Investindo no Futuro da Educação

Entenda a oportunidade por trás do mercado de educação global


Compartilhar:


Percebido como um direito básico em muitos países do mundo, a educação é capaz de impactar a sociedade como um todo. A educação propicia não apenas aumento de salários e da qualidade de vida dos indivíduos, mas também impulsiona as receitas governamentais via maior geração de riquezas e, consequentemente, maior arrecadação de tributos – ou seja, gera um círculo virtuoso no longo prazo.

Com sua importância unânime, a história nos conta o quanto já evoluímos até aqui e o quanto ainda precisamos evoluir. Nos últimos 2 séculos, houve uma tremenda expansão na educação global: Em 1800, apenas 13% da população sabia ler e escrever; em 2014 o número chegou a 85%. Porém, ainda existem países de baixa renda, como na África Subsaariana, com taxas de alfabetização de apenas 50%.

E como isto impacta os investimentos? Além de ser uma preocupação de ordem mundial, este mercado é muitas vezes esquecido pelo investidor, mas nem por isso deixa de ser extremamente relevante: Estima-se que mais de US$ 10tri sejam direcionados para o ensino globalmente hoje em dia. Colocando em perspectiva, o volume é 3x maior que o mercado de saúde/farmacêutico e comparável aos US$ 22tri gastos anualmente no varejo global. Modelos indicam que o mercado de educação cresça, até 2030, para US$ 18tri/ano.

Quem está bem preparado para capturar esta oportunidade? Entre diversos nomes de qualidade, podemos citar: O Zoom via plataforma de videochamadas, a Qualcomm com soluções Wi-Fi seguras para ensino remoto e a chinesa TAL através de seus sites e aplicativos de aprendizado online. Todas estas empresas apostam no forte crescimento da educação global via tecnologia. Abaixo, elencamos os principais pontos que nos fazem acreditar que esta é uma indústria com alto potencial:

1. A pandemia

Estima-se que o confinamento afetou 1,6 bilhão de estudantes em mais de 190 países – aproximadamente 94% dos discentes do mundo e 99% deles nos países pobres.

Fonte: UNESCO, XP

Apesar de sua importância, o setor educacional é um dos menos adaptados. Apenas 2,5% dos investimentos direcionados para ferramentas digitais. Recentemente, o #FiqueEmCasa forçou um processo adaptativo que está revolucionando a alocação dos US$ 10tri investidos por ano neste mercado. O Zoom, com sua plataforma de videoconferências globalmente adotada, está capturando esta oportunidade com maestria:

Para se ter uma ideia, 1/3 das universidades admitiram terem feito poucos investimentos em EdTech (tecnologia da educação) e um dos principais motivos alegados foi a dificuldade de sair da inércia de se ensinar como sempre foi feito. Hoje, 80% das universidades pretendem aumentar o uso de tecnologia nos próximos 5 anos e a expectativa é que 50% das horas de estudo sejam digitalizadas. Estima-se que os aportes em EdTech duplicarão para US$ 360bi a/a nos próximos 5 anos.

2. O interesse econômico e social

Pesquisas mostram que um aumento de 50 pontos no PISA (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) pode impulsionar em 1% o crescimento do PIB per capita de um país e que este efeito é ampliado em economias emergentes. Além disso, cada ponto percentual de população alfabetizada tem o potencial de incrementar em 2,5% a produtividade de um país.

Para se ter uma ideia, em países europeus como Reino Unido, França e Alemanha, 100% das crianças de 11 a 16 anos frequentam o ensino fundamental. Nos EUA e na China, o número cai para 87%. Enquanto isso, na Índia, país com mais de 1,4 bilhão de habitantes, possui uma grande oportunidade de expandir a fatia dos 62% de crianças matriculadas na escola. E a história dos últimos 2 séculos nos conta que a tendência é de melhora: No Reino Unido de 1820, apenas 1% da população cursou ensino superior; em 2010, foram mais de 62%. Observe a evolução da educação global:

Por isso, estudos da Comissão de Educação estimam que países de baixa renda devam aumentar os aportes em educação de US$ 1,2tri hoje para US$ 3tri em 2030 e, ainda assim, não alcançarão o investimento médio de países da OCDE (4,5% do PIB).

3. Os avanços tecnológicos e a meia-vida do conhecimento

Fritz Machlup criou, em 1966, o termo “meia-vida da educação”, que refere-se ao tempo em que um certo conhecimento ou ferramenta, depois de dominados, tornam-se obsoletos. Estimativas mostram que em 1920, o diploma de um engenheiro tinha meia-vida de 35 anos; em 1960, a durabilidade caiu para uma década. Hoje em dia, o mesmo diploma torna-se obsoleto em aproximadamente 12 a 18 meses. Ou seja, trabalhadores do futuro viverão em constante necessidade de aprimoramento e aprendizado.

