🌎 Mundo em 60 segundos: Apostar no curto ou no longo prazo?

Panorama semanal, análises de cenário internacional e ações globais


Compartilhar:


Semana marcada por atividade econômica em recuperação: PMI na Europa em 48 (antes 32) e nos EUA em 47 (antes 37), além de pedidos de auxílio desemprego mais estáveis em 1,5 milhão. Na China, atividade de construção e manufatura já se recupera para ~95% dos níveis de 2019 (caiu 50% no auge da crise). No entanto, bolsas globais derraparam com preocupação sobre “onda 2” de contágio dos EUA (mesmo com redução da mortalidade), e com imposição de novas tarifas comerciaisem US$ 3,1bi de produtos europeus pelos EUA. Aliviando as preocupações, Dexametasona surge como possibilidade de reduzir em 30% a fatalidade, e Dr. Fauci acredita em vacina no final de 2020.

Olhando para os setores, o petrolífero continua sendo destaque negativo e cai –39% no ano, em linha com os preços historicamente baixos da commodity, seguido pelo setor financeiro (-27% no ano) que agora foi proibido pelo Fed de aumentar distribuição de dividendos e realizar recompras. Tecnologia continua sustentando a alta e fazendo com que a proporção da capitalização de mercado do Nasdaq 100 (que sobe +13% no ano) em relação ao S&P 500 (-7%) chegue na máxima histórica registrada antes da Bolha Ponto-Com.

Do lado das empresas, continuamos presenciando a integração com a tecnologia: Walmart pode conectar 120 milhões de consumidores com mais de 1 milhão de pequenos e médios comerciantes cadastrados na plataforma do Shopify. Não só no varejo:setor automotivo passa por “Teslarização” dos veículos com parceria entre a Mercedes-Benz e NVIDIA para capturar um mercado de computação automobilística avaliado em US$ 5bi e potencial para atender 100 milhões de carros e atingir US$ 700bi. Na China, a NIO (similar à Tesla) sobe 200% desde o começo de abril, pretender entregar 10 mil SUVs elétricos no segundo semestre e já é negociada na bolsa americana. Qual será a próxima etapa? Se depender da Tesla, enviar carros para o espaço.

A recuperação da economia é real: Nos EUA, venda de veículos em maio subiu 50% para 12,6 milhões, fazendo com que analistas revisassem positivamente preço alvo da Tesla (+124% no ano), Ferrari (+1%) e Ford (-38%). Na China, mega evento de compras ‘6.18’ estimula consumo e faz volume de transações da Alibaba crescer 50% vs 2019. No mesmo evento, Apple, que já vale US$ 1,5tri, faturou US$ 70 milhões em apenas 5 horas, e guia a inovação com anúncio do iOS14 e números monumentais: 1 bilhão de aparelhos com AppleTV instalada, 25 bilhões de perguntas para Siri por mês e Safari50% mais veloz que Chrome.

Mas se a recuperação é real, por que a economia antiga (Europa -14% no ano) tem desempenho inferior à economia nova (Nasdaq +13% no ano)? 1) Lucros menores: Desde o último pico (pré-crise de 2008), o lucro por ação das empresas europeias caiu 34% enquanto o das empresas de tecnologia da Nasdaq subiu 370%. 2) Altos impostos: Aumento de regulações na Europa afetou 30% das empresas do índice (principalmente financeiras, utilidades públicas e telecoms), enquanto os cortes de impostos nos EUA desde 1990 aumentaram as margens de lucro de ¼ das empresas do S&P 500 em ~4%.

Empresas de valor descontado tiveram desempenho inferior às de crescimento (principalmente tech) não só desde o começo do ano com a Coronacrise, mas também nos últimos 12 anos. Dito isto, o cenário daqui para frente ainda é favorável às empresas de tecnologia como as FAAMGs (Facebook, Apple, Amazon Microsoft e Google) ou será a vez da economia antiga?

Nem tudo é positivo, riscos regulatórios e agências antitrustes ameaçam as gigantes de tecnologia, principalmente na Europa. Mesmo assim, em 2020, as empresas de valor descontado deverão registrar lucros ~40% menores enquanto as de crescimento deverão perder apenas ~13%. No longo prazo, a digitalização, acelerada pelo confinamento, tende a continuar beneficiando as empresas tech, com maior desenvolvimento e utilização de nuvem (Amazon), inteligência artificial (Google), veículos elétricos e computadorizados (Tesla), processamento (NVIDIA), comércio digital (Alibaba) e trabalho remoto (Microsoft). E quem será a próxima gigante? É a pergunta da década.

Bom fim de semana!

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM