XP Expert

UE passa a exigir comprovações de produtos ‘verdes’ | Café com ESG, 16/05

Fundação Eco+ com novo posicionamento; UE exige comprovações de produtos verdes

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bom dia! Neste relatório diário publicado todas as manhãs pelo time ESG do Research da XP, buscamos trazer as últimas notícias para que você comece o dia bem informado e fique por dentro do que o Brasil e o mundo fala sobre um tema que tem ficado cada vez mais relevante: ESG – do termo em inglês Environmental, Social and Governance ou, em português, ASG – Ambiental, Social e Governança.

Quais tópicos abordamos ao longo do conteúdo? (i) Notícias no Brasil e no mundo acerca do tema ESG; (ii) Performance histórica dos principais índices ESG em diferentes países; (iii) Comparativo da performance do Ibovespa vs. ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial, da B3); e (iv) Lista com os últimos relatórios publicados pelo Research ESG da XP.
Por que essas informações são importantes? 
Porque elas indicam os temas dentro da agenda ESG que estão sendo cada vez mais monitoradas por parte dos investidores e das empresas, e podem impactar os preços das ações de diferentes companhias.

Esperamos que aproveite a leitura!

Principais tópicos do dia

• O mercado encerrou o pregão de segunda-feira em alta, com o Ibov e o ISE subindo +0,52% e +0,87%, respectivamente.

• No Brasil, a gestora de venture capital SP Ventures divulgou ter levantado mais de US$ 58 milhões e investido US$ 33 milhões em 17 empresas que impactaram 245 mil produtores – segundo seu primeiro relatório de impacto ESG, os investimentos em agtechs, agfintechs, climatech e edtech pela companhia geraram uma receita de mais de US$ 58 milhões no ano passado.

• No internacional, (i) a Fundação Espaço ECO, da BASF, especialista em sustentabilidade para organizações de toda a América do Sul, passa a se chamar Fundação Eco+ – o intuito do reposicionamento é conscientizar a sociedade e o mercado de que, para construir um caminho para um futuro sustentável, é necessário dinamismo, inovação e articulação entre todos os envolvidos no processo; (ii) o Parlamento Europeu aprovou um conjunto de regras preliminares para garantir que o consumidor faça escolhas sustentáveis com a certeza de que não está sendo levado pelo “greenwashing” – a partir da nova regulação, para anunciar características ‘verdes’, as empresas terão de fornecer evidências detalhadas e especificar se elas se aplicam ao produto todo ou só a uma parte dele, por exemplo.

Gostaria de receber os relatórios ESG por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


XPInc CTA

Abra a sua conta na XP Investimentos!

XPInc CTA

Receba conteúdos da Expert pelo Telegram!

Brasil

Empresas

Por que a Natura associa o crescimento do negócio ao aumento da renda das consultoras

“A cada dois anos, a empresa de cosméticos Natura calcula o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de suas consultoras no Brasil. A empresa divulgou, nesta segunda-feira, 15, o resultado da medição mais recente, que engloba os últimos dois anos. Em uma escala de zero a um, o IDH médio das vendedoras ficou em 0.632, com um aumento de 3,6%, a maior elevação já registrada e equivalente a duas vezes a média de crescimento anual. Foi um resultado expressivo, considerando o baixo crescimento econômico do país no período e a pandemia, como destacou Agenor Leão, vice-presidente de negócios da Natura no Brasil. “Foram anos intensos, de instabilidade política e pandemia, que aumentou o gap de educação”, disse Leão, em encontro com a imprensa. Segundo o executivo, pesou a favor do desempenho iniciativas de inclusão digital promovidas pela companhia, que se mostraram essenciais para reverter os efeitos negativos do lockdown, e de educação financeira.”

