A crise mais rápida da História

A crise atual nos mercados foi a mais rápida da História. O que fazer diante deste cenário e quais os principais cuidados a se tomar

access_time 13/03/2020 - 19:55
format_align_left 13 minutos de leitura

O mundo nunca viveu uma crise tão rápida quanto essa. Os índices de Bolsa nunca haviam caído 30-40% em um período de apenas 2 semanas, como agora. Desde a volta do Carnaval até a quinta feira (12-Março), o Ibovespa caiu 36%, o EWZ (índice da bolsa brasileira em dólares) caiu 44% e o índice S&P500 americano acumulou queda de 27%.

Apesar da Bolsa brasileira ter subido +13,9% na sexta feira, o Ibovespa ainda fechou em queda de 15% na semana, a pior semana desde 2008. As bolsas na Europa fecharam a semana com quase 20% de queda e o S&P500 em queda de 8,8%.

Em 1929, o índice Dow Jones nos EUA demorou 35 dias para entrar em um bear-market (mercado de baixa), que é definido com uma queda superior a 20%. Em 2008, o mercado demorou mais de 4 meses para cair mais de 20%, de Maio até o final de Setembro. Dessa vez, foram apenas 16 dias.

Após uma das piores semanas já vistas em mercados de Renda Variável na história, as perguntas que surgem são muitas: 1) Devo vender minhas posições agora? 2) Por que o mercado caiu tão rápido? 3) É hora de aumentar a exposição em ações? 4) Está havendo um grande exagero e excesso de pânico, ou o mundo entrará em uma forte recessão?

Na nossa opinião, já vemos que o sentimento em relação à Bolsa se deteriorou de forma muito rápida. Enquanto após o Carnaval a maioria dos investidores olhavam a correção de 10% como um excelente ponto de entrada, o tom mudou após a Bolsa corrigir mais 20% desde então. A mensagem que escutamos agora de gestores e participantes do mercado é de cautela e com um viés de que a Bolsa poderia cair mais, uma mudança drástica de sentimento.

Historicamente, mudanças bruscas nos sentimentos de mercado tendem a ser um bom indicador contrário. Momentos de pânico generalizado tendem a ser ótimos pontos de entrada nos ativos. O Baron de Rothschild teria dito a famosa frase: “Compre quando houver sangue nas ruas”, se referindo aos momentos de pânico no mercado.

Cautela no curto prazo é recomendada

Porém, seguimos recomendando cautela no curto prazo, apesar das fortes quedas ocorridas e do sentimento já ter deteriorado bastante, e as bolsas já terem ensaiado fortes recuperações na sexta feira 13. Por quê?

Em primeiro lugar, ainda nem começamos a ver os impactos da crise do Coronavírus sob os dados econômicos e das empresas em nenhum país, nem mesmo na China. A Europa agora enfrenta uma grave crise de restrições de movimentação e circulação de pessoas, fechamento de escolas, lojas, estabelecimentos públicos e de viagens. Na Itália, que por enquanto concentra o maior número de casos, a crise econômica já é gravíssima.

A Comissão Européia já estima que o PIB Europeu irá cair 1% em 2020, vs. uma projeção anterior de +1,4% de crescimento. Ou seja, um impacto total de 2,5% do PIB Europeu, ou US$450 bilhões de impacto.

Além disso, a pandemia avança de forma muito rápida pelos EUA, que fechou as fronteiras aéreas com a Europa, cancelou a maioria dos jogos esportivos e várias cidades declararam estado de emergência.

No Brasil, o COVID também começa a se alastrar rapidamente pelas principais cidades, com mais de 100 casos confirmados e mais de 1.500 suspeitos. Várias escolas e empresas já anunciaram suspensão temporária das suas atividades

Essas restrições terão um grande impacto econômico. Isso porque veremos choques de oferta na medida em que as cadeias de suprimento são impactadas, e choques de demanda por conta de todas as restrições impostas.

A Bolsa ainda pode cair mais

As Bolsas hoje operaram em forte alta, depois de uma semana muito turbulenta. Após fortes quedas, é normal que haja um grande aumento da volatilidade, na medida que o mercado absorve as notícias e tenta encontrar um novo equilíbrio. Além disso, os mercados se animaram com as respostas contundentes dos EUA e Europa para conter a crise econômica.

