x
Guia de Investimentos

Onde Investir – Novembro de 2019

O relatório de alocação da XP Investimentos é um relatório mensal, que ajuda o investidor a atualizar o seu portfólio de investimentos levando em consideração os cenários político-econômico nacional e internacional, tomando suas decisões de acordo com o seu perfil de investimento.

Principais fatos que influenciaram os investimentos

Nossa visão de longo prazo: 5 anos em 5 minutos

Ler relatório íntegra
Nossa visão de longo prazo: 5 anos em 5 minutos

Veja nossas carteiras recomendadas

Veja nossas carteiras recomendadas

Aplicando na economia real: Investimentos Alternativos

Ler relatório íntegra
Aplicando na economia real: Investimentos Alternativos

Entenda nossa visão de longo prazo para o Brasil e para o mundo, que serve como bússola na construção da carteira ideal para cada perfil de investidor.

Aqui comparamos 3 cenários para o Brasil e como eles afetam os retornos de cada uma das classes de ativos que temos nos portfólios.

Entenda os fundos e as estratégias que investem na economia real para buscar ganhos maiores a longo prazo.

Guia de investimentos

Outubro foi um mês positivo para as bolsas ao redor do mundo, com a aversão a risco caindo especialmente a partir da metade do mês, dada a nova tentativa de acordo comercial entre Estados Unidos e China. No último dia do mês houve reversão parcial desses ganhos, após os chineses declararem que qualquer acordo teria pequena magnitude. O Dólar se desvalorizou 2% contra a cesta de moedas de países desenvolvidos, e em menor intensidade contra a de países emergentes. O Real foi destaque, apreciando-se 3% contra a moeda americana. Com os papéis de 10 anos dos Estados Unidos estáveis ao longo do mês, o ouro subiu quase 3%.

No Brasil a Reforma da Previdência foi finalmente aprovada, com uma economia prevista de R$ 800 bilhões ao longo dos próximos 10 anos. Os principais ativos beneficiados foram as NTN-Bs, títulos do Tesouro atrelados ao IPCA, com o IMA-B em alta de mais de 3,5%.

Nossa visão acerca da política monetária foi alterada: entendemos que o Banco Central reduzirá a Taxa Selic até 4,25% ao ano (antes 4,5%), o que deve ocorrer até fevereiro, ficando estável nesse nível até o fim de 2020. Os preços de mercado ao final do mês indicavam cenário levemente diferente, com a Selic em 4,5% na média de 2020.

Última atualização: 1 de novembro de 2019