Fonte: Exame, 15/05/2023

SP Ventures investiu US$ 33 milhões em 17 startups do agro

“A gestora de venture capital SP Ventures divulgou ter levantado mais de US$ 58 milhões e investido US$ 33 milhões em 17 empresas que impactaram 245 mil produtores. Segundo seu primeiro relatório de impacto ESG, os investimentos em agtechs, agfintechs, climatech e edtech pela SP Ventures geraram uma receita de mais de US$ 58 milhões, no ano passado, e impactaram mais de 21 milhões de hectares. Somente para pequenos e médios produtores foram mais de US$ 31 milhões de empréstimos concedidos no período. Os investimentos ocorreram em empresas brasileiras, argentinas e mexicanas, são elas: Gênica, Decoy, erural, ZoomAgri, AgroAdvance, Agrofy, Aegro, Agrolend, Frizata, Leaf, goFlux, Moss, Traive, Verge, Verqor, PunaBio e Clicampo. Desse portfólio, 35% das empresas possuem cofundadoras mulheres e possuem mais de 100 mulheres ocupando posições de liderança.”

Fonte: Valor Econômico, 15/05/2023

BTG anuncia participação na Systemica, desenvolvedora de projetos de carbono

“O BTG Pactual assinou acordo de investimento para participação minoritária na Systemica, empresa que atua com estruturação, desenvolvimento e implantação de projetos de redução de emissão de gases de efeito estufa (GEE), além de comercialização dos ativos ambientais gerados. Os valores não foram informados. Segundo o BTG, a operação tem como objetivo contribuir para uma economia de transição e unir esforços para fomentar o mercado de carbono, ajudando a promover maior integridade, qualidade e reputação internacional em projetos de carbono no Brasil e na América Latina. A demanda para uma economia de baixo carbono vem crescendo internacionalmente, com instituições financeiras e grandes empresas assumindo compromissos de redução de emissões e estruturando estratégias para descarbonização das suas operações. De 2020 até o começo de 2023, o número de empresas com compromissos de redução de emissões formalizado pelo Science Based Targets (SBTi) — que mostra como as ações estão fundamentadas pela ciência para combater as mudanças climáticas — cresceu mais de dez vezes, o que se concretiza em volumes de créditos de carbono aposentados cada vez maiores, segundo a Trove Research.”

Fonte: Valor Econômico, 15/05/2023

Gestão de stakeholders pode impactar positivamente — ou não — um negócio

“O engajamento de stakeholders, independentemente de setor, empresa, organizações e afins, precisa ser bem estruturado e focado na estratégia do negócio em si. Stakeholders nada mais são do que as partes interessadas de uma empresa, ou seja, todo e qualquer público que impacta ou seja impactado pela atuação da companhia. Todos, sem exceção, podem exercer algum tipo de influência dentro e fora das organizações. O mapeamento desses stakeholders se torna de extrema relevância, uma vez que se faz necessário comunicar, engajar, ouvir e se relacionar com todas essas partes que podem influenciar, positiva ou negativamente, o negócio. Identificar os stakeholders deve ser o primeiro passo de um processo que sugere uma estratégia mais complexa cujo objetivo final é sempre o relacionamento baseado na transparência. “Todos os stakeholders têm importância, mas alguns são mais críticos para o negócio”, afirma o empresário John Mackey, criador da Whole Foods, no livro “Capitalismo Consciente”.

Fonte: Exame, 15/05/2023

Internacional

Política

Fundação Espaço ECO muda para Fundação Eco+ e quer gerar impacto sustentável em empresas e pessoas

“A Fundação Espaço ECO, da BASF, anuncia novo nome e posicionamento. Agora, a consultoria especialista em sustentabilidade para organizações de toda a América do Sul passa a se chamar Fundação Eco+. A novidade foi construída em parceria com a consultoria de marcas Interbrand. A Fundação Eco+ atualiza a marca com o propósito “Nós existimos para impulsionar jornadas sustentáveis”, aliando a capacidade técnico-científica em ESG com a gestão de negócios. “Queremos mostrar que a jornada sustentável de uma organização não é um fim em si mesmo, mas um contínuo processo de longo prazo que exige flexibilização e correções de rota”, afirma Rodolfo Viana, diretor-presidente da Fundação Eco+. Com a mudança de nome e logotipo, a Fundação Eco+ espera conscientizar a sociedade e o mercado de que, para construir um caminho para um futuro sustentável, é necessário dinamismo, inovação e articulação entre todos os envolvidos no processo.”