Apesar das quedas bruscas nas últimas semanas, em nossa visão, caso o medo que o mundo venha entrar em uma forte recessão se confirmar, acreditamos que a Bolsa brasileira poderia vir a sofrer ainda mais.

Com base nas quedas históricas passadas geradas por recessões globais, acreditamos que a Bolsa brasileira poderia cair pelo menos mais 10-15%, chegando a 62.000-65.000 pontos, caso padrões similares à crises passadas ocorra novamente.

Em 2001, durante o estouro da bolha internet, a Bolsa brasileira caiu 44%, e em 2008 – crise financeira global – o índice caiu em torno de 60%.

Mas e se a crise atual alcançar patamares similares aos de 2008?

Dado que a correção atual tem se mostrado ainda mais brusca do que a de 2008, por ser mais rápida, achamos prudente comparar os níveis atuais da Bolsa em relação aos níveis que as ações brasileiras chegaram em 2008, algo que vários investidores nos perguntaram essa semana. Não achamos que a crise atual será tão séria quanto a de 2008, mas alguns riscos são importante de serem monitorados – mais sobre isso abaixo.

Ao compararmos o movimento de preços atual apenas com a crise de 2008, concluímos que o Ibovespa poderia cair para perto de 48.000 pontos, caso viesse a cair em magnitude similar de 60% do pico ao vale, após ter alcançado quase 120.000 pontos ao final de Janeiro.

Também olhamos para 2 indicadores de avaliação (múltiplos) principais para comparar com os níveis de estresse extremos de 2008:

1) Preço/Lucro projetado de 12 meses à frente, e

2) Preço/Valor Patrimonial (ou Price/Book Value – é usado para comparar o preço de mercado atual de uma empresa com seu valor patrimonial – capital social, lucros acumulados, fluxo de caixa, entre outros), como nos gráficos abaixo.

Em 2008, o Ibovespa chegou a negociar em um Preço/Lucro de 12 meses nos níveis de 5,7x, o que se compara 9,02x do último fechamento. Esse nível de P/L seria condizente com o índice em 46.400 pontos (-36% em relação ao preço atual).

Em relação ao Preço/Valor Patrimonial (P/BV), o Índice chegou a negociar a 1,04x, e isso se compara com 1,48x atualmente. Esse nível de múltiplo P/BV seria condizente com o índice chegar em 50.800 pontos (-30% em relação ao preço atual).

A crise do COVID-19 pode ser grande para a economia?

Apesar da baixa letalidade do COVID-19, as medidas drásticas que os governos estão tomando no mundo para conter a pandemia trarão grandes impactos para a economia e para as empresas. Como falamos, as restrições trarão um choque de demanda e de oferta ao mesmo tempo, para vários setores importantes para a economia. Além disso, o colapso do preço do Petróleo foi um fator novo que vimos a partir do anúncio da Arábia Saudita no último final de semana.

A grande preocupação que temos em relação ao surto de Coronavirus atual e do choque de preços de petróleo é se essa crise se tornar uma grave crise de crédito, nos moldes do que ocorreu na crise de 2008.

Isso porque com a recessão advinda das fortes restrições durante o controle do surto, muitas empresas poderão ter dificuldade em manter o pagamento das suas dívidas em dia. Por isso vários Bancos Centrais e Governos no mundo já anunciaram pacotes de resgate e auxílio aos setores mais afetados.

Os setores mais afetados são o de Óleo e Gás e o de Turismo e Transporte. Apenas esse último representa mais de US$9,3 trilhões de valor (Statista), sendo quase 11% do PIB global. Já o setor de Óleo e Gás tem um tamanho de US$3,3 trilhões de valor (IBIS World), sendo quase 4% do PIB global. Ou seja, temos quase 15% do PIB global com riscos elevados após essa crise do COVID-19 e do colapso do preço do petróleo.

O custo de proteção aos créditos High-Yield (de risco maior) disparou essa semana nos EUA, como vemos no gráfico, chegando a quase 700 pontos base (7,0%), um nível bem alto que evidencia o aumento do risco de crédito no mundo.

É importante monitorar se a crise atual será controlada pelos governos e bancos centrais, para evitar uma onda de empresas não conseguirem pagar suas dívidas e sobreviver.

Já é hora de aumentar a exposição a ações?

É sempre muito difícil prever qual será o ponto de equilíbrio no qual os mercados param de cair e começam a se recuperar. Em 2008, após o índice S&P 500 ter caído 42% até Outubro, o índice se recuperou 24% até o final do ano, antes de embarcar em uma nova queda de quase 30% em 2009 e enfim encontrar o vale.

Com isso em mente, para os investidores que estão querendo aproveitar as oportunidades de preços de ações em patamares muito mais baixos do que víamos a 1 mês atrás, a nossa recomendação é fazer compras ao longo do tempo, ao invés de fazer grandes investimentos de uma só vez. Isso porque ter um preço médio alivia os efeitos da elevada volatilidade.

Por isso, reiteramos que cautela é muito importante neste momento, além de (1) ter uma carteira adequada a seu perfil de risco; (2) ter visão de longo prazo e investimentos em empresas com bons fundamentos e (3) se manter sempre muito bem informado, com os riscos mapeados.

As crises passam, e no longo prazo ser sócio de empresas que têm bons fundamentos, em setores promissores e que são geridas por um forte grupo de gestores é sempre a estratégia vencedora.

Basta olhar qualquer índice de ações no mundo em um período longo de 20, 30 ou 50 anos. Não existe investimento melhor do que a criação de riqueza gerada pelas empresas no longo prazo.

Clique aqui para acessar a nossa Carteira Top 10 Ações XP e a

Carteira XP de Dividendos.

O que está por trás de uma estimativa de Preço Alvo?

Nosso time de análise na XP está nesse momento reavaliando todos os nossos cenários e Preços Alvos das ações e do índice Ibovespa, dado o cenário de rápida deterioração e escalada da crise global.

Em meio ao cenário de rápida deterioração e escalada da crise global, as ações corrigiram significativamente, como mencionamos, e com isso, os preços-alvo podem ficar distorcidos.  

Portanto, uma análise detalhada de potenciais impactos à economia e consequentemente às empresas, tanto setorial quanto nas especificidades de cada caso é muito importante, apesar de haver muita incerteza ainda.

Durante esses momentos, é muito importante entender o fundamento das empresas, ou seja, sua capacidade de entregar resultados no longo prazo. Mas para isso, avaliar a capacidade de cada empresa de passar por esse curto prazo, com análise de sua posição de caixa e endividamento, por exemplo, é crucial.

Vale lembrar que nas nossas análises, fazemos uma projeção dos resultados futuros das empresas (receitas, lucros, fluxo de caixa, dívidas etc), descontando em alguns casos esses fluxos futuros por uma taxa (prêmio de risco), ou usamos um múltiplo de avaliação para chegar ao Preço-Alvo. 

Por isso, nosso time de analistas deve avaliar quais serão os impactos nos resultados das companhias da Bolsa, e qual o novo nível de prêmio de risco (taxa de desconto) no cenário atual. Esse racional é válido para o Preço Alvo tanto das empresas quanto para a Bolsa.

Por exemplo, o risco país do Brasil, que é um dos fatores que impactam a taxa de desconto, subiu de 1% para quase 3% atualmente. Essa diferença, apesar de parecer pequena, têm um grande impacto no preço-alvo de uma ação.

Essa variação de 200 pontos-base (2%) na taxa de desconto tem um impacto médio de cerca 20% nos preços-alvo das empresas de nossa cobertura.

Quanto tempo durará a crise atual?

Da mesma forma que essa crise veio de forma muito abrupta e rápida, ela também pode se dissipar rapidamente, e em alguns meses o mundo poderá voltar a normalidade. Assim esperamos.

O que nos traz otimismo em relação ao futuro é o controle efetivo que países como a China e a Coréia do Sul conseguiram fazer em relação a propagação de novos casos, e a China já começa a voltar ao normal, após 2-3 meses de intenso impacto. Essa normalização das atividades na China pode ser muito importante para setores de Agronegócios (soja, proteínas) e Mineração no Brasil.

Além disso, os governos e Bancos Centrais estão sendo muito pró-ativos em anunciar medidas emergenciais. Essa é uma grande diferença em relação a 2008, dado que a discussão se os governos poderiam ajudar os bancos privados a sobreviver (moral hazard) acabou exacerbando a crise e levando a maior crise mundial desde 1929. Esperamos que dessa vez seja diferente, e que o mundo tenha aprendido com os erros do passado.

Volatilidade também traz oportunidades. Seguimos atentos e vigilantes.

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Receba resumos diários, semanais e mensais e fique sempre bem informado sobre nossas análises, relatórios e recomendações de investimentos.

Clique para se cadastrar