XP Expert

Inflação ao consumidor volta ao terreno positivo em outubro

Apesar disso, a tendência deflacionária no índice de preços ao produtor se manteve.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O mês de outubro foi marcado pela retomada da variação positiva no IPCA e INPC, índices de preço ao consumidor, e continuidade de deflação intensa nos IGPs. Interessante notar que os valores observados no último foram puxado pelo IPA, índice de preços ao atacado, indicando continuidade da descompressão de custos ao produtor.

Nesse sentido, corrobora nosso cenário de desinflação para além da queda de impostos e preços de combustíveis, como citado no nosso último relatório mensal, em conjunto com os sinais de arrefecimento da demanda decorrente de aperto monetário doméstico e internacional.

Para o resto do ano esperamos aceleração dos preços, com o acumulado para 2022 atingindo 5,8%.

IPCAs – Índice de Preços ao Consumidor Amplo

O IPCA-15 – índice cujo a coleta costuma ocorrer entre o dia 16 do mês anterior e 15 do de referência, tido como prévia para o IPCA fechado – teve variação acima da nossa expectativa (0,16% contra 0,08% da XP).

Analisando no detalhe, houve deflação menos intensa em em preços administrados (-0,78%, após -1,66% e alinhado com nossa projeção de -0,80) e aceleração de preços livres (0,47% ante projeção de 0,41% e 0,07% em setembro). O índice de difusão caiu em relação à setembro, indicando que essa tendencia altista não foi tão disseminada entre os itens.

O IPCA – principal índice de preços do Brasil, métrica oficial de inflação adotada pelo Banco Central – também apresentou variação acima das expectativas. O índice cresceu 0,59%, enquanto nossa projeção era de 0,46%.

Em relação às nossas projeções, vale destacar crescimento em Alimentação e Bebidas (0,72% ante -0,51% em setembro, projeção de 0,52%), puxado por queda menos intensa em Leite e Derivados (-2,43% ante -6,15%) e, em menor medida, Carnes (-0,14%, ante -0,72%) e, em sentido contrário, alta em Aves e ovos (0,97% ante projeção de 0,18%).

Além disso, vimos inversão de sinal em Transportes (0,58% após -1,98%, projeção de 0,51%), por conta de deflação bem menos intensa no preço da gasolina (-1,56% após -8,33%), por conta do quinto aumento semanal consecutivo no preço cobrado nos postos, de acordo com a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) e variação positiva em Etanol (1,34%, ante -12,43% em agosto e projeção de -1,40%), em linha com a alta nos preços ao atacado. Em Comunicação foi observado recuo menor que o anterior (-0,48% ante -2,08% anterior, projeção de -0,04), puxada em grande medida por serviços afetados pela redução de impostos e que tinham registado deflação nos meses anteriores, como Plano de telefonia fixa (6,74%, ante -1,07% em setembro). Em Habitação, arrefecimento de energia elétrica (0,30% ante 0,78%, projeção de -0,19%) e deflação em Gás de botijão (-0,67% ante 0,92%, projeção de -1,50%) puxaram a desaceleração menos intensa que o esperado para o grupo (0,34% ante 0,60% em setembro, projeção de 0,12%).

Por fim, a variação em Despesas Pessoais (0,57%, após 0,95%, projeção de 0,54%) foi em linha com nossa expectativa, apesar de surpresa altista em Cinema, teatro e concertos (+1,29% ante projeção de -1,30%) e variações menos intensas que o esperado em  Cabeleleiro e barbeiro (0,02%, ante projeção de 0,64%) e Alimento para animais (0,32%, projeção de 1,20%)

IGPs – Índice Geral de Preços

O IGP-10 calcula a variação entre o dia 11 do mês anterior e 10 do atual; o IGP-M, do dia 21 de cada um; e o IGP-DI calcula um mês cheio, ou seja, do dia 1º até 30 ou 31. Nesse sentido, indicar a linha do tempo da divulgação de cada um é importante para sinalizar o fechamento do mês corrente, além de ser essencial para indicar a inflação ao produtor com o IPA – Índice de Preços ao Produtor Amplo (60% do IGP); ao consumidor, com o IPC – Índice de Preços ao Consumidor (30% do IGP); e ao setor de construção civil com o INCC- Índice Nacional de Custo de Construção (10% do IGP). Nesse sentido, a sensibilidade dos índices em relação aos três grupos é dada pelo peso de cada um.