Fonte: Exame, 15/05/2023

Produto ‘verde’? UE vai exigir comprovações

“As prateleiras do mundo inteiro estão cheias de produtos com etiquetas feitas de papel reciclado prometendo produtos “eco”, “amigos do ambiente” ou “naturais”.  Na União Europeia, essas afirmações terão de corresponder à realidade. Na última quinta-feira, dia 11, o Parlamento Europeu aprovou um conjunto de regras preliminares para garantir que o consumidor faça escolhas sustentáveis com a certeza de que não está sendo enganado. Para anunciar características ‘verdes’, as empresas terão de fornecer evidências detalhadas e especificar se elas se aplicam ao produto todo ou só a uma parte dele, por exemplo. Uma possibilidade em estudo é o reconhecimento oficial de algumas certificações. Dizer que algo é carbono neutro só com base na compensação via créditos de carbono também não será mais permitido. “O objetivo desta proposta é reforçar o combate ao greenwashing, proibindo práticas que induzam o consumidor a erro a respeito da sustentabilidade dos produtos”, afirmou Didier Reynders, comissário de Justiça da UE, na sessão em que a proposta foi aprovada.”

Fonte: Capital Reset, 15/05/2023

Esverdeando o ESG e o debate tributário

“Um preço global do carbono de US$ 75 por tonelada pode ser o número mágico para ajudar a atenuar as emissões prejudiciais de carbono.Foi o que Kristalina Georgieva, chefe do FMI, disse à Reuters em novembro de 2022 na Conferência de Mudanças Climáticas da ONU em Sharm el-Sheikh, Egito. Mas é difícil dizer se o mundo está perto de atingir esse objetivo porque a precificação do carbono varia consideravelmente de país para país. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, existem pelo menos 70 esquemas de precificação de carbono em todo o mundo, e eles estão começando a se tornar difíceis de manejar tanto para governos quanto para interesses comerciais preocupados com estabilidade e competitividade. Em resposta, a OMC está agora trabalhando com o Banco Mundial, OCDE e FMI para simplificar a precificação do carbono – que normalmente se divide em dois campos, tributação do carbono e esquemas de comércio de emissões – e criar uma estrutura global de precificação do carbono.”

Fonte: Forbes, 15/05/2023


Índices ESG e suas performances

(1) O Índice ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3) tem como objetivo ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de empresas com reconhecido comprometimento com o desenvolvimento sustentável, práticas e alinhamento estratégico com a sustentabilidade empresarial.
(2) O Índice S&P/B3 Brasil ESG mede a performance de títulos que cumprem critérios de sustentabilidade e é ponderado pelas pontuações ESG da S&P DJI. Ele exclui ações com base na sua participação em certas atividades comerciais, no seu desempenho em comparação com o Pacto Global da ONU e também cias sem pontuação ESG da S&P DJI.
(3) O ICO2 tem como propósito ser um instrumento indutor das discussões sobre mudança do clima no Brasil. A adesão das companhias ao ICO2 demonstra o comprometimento com a transparência de suas emissões e antecipa a visão de como estão se preparando para uma economia de baixo carbono.
(4) O objetivo do IGCT é ser o indicador do desempenho médio das cotações dos ativos de emissão de empresas integrantes do IGC que atendam aos critérios adicionais descritos nesta metodologia.
(5) A série de índices FTSE4Good foi projetada para medir o desempenho de empresas que demonstram fortes práticas ambientais, sociais e de governança (ESG).
(6)
O Índice MSCI ACWI, que representa o desempenho de todo o conjunto de ações de grande e médio porte do mundo, em 23 mercados desenvolvidos e 26 emergentes.


