Guia de Investimentos

Entenda a nossa visão e saiba como investir durante o mês de setembro.

Classes Conservador Moderado Agressivo
Renda Fixa | Pós-Fixado 84,50% 25,00% 5,00%
Augme 45 Advisory FIC FIM CP
Ler Análise Investir
Resgate em D+45 | Mínimo R$ 5.000,00 | Fundo composto principalmente, por ativos de crédito privado emitidos no Brasil, podendo operar os emitidos no exterior também. Alem disso é composto por ativos bancários e títulos públicos.
Capitânia Prev Advisory XP Seg FI RF CP Conservador RF FIC FI
Ler Análise
Resgate em D+3 | Mínimo R$ 10.000,00 | O fundo aloca em torno de metade do seu patrimônio em debêntures, CRIs, FIDCs e Fundos Imobiliários. A outra parcela é alocada em títulos públicos e CDBs. Por ser um veículo previdenciário, indicamos um horizonte mínimo de 5 anos no regime regressivo.
CDB Banco Omni
Ler Análise Investir
Prazo: 3 anos | A Omni foi fundada em 1994, tendo iniciado suas atividades com o financiamento de veículos usados. Hoje, oferece também crédito pessoal, cartão de crédito e financiamento de móveis e utensílios domésticos em lojas e plataformas digitais
CRA São Martinho
Ler Análise Investir
Vencimento em Abr/2026 | Isento de IR para Pessoa Física | A São Martinho é um dos maiores players de açúcar e etanol do Brasil. Atua na compra, cultivo, colheita e processamento da principal matéria prima usada na produção de açúcar e álcool. A companhia é listada na B3 no segmento do “Novo Mercado”.
Gama Top FIC FIRF CP LP
Ler Análise Investir
Resgate em D+15 | Mínimo R$ 3.000,00 | O fundo apresenta um mandato de crédito privado, investindo em títulos públicos e privados, como debêntures, papéis bancários e produtos estruturados (FIDCs e CRIs), resultando em uma carteira pulverizada e de perfil conservador.
Journey Capital Expedition Advisory FICFIRF CP
Ler Análise Investir
Resgate em D+1 | Mínimo R$ 500,00 | Fundo composto principalmente por ativos de crédito privado, emissões bancárias e títulos públicos. Apesar do histórico recente, os gestores têm em mais de 20 anos de mercado.
Selection Debêntures Incentivadas Hedge FIC FIRF CP
Ler Análise Investir
Resgate em D+32 | Mínimo R$ 500,00 | Isento de IR para Pessoa Física | Fundo que busca investir nos melhores fundos de debêntures incentivadas disponíveis no mercado, através de uma carteira diversificada e balanceada e atrelada ao CDI, isto é, é um fundo com proteção ao risco de mercado.
Selection FIC FI Renda Fixa CP LP
Ler Análise Investir
Resgate em D+12 | Mínimo R$ 500,00 | Fundo que busca investir nos melhores fundos de Renda Fixa disponíveis no mercado, através de uma carteira diversificada e balanceada. Entre as estratégias elegíveis, estão fundos de crédito que podem carregar títulos de risco conservador a arrojado.
XP Referenciado FI Referenciado DI CP
Ler Análise Investir
Resgate em D+0 | Mínimo R$ 500,00 | Fundo conservador, busca seguir o retorno do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) a partir do investimento em títulos públicos e de crédito privado.
Renda Fixa | Inflação 10,00% 15,00% 15,00%
CDB Banco BMG
Ler Análise Investir
Prazo: 5 anos | Banco com atuação em: Crédito Corporativo (empréstimos, garantias concedidas e fianças, operações de adiantamento de contrato de câmbio e títulos privados), Estruturação, Private Banking e Tesouraria (gerenciamento de caixa e instrumentos de Hedge).
CRA Raizen
Ler Análise Investir
Vencimento em Jul/2029 | Isento de IR para Pessoa Física | o Grupo Raízen, criado em 2011 através de joint-venture entre a Cosan (50%) e a Shell Brasil (50%), é considerado o maior grupo de combustível integrado do mundo , atuando desde a produção de cana-de-açúcar até a distribuição de combustíveis.
Debênture Equatorial Transmissora
Ler Análise Investir
