Um olhar sobre a estratégia global da Dynamo

Em uma conversa com o time de gestão, descobrimos o DNA da Dynamo para investimentos em empresa, que compilamos e publicamos na nossa página de conteúdos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Depois de uma conversa muito rica e produtiva com o time da estratégia Dynamo Global, decidimos compilar em único texto a filosofia que norteia tal estratégia.  Única estratégia da Dynamo disponível para investimento enquanto escrevemos este texto, segue os mesmos princípios do fundo Dynamo Cougar. E é sobre este processo de investimento que queremos falar.

Geografia

Historicamente, cerca de 50-65% da estratégia Dynamo Global tem sido investida em companhias sediadas na Europa, cerca de 30-45% nos Estados Unidos e o restante em outros países do mundo.

Embora a história da carteira seja esta, é importante frisar que este não é um objetivo estabelecido a priori pelo gestor, mas sim a consequência de várias decisões de investimento específicas sobre as companhias analisadas. Neste sentido, a distribuição geográfica dos ativos investidos poderá sofrer alterações de tempos em tempos.  Nesse momento, por exemplo, aproximadamente 45% da carteira está em empresas sediadas na Europa. 

Independentemente da localização da sede, muitas das empresas presentes na carteira têm atuação global.   Uma empresa pode ser situada na Europa ou nos Estados Unidos e ainda assim ter uma parte relevante das suas atividades em outras geografias.  Ou seja, a exposição da carteira, se medida de acordo com as atividades das companhias investidas, é ainda mais diversificada.

Círculos de competência

É importante explicar porque a estratégia Dynamo Global hoje não investe em determinados setores (empresas farmacêuticas, por exemplo) ou em determinadas regiões (China ou Japão, por exemplo).

Não existe nenhum preconceito ou regra que impeça o investimento em qualquer setor ou geografia.   O que limita a atuação é o círculo de competência do gestor.  Esse é um dos primeiros princípios da Dynamo desde a sua fundação. Como não são capazes de prever os movimentos dos mercados, o time de gestão se concentra em entender muito bem os negócios onde a estratégia Global investe. Dessa forma, é possível entender melhor os riscos e as oportunidades das companhias que fazem parte do portfólio.

No entanto, esse melhor conhecimento só é atingido depois de meses, muitas vezes anos de estudo. Esses círculos de competência demoram muito tempo para ser construídos porque demandam um profundo conhecimento sobre indústrias, jurisdições e, principalmente, sobre as companhias em si. Conhecer bem as indústrias permite um diagnóstico mais preciso do ambiente competitivo e das possíveis oportunidades e riscos existentes, inclusive aqueles oriundos da disrupção tecnológica.  Conhecer bem a jurisdição significa entender o arcabouço legal e social no qual aquela companhia está inserida. E finalmente, conhecer bem as companhias significa entender os pontos fortes e fracos daquele grupo de pessoas e conjunto de ativos, como os interesses entre acionistas e executivos estão alinhados e se a cultura interna é uma vantagem ou desvantagem comparativa.  Esse conhecimento norteia as decisões do time de gestão em momentos de grande incerteza.

Exemplos práticos são os cases de Ryanair e Tempur, empresas que tiveram momentos de stress que levaram a uma forte queda das ações num curto período e a um questionamento por diversos investidores sobre o valor de longo prazo dos negócios. A convicção vinda do conhecimento dos negócios permitiu que a gestora enxergasse além dos problemas de curto prazo mantendo ou mesmo aumentando o investimento a valores muito atrativos. 

É importante que esses círculos de competência sejam frequentemente aprofundados e expandidos.   Diante de um ritmo acelerado de desenvolvimento de novas tecnologias, criação de novos modelos de negócio e formação de indústrias inteiras completamente novas, gestores de investimento têm que sair frequentemente das suas zonas de conforto. Nos últimos 5 anos,  a gestora fez um esforço particularmente concentrado na criação de novos círculos de competência. Os frutos desse esforço já estão sendo colhidos e provavelmente continuarão a render resultados ao longo dos próximos anos. Investimentos feitos em empresas como Datadog e a Appfolio, que atuam no mercado de software empresarial em uma tese fortemente alavancada no crescimento do cloud computing, são exemplos das novas fronteiras exploradas pela gestora.

Value x growth

Esse é outro tópico importante para os investidores da estratégia Dynamo Global. É muito comum que investidores e alocadores de capital façam uma distinção binária entre estratégias de “value” e de “growth”.

O primeiro grupo seria supostamente formado por aqueles investidores que são focados em múltiplos (P/L, EV/EBITDA ou Dividend Yield) e que preferem investir em empresas que, ainda que estejam em mercados aparentemente ruins, negociam a múltiplos suficientemente baixos para gerar bons retornos com base no fluxo de caixa atual e no baixo risco de compressão adicional dos próprios múltiplos no futuro. 

Já o segundo grupo é formado por investidores que se interessam, primordialmente, por negócios que crescem a taxas muito altas, de preferência em setores novos ou que estão passando por uma grande disrupção.  Esses investidores não veem problema em comprar ações por múltiplos altíssimos, muitas vezes até medidos em relação à receita (dado que várias das companhias em que investem nem mesmo geram lucro).