Nossos últimos relatórios

  • Como os investidores institucionais estão vendo o tema ESG? Feedback da nossa rodada de reuniões (link)
  • Hidrogênio Verde (H2V): O combustível do futuro? (link)
  • Brunch com ESG: AMER3 e BBAS3 em destaque; Conferência de Davos chega ao fim (link)
  • Radar ESG | Setor financeiro (BBAS3, BBDC4, BPAC11, B3SA3, ITUB4, SANB11): Sólida performance ESG, com espaço para melhoria na governança (link)
  • Retrospectiva ESG: 12 meses, 12 acontecimentos e 12 relatórios que você não pode perder (link)
  • Novo ano, nova carteira do ISE B3: Tudo o que você precisa saber (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para janeiro (link)
  • Nova resolução da CVM define regras ESG mais rígidas para companhias abertas (link)
  • Radar ESG | Papel e Celulose (SUZB3, KLBN11, RANI3): Bem posicionadas, apesar dos riscos ambientais acima da média (link)
  • Radar ESG | Vestuário Esportivo (SBFG3, TFCO4, VULC3): E no jogo ESG, quem vence? (link)
  • Radar ESG | DASA (DASA3): Bom desempenho ESG, com oportunidades de melhoria (link)
  • ESG: Top 5 tendências para 2023 (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para dezembro (link)
  • COP27 chega ao fim; 5 principais destaques da conferência (link)
  • Copa do Mundo 2022: ESG escalado para entrar em campo? (link)
  • COP27: Três principais mensagens dos primeiros dias (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback webinar ESG; Destravando valor via a sustentabilidade (link)
  • Carteira ESG XP: Atualizando o nosso portfólio para novembro (link)
  • Radar ESG | PetroRio (PRIO3): Desenvolvendo as estratégias para atuar no campo ESG (link)
  • COP27: Um mês para a próxima conferência climática da ONU (link)
  • Aura Minerals (AURA33): Indo a campo; Principais destaques da visita ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Duas alterações para o mês de outubro (link)
  • ESG & Telecom | 5G Insights; Capítulo 4: Como o uso do 5G pode impulsionar a descarbonização? (link)
  • Radar ESG | Eletrobras (ELET3): Mudanças que vêm para o bem; Melhorias ESG também estão por vir (link)
  • Radar ESG | Guararapes (GUAR3): Evoluindo em como vestir essa agenda (link)
  • Radar ESG | Zenvia (ZENV): Dando os primeiros passos na agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Frigoríficos brasileiros: Em busca de maior sustentabilidade e melhor governança (BRFS3, JBSS3, MRFG3, BEEF3) (link)
  • ESG: Como os clientes institucionais estão evoluindo no tema? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para setembro (link)
  • Raio-X das metas de emissões das companhias brasileiras (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • ESG: Três aprendizados da Expert XP 2022 (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações no nosso portfólio para julho (link)
  • Radar ESG | Alupar (ALUP11): Bem posicionada para se beneficiar da tendência da transição energética; esperamos mais por vir (link)
  • Radar ESG | Intelbras (INTB3): Agregando valor através de oportunidades em tecnologia limpa (link)
  • Radar ESG | Grupo Vittia (VITT3): Melhorando a sustentabilidade na agricultura (link)
  • Radar ESG | Mater Dei (MATD3): Já na rota ESG (link)
  • Crédito de Carbono: Governo publica decreto para regulamentar o mercado; Confira nossa análise (link)
  • Reunião com Joaquim Leite, Ministro do Meio Ambiente: Carbono e energia renovável centralizam as discussões (link)
  • Radar ESG | Ambipar (AMBP3): Sobre fazer parte solução (link)
  • Radar ESG | Raízen (RAIZ4): No caminho de um futuro mais verde (link)
  • Radar ESG | Cruzeiro do Sul (CSED3): No caminho certo (link)
  • Radar ESG | Juniores de O&G (RRRP3 e RECV3): Envolvidas com a agenda ESG, enquanto enfrentam ventos contrários ao setor (link)