Vencimento em Abr/2039 | Isento de IR para Pessoa Física | A Equatorial Energia, AA+ pela S&P, atua como uma holding integrada do setor elétrico, presente nos segmentos de geração, transmissão, distribuição e comercialização de energia.
Renda Fixa | Pré Fixado 3,00% 5,00% 7,50%
CDB NBC
Ler Análise Investir
Prazo: 2 anos | Atua principalmente na região sul do país onde possui presença física por meio de sua matriz e agências. Seu foco é na concessão de crédito a médias e pequenas empresas da região, oferecendo soluções de capital de giro, câmbio e investimentos.
CDB Banco BMG
Ler Análise Investir
Prazo: 2,5 anos | Banco com atuação em: Crédito Corporativo (empréstimos, garantias concedidas e fianças, operações de adiantamento de contrato de câmbio e títulos privados), Estruturação, Private Banking e Tesouraria (gerenciamento de caixa e instrumentos de Hedge).
CDB C6 Bank
Ler Análise Investir
Prazo: 3 anos | O C6 Bank é um banco que já nasce com a sua identidade 100% digital. É focado em crédito para pequenas e médias empresas, meios de pagamento e cartão de crédito para pessoas físicas. Possui como fundadores executivos com vasta experiência no setor bancário.
Internacional 2,50% 7,50% 10,00%
COE MS Morgan Stanley Global Opportunity Retorno Excedente
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 5.000,00 | COE MS Morgan Stanley Global Opportunity. A rentabilidade deste ativo é resultado da diferença entre os retornos do fundo de renda variável Morgan Stanley Global Opportunities e o índice MSCI All Country Word. Foi estruturado dessa forma para que pudéssemos buscar bons retornos mesmo em um ambiente negativo para ações globais.
PIMCO Income FIC FIM IE
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 25.000,00 | Investidor Qualificado | É um fundo multimercado internacional que aloca seus recursos em uma carteira bastante pulverizada de Crédito de emissores espalhados pelas principais regiões do mundo, mas com maior peso para emissões dos Estados Unidos.
Multimercado - 30,00% 35,00%
Absolute Vertex Advisory FIC FIM
Ler Análise Investir
Macro Alta Volatilidade | Mínimo R$ 10.000,00 | O fundo é composto principalmente por aplicações em juros, câmbio e ações no brasil e exterior. Através de operações direcionais e de valor relativo, busca oportunidades com risco-retorno positivamente assimétricos.
Adam Icatu Prev FIC FIM
Ler Análise Investir
Macro Alta Volatilidade | Mínimo R$ 5.000,00 | O fundo é composto principalmente por operações de juros, câmbio e ações no Brasil, mas pode ter também uma parcela dessas operações em outros países. Por ser um veículo previdenciário, indicamos um horizonte mínimo de 5 anos no regime regressivo.
Giant Sigma Advisory FIC FIM
Ler Análise Investir
Outros | Mínimo R$ 5.000,00 | O fundo busca capturar o prêmio de risco de ativos de bolsa, juros, câmbio e commodities no mundo inteiro, utilizando metodologia proprietária de otimização. A estratégia altamente diversificada busca retorno independentemente do cenário.
Occam Retorno Absoluto FIC FIM
Ler Análise Investir
Outros | Mínimo R$ 10.000,00 | O fundo é composto principalmente por posições de valor relativo em ações, além de conter operações macro, como em juros, índices de ações e moedas, nos mercados doméstico e internacional. Com essa estratégia, tem menor correlação com os demais multimercados.
Persevera Compass Advisory FIC FIM
Ler Análise Investir
Macro Alta Volatilidade | Mínimo R$ 10.000,00 | É um fundo multiestratégia, pois seu resultado é a soma da performance de diferentes gestores que operam juros, moedas, ações, arbitragem de risco e volatilidade, Commodites e Inflação.
Selection Multimercado FIC FIM
Ler Análise Investir
Macro Média Volatilidade | Mínimo R$ 500,00 | Fundo que busca investir nos melhores fundos multimercados disponíveis no mercado, através de uma carteira diversificada e balanceada. Entre as estratégias elegíveis para o portfólio, estão os fundos do tipo “Macro”, “Long Short”, “Quantitativos” e Investimento no Exterior, dentre outros.