A tônica dos IGPs desse mês foi a continuidade da dinâmica deflacionária. Produtos industriais tiveram deflação mais ou menos estável em relação aos números anteriores (-1,49% no IGP-10; -1,43% no IGP-M; -0,73% no IGP-DI), puxado novamente pelas quedas observadas em produtos derivados de petróleo, embora em menor intensidade (-2,06% ante -8,02% no IGP-DI, por exemplo). Foi observada queda mais acentuada em Produtos Agrícolas para setembro (-1,33% no IGP-10; -1,46% no IGP-M; -1,79% no IGP-DI), principalmente por conta de pressãoo baixista vindo de pecuária (-3,93%, ante -1,19% no mês anterior) e algumas commodities, como o algodão (-7,32%, ante -0,18% em setembro).

Para o IPC, índice de preços ao consumidor, a volta ao campo positivo foi disseminada entre os três índices (0,17% no IGP-10; 0,50% no IGP-M; 0,69% no IGP-DI). Tal qual no IPCA, foi puxado por menor pressão deflacionária em energia elétrica residencial e gasolina, e também de retomada da tendencia positiva em Alimentação (0,11% no IGP-10; 0,57% no IGP-M; 0,74% no IGP-DI).

Por fim, no INCC-DI, os preços de Mão de obra apresentaram estabilidade em relação ao mês anterior (0,01% no IGP-10; 0,04% no IGP-M; 0,12% no IGP-DI).

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

INPC – Índice Nacional de Preços ao Consumidor

O INPC, que é diferente do IPCA por conta de sua mensuração considerar menor faixas de renda – até 5 salários-mínimos comparado a 40 salários-mínimos no segundo – teve variação de 0,47% em outubro, após cair 0,32% em setembro.

A variação acumulada no ano é de 4,81% e em 12 meses, 6,46%.

Custo da Cesta Básica

Por fim, o custo da cesta básica, índice calculado pelo PROCON no qual se mede a variação do custo da cesta básica no país, caiu -0,32% em setembro, após deflação de -1,08% em agosto. Apesar de ser um índice defasado, é importante por retratar o impacto da inflação para as pessoas de menor renda.

O grupo Limpeza teve alta de menor magnitude que setembro (2,25% ante 3,41%), enquanto Higiene Pessoal (2,34%, após 1,87%) seguiu o sentido oposto e segue sua tendencia de alta iniciada em junho.

No ano, o índice acumula alta de 14,11% (14,82% em 12 meses).

O que o último dado de inflação nos Estados Unidos e Europa podem significar para o Brasil?

Nos EUA, diferente do Brasil, a inflação registrada em outubro foi menor que a mediana de mercado, mas em linha com nossas expectativas (0,44%, ante consenso em 0,6%). Para análise mais detalhada, confira nosso relatório.

Apesar de um número mais otimista, não esperamos que isso afete a trajetória de política monetária a ser tomada pelo Federal Reserve, cujo efeito é vetor baixista na inflação brasileira. Além disso, o nosso cenário de desinflação global parece se materializar, com o Índice de Preços ao Produtor nos EUA abaixo do esperado (0,2%, ante 0,4%), além de sinalização de melhora nas cadeias de suprimentos (mensurado pelo GSCPI, Índice de Pressão na Cadeia Global de Suprimentos).

Cenário inflacionário para os próximos meses

Com o número observado em outubro, revisamos nossa projeção de IPCA para 2022, como publicado na última semana para 5,8%, embora a abertura (análise dos grupos e seus itens) ter sido boa. Isso decorre da surpresa vinda de etanol e gasolina, principalmente pelo reajustes consecutivos no preço de combustíveis cobrado aos postos (cujo efeito já é reflexo do custo do Etanol para o produtor), e apesar de não esperarmos reajustes da Petrobras às refinarias. Por outro lado, número melhor em serviços levou nossa projeção para dezembro para baixo (de 0,68% para 0,62%).

Para os próximos dois meses, Alimentação fora do domicílio e outros grupos associados à sazonalidade de fim de ano devem pressionar o setor de serviços, por outro lado, em novembro deve haver uma pressão baixista advinda dos descontos de Black Friday para Vestuário, Despesas pessoais e Artigos de residência.

Nossa projeção de IPCA para 2023 permanece em 5,2%. Este numero considera reoneração dos tributos federais sobre combustíveis, com impacto de 50bps no índice cheio. Enquanto o grupo de alimentação e industriais perdem força no próximo ano (3,5% e 2%, respectivamente), administrados e serviços seguem rodando acima da meta da inflação (7,6% e 6,2%, respectivamente). Os acontecimentos recentes, com possibilidade de maiores gastos no próximo ano, elevam o risco de alta para nossa projeção.

E como pensar em seus investimentos nesse cenário econômico? Clique aqui para conhecer as recomendações dos experts de acordo com seu perfil

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.