  • Radar ESG | Petz (PETZ3): A caminho de se tornar uma empresa ESG para cachorro (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para abril (link)
  • Seis temas-chave no investimento ESG frente ao conflito Rússia/Ucrânia (link)
  • SEC anuncia proposta para divulgação obrigatória de dados climáticos; Positivo (link)
  • Update ESG | Petrobras (PETR4): Feedback do webinar sobre clima (link)
  • Radar ESG | Telefônica Brasil / Vivo (VIVT3): Conectando-se à agenda ESG (link)
  • Mulheres na liderança: Um olhar sobre a representatividade feminina nas empresas da B3 (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no nosso portfólio para março (link)
  • ISE B3: Um raio-X da nova carteira do Índice de Sustentabilidade da B3 (link)
  • Radar ESG | Panvel (PNVL3): Prescrevendo a agenda ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Uma alteração no portfólio para fevereiro (link)
  • Radar ESG | Omega Energia (MEGA3): Líder em energia renovável, surfando a onda da sustentabilidade (link)
  • Radar ESG | Desktop (DESK3): No início da jornada ESG (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para janeiro (link)
  • Radar ESG | AgroGalaxy (AGXY3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Petrobras (PETR4): E o campo ESG, como a Petrobras está explorando? (link)
  • Radar ESG | Oncoclínicas (ONCO3): Ainda na sala de espera (link)
  • Radar ESG | Aviação Brasil (EMBR3, AZUL4 e GOLL4): Voando pelos ares ESG (link)
  • Radar ESG | Alpargatas (ALPA4): Iniciando a caminhada pela agenda ESG (link)
  • Radar ESG | Kepler Weber (KEPL3): Um começo promissor (link)
  • Radar ESG | TIM (TIMS3): Chamando a agenda ESG (link)
  • ESG: O que moldará os investimentos sustentáveis em 2022? (link)
  • Carteira ESG XP: Sem alterações em nosso portfólio para dezembro (link)
  • Radar ESG | Burger King Brasil (BKBR): Espaço para avanço na agenda, mas os planos ambiciosos adiante animam (link)
  • COP26: Implicações do documento final (link)
  • Expo Dubai: Buscando soluções diante de recursos finitos (link)
  • Expo Dubai: Todos os olhos voltados para o futuro da mobilidade (link)
  • Expo Dubai: Tecnologia e sustentabilidade centralizam os destaques do evento nesta terça-feira (link)
  • Expo Dubai: Três principais destaques do evento nesta segunda-feira, dia do Brasil na feira (link)
  • COP26: Um encontro decisivo para conter o aquecimento global (link)
  • Seleção BDRs ESG​: 15 nomes para exposição internacional ao tema (link)
  • Radar ESG | Kora Saúde (KRSA3): Ainda há um caminho a ser percorrido (link)
  • Radar ESG | Empresas de Autopeças: Preparando a estrada ESG; Governança e segurança em primeiro lugar (link)
  • Radar ESG | Unifique (FIQE3) e Brisanet (BRIT3): O que as empresas de telecomunicações brasileiras têm feito? (link)
  • Radar ESG | Natura&Co. (NTCO3): Não é apenas maquiagem; ESG é uma realidade! (link)
  • Vale (VALE3): Feedback do Webinar ESG; Todos os olhos voltados para a redução de riscos (link)
  • Radar ESG | Totvs (TOTS3): A melhor posicionada no setor de tecnologia sob a cobertura da XP (link)
  • Assembleia Geral da ONU: Cenário climático alarmante centraliza as discussões (link)
  • Amazônia: Entendendo a importância da maior floresta tropical do mundo (link)
  • ESG no centro das discussões; Três principais aprendizados da Expert XP 2021 (link)
  • Radar ESG | Companhia Brasileira de Alumínio (CBAV3): Uma líder em alumínio verde, com forte posicionamento ESG (link)
  • Relatório do IPCC: Um chamado para todos, inclusive para o mercado, frente a um cenário alarmante do clima (link)
  • Radar ESG | WEG (WEGE3): Um player ESG bem equipado para se beneficiar das tendências adiante (link)
  • Radar ESG | Boa Safra (SOJA3): Agenda ESG em produção, semente por semente (link)
  • Água: Onde há escassez, há oportunidade (link)
  • Radar ESG | Positivo (POSI3): Um trabalho em andamento (link)