Verde AM Scena Advisory XP Seg FIC FIM
Ler Análise
Macro Média Volatilidade | Mínimo R$ 5.000,00 | Sua estratégia de investimentos é muito similar ao fundo Verde AM Scena FIC FIM, mas por ser um veículo previdenciário, em um regime regressivo, no longo prazo, há alta probabilidade de entregar uma rentabilidade superior.
Visia Darius FIC FIM
Ler Análise Investir
Macro Alta Volatilidade | Mínimo R$ 5.000,00 | O fundo opera ativos das classes de juros, ações, moedas e commodities, no mercado doméstico e internacional. As metodologias quantitativas aplicadas são Trend - Following, Machine Learning, Reversão à Média, entre outros. Vale destacar a baixa correlação do fundo e uma característica de performar em diversos cenários.
XP Macro FIM
Ler Análise Investir
Macro Média Volatilidade | Mínimo R$ 10.000,00 | O fundo é composto principalmente por operações nos mercados de juros, câmbio e ações, tanto no Brasil quanto no exterior. O XP Macro apresenta também uma carteira com posições de valor relativo em ações, parcela importante de diversificação.
Renda Variável - 17,50% 27,50%
Brasil Capital 30 FIC FIA
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 10.000,00 | Fundo é composto principalmente por ações brasileiras, com horizonte de investimento no longo prazo e foco em empresas com qualidade de gestão e modelo de negócios com vantagens competitivas, selecionadas a partir da análise fundamentalista.
Safari 45 FIC FIM II
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 5.000,00 | Fundo investe principalmente em ações brasileiras a partir de análise fundamentalista, considerando também os ciclos econômicos do país. O Safari 45 é composto tanto por ações com horizonte de longo prazo, quanto por posições mais táticas, como forma de proteção.
Távola Absoluto FIM
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 10.000,00 | Fundo aplica apenas no mercado brasileiro de renda variável sendo composto por duas carteiras: uma comprada e a outra vendida em ações. A segunda visa gerar retorno com aqueda das ações.
Top 10 Ações Recomendadas XP
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 55.000,00 | É composto por 10 ações que o time de análise de renda variável da XP acredita que, em conjunto, possam performar acima da Ibovespa no horizonte de médio prazo.
Tork FIC FIA
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 5.000,00 | Fundo investe principalmente em ações brasileiras através da abordagem fundamentalista, mas eventualmente poderá ter posições para proteção da carteira fora do mercado de ações, como moedas.
Moat Capital FIC FIA
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 20.000 | Composto principalmente por ações brasileiras, selecionadas através de uma análise predominantemente fundamentalista micro, em que as operações das empresas são mais relevantes que os ciclos macroeconômicos. Por ter mais volatilidade, recomendamos para um perfil mais agressivo.
Sharp Long Biased Advisory FIC FIA
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 50.000,00 | O fundo apresenta a estratégia de renda variável long biased, resultado da combinação da estratégia long only da gestora (réplica de 100% da carteira) com a estratégia de valor relativo em ações (livro com exposição neutra), ajustando a exposição líquida via índices e opções.
Selection Long Biased FIC FIM
Ler Análise Investir
Mínimo R$ 500,00 | Fundo que busca investir nos melhores fundos long biased disponíveis no mercado, isto é, as estratégias de ações que trabalham com uma carteira comprada de ativos e uma vendida. A vendida serve tanto para proteção da parte comprada do fundo quanto para ganho de capital baseado nas perspectivas de queda dessas ações.