Fritz Machlup, 1956, Escola Austríaca de Economia

Além disso, a tecnologia permitirá a amplicação do acesso à sala de aula, menores custos e maior engajamento. Um estudo da Fraser Institute ao longo de 15 anos mostrou que a tecnologia aplicada a educação foi capaz de reduzir custos em 31%, subiu o desempenho de 72% dos projetos estudantis, enquanto melhorou a retenção de alunos de baixa renda em 5,7% e os de alta renda em 4,2%.

4. O interesse governamental

Governos se beneficiam diretamente de trabalhadores mais capacitados. Nos EUA, por exemplo, cada US$ 1 de investimento público para graduar um aluno em uma universidade aumenta a arrecadação via tributos em US$ 5,10, gerando um ganho líquido de US$ 4,10, uma vez que os impostos de renda e contribuição social irão incidir sobre uma base maior de arrecadação.

Não menos importante, níveis elevados de educação estão relacionados com maior igualdade e coesão social. Diversos benefícios públicos e idividuais são alcançados via aumento do nível de conhecimento de uma população como, por exemplo, menor criminalidade, maior qualidade de vida e satisfação e até mesmo de saúde. Em suma, é uma poderosa arma para o aprimoramento social.

Olhando para frente, acreditamos que esta revolução educacional, além de trazer novas possibilidades de investimentos, via tecnologia, cria melhores oportunidades para o futuro de todos.

Sobre o JP Morgan 10% VT

O índice J.P. Morgan 10% VT on MSCI Future Education Index (JPMRFTED Index) reflete a performance de uma carteira teórica composta pelo índice MSCI ACWI IMI Future Education Index Net USD (MXACIEDU Index) e um componente de renda fixa (FEDL01 Index), visando manter uma volatilidade objetivo de 10% através de rebalanceamentos diários.

Fonte: JP Morgan, MSCI, Bloomberg, XP Investimentos.

O índice MSCI ACWI IMI Future Education Index

O MSCI ACWI IMI Future Education é construído pelo MSCI e busca selecionar empresas que possuem exposição às seguintes atividades:

  • Plataformas online e digitais para educação superior e profissional, educação a distância e cursos de profissionalização.
  • Hardware como webcams, headsets, monitores e acessos por biometria, assim como artigos eletrônicos com foco em tele presença e vídeoconferências.
  • Outras atividades educacionais como empréstimos e habitação estudantil.
O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é image-169.png
Fonte: MSCI, XP Investimentos.

Saiba como ter exposição ao tema

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Por conta da atividade de distribuição de COEs, a XP Investimentos recebe dos bancos emissores uma remuneração de no máximo 1,7% ao ano. Esta remuneração é recebida no momento da emissão do COE, independente do cliente manter o investimento até o vencimento.

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É DESTINADO A CLIENTES COM PERFIL DE INVESTIMENTO MODERADO (VALOR NOMINAL PROTEGIDO) E AGRESSIVO (VALOR NOMINAL EM RISCO), SENDO ESTE O PÚBLICO A QUE SE DESTINA O PRESENTE MATERIAL. O EMISSOR DO COE SE RESERVA AO DIREITO DE CANCELAR A EMISSÃO OU ALTERAR AS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO, CASO O VALOR MÍNIMO NÃO SEJA ATINGIDO OU HAJA ALTERAÇÃO NAS CONDIÇÕES DE MERCADO. ESTE DOCUMENTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO PELO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS O RECEBIMENTO DOS PAGAMENTOS DESTE CERTIFICADO ESTÁ SUJEITO AO RISCO DE CRÉDITO DO SEU EMISSOR O COE É UM PRODUTO FINANCEIRO QUE NÃO CONTA COM GARANTIA DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. A PRESENTE OFERTA FOI DISPENSADA DE REGISTRO PELA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS – CVM. A DISTRIBUIÇÃO DE CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS – COE NÃO IMPLICA, POR PARTE DOS ÓRGÃOS REGULADORES, GARANTIA DE VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS OU DE ADEQUAÇÃO DO CERTIFICADO À LEGISLAÇÃO VIGENTE OU JULGAMENTO SOBRE A QUALIDADE DO COE, DO SEU EMISSOR OU DA INSTITUIÇÃO INTERMEDIÁRIA. LEIA O DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS ANTES DE APLICAR NESTE CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS ESTE CERTIFICADO. NÃO SE TRATA DE INVESTIMENTO DIRETO NO ATIVO SUBJACENTE. O CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS – COE é um produto complexo. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações aqui divulgadas. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. É obrigatória a leitura do Documento de Informações Essenciais – DIE previamente à aquisição do COE, com especial atenção aos fatores de risco. Recomenda-se uma profunda análise das características, prazos e riscos dos investimentos antes da decisão de compra/venda/aplicação/resgate. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. Os custos das operações e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Corretora: www.xpi.com.br. Para reclamações, utilize o SAC 0800 77 20202. E se não ficar estiver satisfeito com a solução, favor entrar em contato com a Ouvidoria. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.