XP Expert

Zeina Latif: A tal da produtividade

O Brasil poderia produzir mais com a mesma estrutura produtiva. A baixa produtividade e sua estagnação é ao mesmo tempo uma grave deficiência da economia e um assunto pouco estudado e compreendido. Além de condenar o país a não ficar rico, por limitar o potencial de crescimento, a baixa produtividade tem impacto no curto prazo, […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Brasil poderia produzir mais com a mesma estrutura produtiva. A baixa produtividade e sua estagnação é ao mesmo tempo uma grave deficiência da economia e um assunto pouco estudado e compreendido.

Além de condenar o país a não ficar rico, por limitar o potencial de crescimento, a baixa produtividade tem impacto no curto prazo, como tornar a economia mais vulnerável a choques inflacionários, pela rigidez que causa na estrutura produtiva, pressionando assim a taxa de juros.

O mundo acadêmico, com raras exceções, está alheio ao tema. Lideranças do setor produtivo pouco conhecem o assunto, apesar de enfrentarem no dia-a-dia os obstáculos à eficiência e à produtividade. Muitas lideranças do setor privado avaliam que o governo deveria, prioritariamente, estimular a inovação e o desenvolvimento tecnológico, por conta do hiato tecnológico do país. Essa recomendação, no entanto, contraria as evidências disponíveis sobre as causas da baixa produtividade.

Uma rápida inspeção na literatura – vale a leitura do artigo de Marcos Lisboa e Alexandre Scheinkman, “As amarras para o crescimento da economia brasileira” – permite traçar dois diagnósticos principais para a baixa produtividade no Brasil.

O primeiro é que todos os setores, exceto a agropecuária, são pouco produtivos na comparação com a experiência mundial. Assim, apoiar a indústria, por exemplo, não seria a saída para aumentar e estimular a produtividade. Além disso, os dados sugerem que há fatores em comum penalizando todos os setores, o que requer medidas horizontais para correção. Pela posição do Brasil nos rankings de competitividade, o principal fator seria a complexidade tributária, regulatória e legal, que produz um ambiente de negócios difícil e insegurança jurídica.

O segundo diagnóstico é que há muitas empresas pouco produtivas e com uma distância muito grande em relação às muito produtivas, quando comparado à experiência mundial. Grupo numeroso e atrasado, dominado por empresas pequenas.

A evidência empírica no mundo indica que o que faz reduzir esse hiato entre empresas menos e mais produtivas é o ciclo de entrada, aprendizado, seleção e fechamento de empresas. A taxa de mortalidade de pequenas empresas é alta, mas as empresas que sobrevivem crescem mais que as empresas maduras. A dinâmica de abertura e fechamento de empresas nutre um ambiente inovador, com novos produtos e processos.

O ciclo de abertura e fechamento não é suficientemente dinâmico no Brasil. As empresas que sobrevivem não crescem; permanecem pequenas.

A razão para isso pode estar nas políticas públicas que desincentivam o crescimento das empresas e, portanto, a busca por eficiência. Exemplo dessa distorção é o benefício tributário do Simples. Em vez de proteger a empresa entrante, protege o pequeno. As margens das empresas sobem, mas sem estimular a produtividade.

Na experiência mundial, isenções tributárias, por afetarem a alocação de recursos, são menos utilizadas. Os instrumentos mais frequentes de apoio a pequenas empresas são os de acesso ao crédito, por meio de garantias governamentais e, em segundo lugar, empréstimos diretos, com o objetivo de corrigir falhas do mercado de crédito.

Os diagnósticos disponíveis apontam, prioritariamente, para a necessidade de remoção de obstáculos, que muitas vezes penalizam mais as empresas menores, por meio de medidas horizontais que favoreçam o ambiente de negócios, e de extinção de políticas que protegem a ineficiência.

“Nivelar o terreno” propiciará um ambiente de estímulo à eficiência, inclusive o investimento em gestão, inovação e novas tecnologias. Além disso, abre-se espaço para avançar em outras políticas públicas, inclusive de abertura da economia, que é elemento-chave no incentivo à produtividade.

Que a angústia para a retomada de ganhos de produtividade não se traduza em mais incentivos tributários e proteções. Dinheiro jogado fora.

09 de Fevereiro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.