As discussões internas do time de gestão e decisões passam longe destas classificações. A estratégia Dynamo Global procura investir em empresas que, a longo prazo, irão, provavelmente, capturar uma parte importante do lucro das indústrias em que atuam, que são geridas por pessoas cujos interesses são alinhados com os dos acionistas e que pensam e agem como donos. 

Esses negócios podem (i) já ser muito dominantes e possuir os atributos necessários para continuarem dominantes, ou (ii) podem estar caminhando nesta direção por terem encontrado uma forma melhor de endereçar os desejos e necessidades dos seus clientes que não pode ser facilmente copiada pelos seus competidores. A gestora entende que o segundo grupo irá crescer mais rápido que o primeiro.  Por outro lado, também avalia que o risco é mais alto.

Uma vez que o time de gestão tenha identificado companhias com as características acima, resta entender se o preço que o mercado está atribuindo para as ações da empresa é convergente com o julgamento do valor intrínseco do negócio. É nessa eventual assimetria entre valor e preço que está a oportunidade, seja para um negócio que cresce pouco e negocia a um múltiplo baixo, ou para um negócio que cresce muito e negocia a um múltiplo altíssimo.

No universo de companhias que o time de gestão acompanha e no portfólio da estratégia  Dynamo Global há exemplos claros de ambas as situações:  oligopólios sustentáveis que não são reconhecidos como tal e, ao contrário, são avaliados como negócios de baixa qualidade, ou negócios que crescem muito e, por isso, negociam a múltiplos muito altos quando comparados com as receitas e lucros atuais, mas que ainda não refletem, no julgamento da gestora, o seu valor de longo prazo.

O que o time de gestão procura evitar são negócios que crescem muito no curto prazo e por isso atraem muita atenção, mas que têm pouca chance de se tornarem dominantes no longo prazo. Da mesma forma, a Dynamo não investe em companhias onde o único atrativo seja um múltiplo historicamente muito baixo. 

Retorno x risco, absoluto e relativo

Apesar da estratégia Dynamo Global ser focada em ações e primordialmente “long-only”, o horizonte de investimento da grande maioria das posições do portfólio é de longo prazo. Por esta razão, a comparação com índices de mercado em períodos curtos pode ser enganosa. Esta comparação faz sentido apenas no longo prazo, aqui entendido como períodos acima de 5 anos. 

A estratégia busca investir em um portfólio de 15 a 20 ações. Novamente, não se trata de um limite rígido, mas de uma média verificada ao longo dos últimos anos. A expectativa é que tais ações possam render, a longo prazo, entre 12% e 20% ao ano, com baixo risco de perda permanente de capital. Levando em consideração as taxas cobradas e uma posição de caixa que tende a flutuar entre 5% e 25%, acreditamos ser razoável supor que, ao longo do tempo, a estratégia possa conferir para os investidores uma rentabilidade líquida entre 7,5% e 15% ao ano.

Este é o retorno pretendido pelo gestor, mas não se trata de uma promessa ou garantia de rentabilidade.  Cabe lembrar que retornos não são usualmente alcançados numa linha reta ascendente, mas sim com variações grandes nos retornos anuais e uma volatilidade compatível com a do próprio mercado. A estratégia provavelmente terá anos de retorno negativo.  Em outros anos o retorno poderá exceder as expectativas.

Aqui, vale um ponto importante.  A gestora não acredita que a volatilidade de uma ação seja representativa do risco estrutural da estratégia. Essa variável não é levada em consideração na montagem do portfólio.  A Dynamo entende risco como a probabilidade de perda permanente de capital, que por sua vez é função de três fatores principais: (i) um erro de julgamento sobre a qualidade da empresa investida; (ii) um erro de julgamento sobre a qualidade, ou mesmo comportamento, das pessoas na gestão da empresa investida; ou (iii) a ocorrência de algum evento negativo cujo risco não tenha sido identificado a priori ou cuja dimensão e probabilidade não tenham sido corretamente calculado.

Por último, um comentário importante sobre os retornos da estratégia Dynamo Global em relação aos retornos dos índices comparáveis. É razoável que um investidor espere que, no longo prazo, os retornos da estratégia sejam melhores do que os retornos medidos pela maioria dos índices com ela compatíveis.  No entanto, é possível, e talvez até provável que muito valor esteja sendo criado, mesmo que temporariamente, em indústrias ou geografias que estejam fora do círculo de competência do gestor. Da mesma forma, é possível que os investidores “se encantem” no curto prazo com negócios que não passam nos  filtros de risco e qualidade do time de gestão. 

Em ambos os casos, a consequência é que a estratégia poderá gerar retornos inferiores aos índices específicos que capturem esses nichos de mercado por um número de anos.

Vale ressaltar que o fundo em questão possui exposição cambial, ou seja, o retorno do veículo é resultado do retorno dos ativos investidos somado à variação da moeda estrangeira.


Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.