  • B3 anuncia nova metodologia para o ISE; Positivo (link)
  • Radar ESG | G2D (G2DI33): Abraçando os pilares S e E através do portfólio de investimentos de impacto (link)
  • Ambev (ABEV3): Feedback do evento ESG; Reforçamos nossa visão positiva (link)
  • Radar ESG | Setor de infraestrutura (CCRO3, ECOR3, RAIL3, HBSA3, STBP3): Preparando o asfalto (link)
  • Crédito de carbono: Capturando parte da solução; 5 nomes para exposição ao tema (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de Imóveis Residenciais Populares: Construindo os andares ESG (link)
  • Radar ESG | Arezzo & Co. (ARZZ3): Caminhando com seus próprios passos pela agenda ESG (link)
  • Trilogia ESG (Pt. I): Um mergulho no pilar E; Três nomes que são parte da solução (link)
  • Radar ESG | Blau (BLAU3) e Hypera (HYPE3): Em busca da fórmula ESG (link)
  • Bitcoin e ESG: Entenda os dois lados da moeda (link)
  • Radar ESG | Bemobi (BMOB3): Diversidade é o nome do jogo (link)
  • Radar ESG | Setor de Logística (SIMH3, JSLG3 e VAMO3): Preparando-se para a estrada ESG (link)
  • Radar ESG | Laboratórios: ESG ainda na triagem; Fleury se destacando em relação aos pares (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Tecnologia, economia e agenda verde centralizam as discussões no segundo dia do evento (link)
  • Cúpula de Líderes sobre o Clima: Cooperação global é uma das três principais mensagens do evento (link)
  • Radar ESG | Locadoras de automóveis: Rumo à agenda ESG; Localiza liderando a corrida (link)
  • Radar ESG | São Martinho (SMTO3): Quanto mais se semeia, maior é a colheita (link)
  • Radar ESG | Orizon (ORVR3): Quando ESG está escrito no DNA (link)
  • Sondagem XP/ESG com investidores institucionais (link)
  • O melhor dos dois mundos: Seleção de 10 BDRs para exposição internacional ao tema ESG (link)
  • Radar ESG | Enjoei (ENJU3): O usado é o novo “novo”? (link)
  • Radar ESG | CSN Mineração (CMIN3): Explorando os campos ESG (link)
  • Radar ESG | Jalles (JALL3): Plantando as sementes ESG (link)
  • Radar ESG | Incorporadoras de alta renda: ESG ainda em construção (link)
  • Radar ESG | Setor de saúde: O ESG ainda está na sala de espera? (link)
  • Radar ESG | Quão sustentáveis são as empresas de e-commerce? Uma análise ESG dessas gigantes (link)
  • Radar ESG | IMC (MEAL3): Por que a empresa ainda tem muito espaço para melhorar? (link)
  • Radar ESG | Aeris (AERI3): Uma das empresas melhor posicionada para surfar o vento ESG (link)
  • Radar ESG | 3R Petroleum: Construindo um caminho que incorpora metas ESG (link)
  • Radar ESG | Setor de supermercados: Vale a pena encher o carrinho? (link)
  • Radar ESG | JHSF (JHSF3): Espaço para melhorias (link)
  • Radar ESG | Quem é o melhor aluno da classe? Avaliando os líderes em ESG dentre as empresas de educação no Brasil (link)
  • Panorama do marco regulatório de investimentos ESG no Brasil (link)
  • CVM e B3 estudam intensificar critérios ESG para as companhias listadas (link)
  • Radar ESG | Setor de vestuário e joias: ESG ainda na confecção (link)
  • ESG: Tendências e preferências para 2021 (link)
  • Radar ESG | LOG Commercial Properties (LOGG3): Oportunidades em empreendimentos verdes (link)
  • Eleições americanas: Quais os efeitos para a agenda ESG nos EUA e no Brasil? (link)
  • Radar ESG | Farmácias: Raia Drogasil como a ação prescrita no setor para exposição a ESG (link)
  • Radar ESG | Shoppings: Entenda o que importa para eles quando o tema é ESG (link)
  • Radar ESG | Ambev (ABEV3): Um case que desce redondo (link)
  • Feedback do roadshow ESG: O que as gestoras no Brasil estão fazendo em relação ao tema? (link)
  • ESG de A a Z: Tudo o que você precisa saber sobre o tema (link)

Ainda não tem conta na XP? Clique aqui e abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.