Como investir em setembro

Agosto foi um mês marcado pela maior tensão no cenário internacional, seguindo (1) aumento da percepção de risco na Argentina; (2) uma série de dados econômicos pessimistas da Ásia e da Europa e (3) acirramento das tensõescomerciais EUA-China, que causaram grande impacto no sentimento dos investidores, mas que arrefeceram após notícias de que a China estaria disposta a conversar.

Ainda, o rendimento dos títulos do Tesouro norte-americano de curto prazo (2 anos) chegou a ficar acima do título de longo prazo (inversão da curva de juros) pela primeira vez desde 2007, demonstrando mais um sinal de alerta para a economia.

Segundo nosso estrategista global, Alberto Bernal, a economia global pode entrar em recessão em 2020 caso não haja uma solução para tensões comerciais,  além de colocar em risco a reeleição do Presidente Trump em 2020. O fato de que tanto os EUA quanto a China perdem muito com um desenrolar negativo dos acordos comerciais reforça a tese de que as partes eventualmente chegarão a um acordo, a despeito da pouca visibilidade até o momento. Quando e se esse acordo ocorrer, acreditamos que tal evento poderia destravar novos horizontes para o crescimento.

O maior receio dos investidores é de fato que o crescimento global desacelere de maneira acentuada, e a dúvida é como o Brasil fica nesse contexto, com potencial impacto negativo, preocupação de que a alta do dólar pressione a inflação e, por consequência, haja menos espaço para cortes de juros adiante. O caminho está se provando tortuoso, e a volatilidade deve continuar, mas seguimos construtivos com o Brasil adiante.

A agenda doméstica permanece robusta e avança, o que vemos como transformacional. A Reforma da Previdência está próxima de uma aprovação final no Senado, quase sem diluição em relação ao aprovado na Câmara. Enquanto isso, a discussão em relação à Reforma Tributária ganha corpo e ruma a simplificação. Por último, a agenda micro também avança, com destaque para as discussões de privatização, a potencial Reforma Administrativa e o marco regulatório do saneamento e do gás. As sinalizações são na direção correta.

Além disso, o cenário de juros mais baixos por mais tempo no mundo deverá dar suporte aos mercados emergentes, o que pode ser muito positivo para a Bolsa brasileira, para os investimentos das empresas e para o consumo. Conforme temos mencionado, os dados de inflação em agosto corroboram a tese de que a inflação permanece baixa no Brasil, o que abre espaço para que o Banco Central brasileiro continue reduzindo a taxa de juros nas próximas reuniões. Nosso time econômico espera mais dois cortes de 0,5% com a Selic caindo para 5% já em 2019.

Apesar da volatilidade em agosto, não alteramos os percentuais recomendados nas nossas carteiras, dado que nossa visão estrutural é a mesma. É importante que cada vez mais nos adaptemos a maior exposição à risco nas carteiras, o que consequentemente traz maior oscilação dos ativos no tempo.

A melhor forma de mitigar esses movimentos e obter bons retornos é através de um carteira de investimentos bem diversificada, sempre respeitando o perfil de cada investidor. Vemos a Bolsa como o melhor ativo e acreditamos ter menos opções atrativas dentro da renda fixa, mas é importante ressaltar que a carteira deve conter outras classes de ativos além de renda variável, como multimercados e renda fixa que comentaremos adiante.

Bolsa

Agosto foi um mês desafiador para o Ibovespa. As incertezas no cenário externo, com destaque para as preocupações com o crescimento global, pesaram nos mercados ao redor do mundo, e o Brasil não saiu ileso. O índice acumulou queda de -0,7%, com forte alta do dólar também em destaque, que fechou em R$4,14/USD.

O receio é que o crescimento global desacelere de maneira acentuada, e a dúvida é como o Brasil fica nesse contexto, com potencial impacto negativo para o crescimento Nossas estimativas preliminares sugerem que uma retração de 1 p.p. do crescimento do PIB mundial poderia reduzir o crescimento do Brasil em aproximadamente 0,35 p.p.

Do lado positivo, a agenda de reformas doméstica permanece robusta e avança, o que vemos como transformacional para o pais. Neste contexto, apesar da incerteza externa, esperamos aceleração da atividade econômica e dos lucros das empresas, com juros na mínima histórica e rumando para níveis ainda inferiores. A Bolsa segue a preços atrativos e após a recente queda, o Ibovespa negocia a 11,4x preço/lucro, abaixo da média histórica de 12,3x. Nos patamares atuais, vemos um risco-retorno assimétrico para cima, com projeção de 140 mil pontos para final de 2020.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-83.png

Carteira Top 10 ações XP

Para o mês de setembro:

(i) trocamos Bradesco por Itaú, um nome mais resiliente em meio à volatilidade, mantendo ainda alguma exposição ao setor de bancos, no qual temos um viés ainda positivo e vemos se beneficiando do ciclo benigno econômico e de crédito;

(ii) substituímos IRB e Grupo Pão de Açúcar por B2W e Iguatemi, com potencial esperado maior dado que são nomes que poderiam se beneficiar mais rapidamente do fechamento da curva de juros e crescimento econômico potencialmente acelerando. Além disso, após os riscos mitigados com a divulgação da estrutura societária da Ame Digital (braço de pagamentos da B2W com as Lojas Americanas) e aumento de capital da B2W, vemos momento positivo para a B2W adiante, que se encontra bem posicionada, também, para capturar o crescimento do e-commerce.

Os principais temas da nossa carteira são:

(1) SELIC baixa por mais tempo do que está precificado (RENT, ENBR, CPLE e IGTA) – vimos uma queda expressiva da curva de juros nos últimos meses que não se refletiu inteiramente na Bolsa;

(2) Crescimento acelerando (ITUB, BTOW e AZUL) – acreditamos que esse tema deve começar a ganhar tração ao longo dos próximos meses;

(3) Nomes de qualidade (LREN, RENT, ITUB e IGTA) – eles protegem a carteira no curto prazo, mas também buscamos opções que se beneficiam da retomada econômica adiante;

(4) Cíclicos globais descontados (PETR e JBSS) – mas de forma seletiva, dadas as incertezas globais ainda elevadas.

Veja mais detalhes em: conteudos.xpi.com.br/acoes/

Renda Fixa

Após corte da taxa básica de juros no país para a mínima histórica de 6,0%, tensões no cenário externo levaram à abertura da curva de juros futuro em agosto pela primeira vez desde o começo do ano. Embora seja uma indicação relativamente negativa em um contexto macro, considerando nossa visão otimista com o Brasil no médio prazo, esse movimento também traz oportunidades. O contexto leva a emissões de títulos privados a taxas mais elevadas e, uma vez que temos como perspectiva taxas menores ao longo do tempo, vemos esses movimentos como oportunidades para que o investidor consiga aplicar nesses título a taxas mais atraentes.

Dentro dos ativos de crédito privado, destacamos emissões isentas de imposto de renda, como debêntures de infraestrutura e CRAs, que podem oferecer boa rentabilidade líquida. Como comentamos no último relatório de alocação, para termos retornos mais atrativos dentro de renda fixa, precisamos incorrer em mais risco, podendo ser através de: risco de mercado, risco de crédito ou menor liquidez. Dentro de nossas carteiras recomendadas, optamos principalmente pelo terceiro, através da seleção de ativos com maior prazo de vencimento, mas ainda mantendo empresas com ratings entre AAA e AA+. Em nossa plataforma, é possível encontrar informações sobre os emissores, passo fundamental para tomar decisões de investimento. Veja aqui um exemplo de ativo recomendado.

Além disso, para clientes com perfil mais conservador, continuamos a ver boas oportunidades em emissões bancárias de bancos de menor porte, sendo uma boa alternativa para auferir rendimentos atraentes com baixo risco. Dentre elas, há como CDBs prefixadas e LCIs (isentas de imposto de renda) apresentando taxas em torno de 100% do CDI. Ao investir em um desses ativos, o investidor está coberto pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC – para aplicações até o limite de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ.

Em resumo, apesar de abertura da curva futura, ou seja, mercado precificando juros futuros mais altos, mantemos nosso cenário de juros baixos (saiba mais) e consequentemente nossa visão de que o investidor em renda fixa deve procurar maior exposição a riscos para encontrar boas rentabilidades, sempre de acordo com seu perfil.

Multimercados

Diferentemente de julho, em agosto vimos uma maior dispersão entre os retornos dos diferentes fundos da classe, explicada de forma geral pela divergência quanto à exposição ao mercado internacional e ao dólar. Os que possuíam maiores exposições nos ativos globais conseguiram capturar bons retornos, principalmente nos mercados de renda fixa de países emergentes, como ganhos com o fechamento da curva de juros no México.

Em relação ao dólar, beneficiaram-se os gestores que apresentaram posições compradas na moeda, o que foi o maior contribuidor para a performance no mês. Em contrapartida, em geral, os que estavam comprados em real contra o dólar foram diminuindo a posição ao longo do mês. No mercado de renda fixa, em que havia nos últimos meses maior concordância entre os gestores sobre as oportunidades associadas à expectativa de juros menores no futuro, vimos essa expectativa diminuir devido à maior preocupação com o cenário externo, que pode impactar a decisão do banco central brasileiro de reduzir a taxa básica de juros atual.

Sugerimos a alocação em no mínimo dois ou idealmente três multimercados macro, juntamente com no mínimo um alternativo, como os fundos quantitativos. Caso seu horizonte de investimentos seja maior que 5 anos, fundos de previdência multimercado são uma opção atrativa, considerando a grande eficiência tributária do veículo, pois não há incidência do come-cotas e há a possibilidade da cobrança mínima de 10% de IR, no regime regressivo.

Quer entender melhor o que são fundos multimercados? acesse aqui.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Receba resumos diários, semanais e mensais e fique sempre bem informado sobre nossas análises, relatórios e recomendações de investimentos.

Clique para se cadastrar