratégia disruptiva de vendas digitais sustentam o crescimento, inclusive com expansão de margens dada a diluição de custos e maior lucratividade (alavancagem operacional).

Este crescimento continuará a vir de diversas regiões onde atua e de diferentes produtos, considerando os benefícios de escala na distribuição global, ao mesmo tempo em que as vendas via o canal direto Nike.com (B2C – fidelização via vendas diretas a consumidores) vem ganhando espaço (cresce 35% ao ano). O grupo pretende tornar o canal direto responsável por 50% das receitas até 2023, sendo que atualmente responde por 31%, o que impulsionará as margens.

As vendas no mercado Chinês, 10% de penetração, são chave para a manutenção do crescimento, e o foco em iniciativas digitais, produtos de maior qualidade frente marcas locais e lojas monomarca tem sido fundamentais para o fortalecimento da marca e poder de precificação. Além do cenário construtivo no mundo dos esportes, outros fatores podem ajudar a gerar crescimento adicional, como o aumento do poder de compra de consumidores mais jovens, sobretudo na China, e maior penetração no segmento premium de vestuário e itens femininos em diversas regiões.

Comcast: uma história de substituição de TV por internet

Comcast é um grupo que engloba fornecimento de internet banda larga, mídia e entretenimento, com presença global. O modelo de negócios da Comcast é dividido em 3 segmentos.

1) Xfinity: produto de conectividade e entretenimento, oferece assinatura de internet de alta velocidade, TV, conexão mobile, Wi-Fi, e plataforma de streaming.

2) NBCUniversal é o setor que abrange os parques temáticos e resorts da Universal e as receitas de distribuição de filmes e séries. Incluem-se também as receitas com propaganda nos canais da empresa, como o CNBC e transmissões esportivas.

3) Sky, uma das líderes europeias de mídia e entretenimento com 24 milhões de clientes.

A companhia está bem posicionada para se beneficiar de expansão de receitas com custos controlados, principalmente no setor de internet e banda larga, dado que já tem toda uma infraestrutura construída e é um negócio altamente escalável.

Mesmo que a tendência de enfraquecimento da TV tradicional se acelere (o que significa perda em partes dos negócios da empresa), a Comcast estaria bem posicionada, por outro lado, para fornecer internet de alta velocidade e dessa forma participar das mudanças nas preferências de consumo que estão em curso.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM